Show simple item record

dc.contributor.advisorD'Ambrosio, Ubiratan, 1932-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educaçãopt_BR
dc.creatorBello, Samuel Edmundo Lopezpt_BR
dc.date.accessioned2022-11-04T14:21:52Z
dc.date.available2022-11-04T14:21:52Z
dc.date.issued1995pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/68389
dc.descriptionOrientador: Prof. Ubiratan D'Ambrósiopt_BR
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Educação, Curso de Pós-Graduação em Educaçãopt_BR
dc.descriptionInclui referências: p. 143-149pt_BR
dc.description.abstractResumo: Este trabalho refere-se a questões fundamentais sobre Educação, principalmente Educação Matemática entre povos de culturas distintas, neste caso, grupos indígenas. A identificação e/ou reconhecimento das várias formas de explicar e conhecer a realidade (etnomatemática) por parte desses grupos, e a melhor maneira de essas formas serem trabalhadas no contexto escolar através de ações pedagógicas de natureza intercultural, convidam à reflexão e à consequente retomada de alguns conceitos e posturas sobre Educação, Cultura e, inclusive, Matemática. Baseado em um método de investigação Etnográfico - caracterizando uma pesquisa de tipo qualitativa - o trabalho de campo foi desenvolvido junto a índios Guarani-Kaiová da aldeia Panambizinho, localizada perto da cidade de Dourados, no Estado do Mato Grosso do Sul. No desenvolvimento dessa metodologia, técnicas como a observação participante e a entrevista livre foram indispensáveis. As interpretações das observações e conversas revelaram modelos cognitivos, representações e formas de pensamento diferentes e, até agora, pouco conhecidos, os quais estão em relação direta com a história - tanto pessoal quanto cultural - de cada um dos indivíduos pertencentes ao grupo pesquisado que, de uma ou outra forma, participaram da experiência. Noções e conceitos diferenciados sobre formas e medidas, um sistema de contagem próprio, habilidades cognitivas muito particulares na forma de operar com os números são, apenas, alguns exemplos da interferência da cultura e da relação direta que esses modelos mantêm com as atividades cotidianas. Sem dúvida, todos eles levam a reflexões e apontam para a reestruturação e a melhoria do ensino da matemática para populações indígenas. Conclui-se que integrando as práticas (etno)matemáticas, de grupos diferenciados, a ações pedagógicas que visem a apropriação de outras etnomatemáticas, estar-se-á contribuindo para a busca da autonomia e o resgate da cidadania daqueles grupos que, na atualidade encontram-se numa situação de subordinação e marginalidade.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: This thesis refers to essential questions about Education and mainly Mathematics Education among culturally identifiable groups. In this case, it is concerning to indian groups. Identification and acknowledgement of different ways that those groups have to explain and know the reality (Ethnomathematics), and how they could be introduced into schooling context through pedagogic actions of intercultural nature, take us to think carefully and review some ideas and concepts about Education, Culture, and even Mathematics. The research was based on an ethnografic method and took place in the indian area "Panambizinho" of the Guarani-Kaiová people near Dourados City, in state of Mato Grosso do Sul in Brazil. In the development of that methology some techniques such as participant observation and opened dialogues were very essential. The interpretation of the observations and talks, revealed different cognitive models, representations and structures of thinking, to date not much known, which are in direct relation with history - as individual as cultural - of everyone of the group that participated of the experience. Notions and concepts about shapes and measures, an own system of couting, particular cognitive abilities in manner of using the numbers are only some examples of cultural interference and how they are related to daily activities. There’s no doubt that they take us to reflect and point out to an improvement in Mathematics Education for indian people. In conclusion, we expect that integrating the ethnomathematics of culturally identifiable groups to pedagogic actions with the intention of apropriating other ethnomathematics, we’ll be contributing to search of autonomy and recovery of citizenship of those groups who are subordinated and rejected situation.pt_BR
dc.description.abstractResumen: Este trabajo se refiere a cuestiones esenciales sobre educación, principalmente Educación Matemática en poblaciones de diferentes culturas, en este caso sociedades indígenas. La identificaciòn y/o reconocimento de las diferentes formas que esas sociedades tienen para explicar e conocer la realidad (Etnomatemática), y la mejor manera de tratar de incorporarias al contexto excolar através de um trabajo pedagógico intercultural, nos lleva a reflecciones y consecuentemente a la retomada y revisión de conceptos y posturas sobre Educación, cultura e inclusive Matemática. Basado en una Metodologia etnográfica, caracterizando una investigación de tipo cualitativa, el trabajo de campo fue desarrolado con los indios Guarani-Kaiová de la aldea Panambizinho ubicada cerca de la ciudad de Dourados, estado de Mato Grosso do Sul- Brasil. Com la puesta en práctica de esta metodologia, técnicas cómo la observación participante y la entrevista libre fueron necessárias. Las interpretaciones de las observaciones y entrevistas realizadas revelaron modelos cognitivos, representaciones y formas de pensamiento diferentes y hasta ahora poco conocidos, las cuales se e n cuentran en relación directa con la historia, tanto personal como cultural, de cada uno de los indivíduos dei grupo investigado y que de una otra forma participaron dei trabajo. Noclones y conceptos diferenciados sobre formas y medidas, un sistema de numeración propio, habilidades cognitivas particulares en la forma de operar con los números son una muestra de la interferencia ejercida por la cultura y de la relación directa que esos modelos mantienen con las atividades cotidianas. Todo esto sin duda, nos conduce a reflecciones y apunta para la re-estruturación y mejoria de la ensenanza de las matemáticas para poblaciones indígenas. Se concluye que integrando las prácticas (etno) matemáticas de grupos diferenciados a acciones pedagógicas que visen a la apropiación de otras etnomatemáticas se estará contribuindo a la busqueda de autonomia y rescate de la ciudadania de esas poblaciones que em la actualidad se encuentrane nuna situación de subordinación y marginación.pt_BR
dc.format.extent149 f. + anexos : il.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relationDisponível em formato digitalpt_BR
dc.subjectIndios Guarani- - Mato Grosso do Sulpt_BR
dc.subjectIndios Kaiwa- - Mato Grosso do Sulpt_BR
dc.subjectMatemática - Estudo e ensinopt_BR
dc.subjectRedação acadêmicapt_BR
dc.subjectEducaçãopt_BR
dc.titleEducação matemática indígena : um estudo etnomatemático com os índios Guarani-Kaiova do Mato Grosso do Sulpt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record