Show simple item record

dc.contributor.authorBeviláqua, Kayron, 1988-pt_BR
dc.contributor.otherOliveira, Roberta Pires de, 1963-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Letraspt_BR
dc.date.accessioned2020-11-05T20:33:03Z
dc.date.available2020-11-05T20:33:03Z
dc.date.issued2019pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/66270
dc.descriptionOrientadora: Profa. Dra. Roberta Pires de Oliveirapt_BR
dc.descriptionTese (doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Letras. Defesa : Curitiba, 29/11/2019pt_BR
dc.descriptionInclui referências: p. 227-234pt_BR
dc.description.abstractResumo: A presente tese aborda a semântica da distinção contável-massivo no sintagma nominal sob uma perspectiva experimental e translinguística. Investigamos cinco línguas - selecionadas com base na tipologia de Chierchia (2010): inglês e espanhol (línguas de número marcado); cabo-verdiano e Ye'kwana (Caribe) (línguas de número neutro); e o português brasileiro (língua foco maior do trabalho e para a qual buscamos evidências para entender melhor em que tipo de língua se encaixa) - e cinco tipos de sintagmas nominais - o Singular Nu; sua contraparte pluralizada; nomes flexíveis singulares e plurais; e nomes massivos. Foram realizados três experimentos off-line com foco em estruturas comparativas: Teste de Aceitabilidade; Teste de Interpretabilidade; e Teste de Julgamento de Quantidade. Os resultados apontam o SNU como o locus da variação. O SNU não é aceito em todas as línguas, como é o caso do inglês; e nem é interpretado da mesma forma, gerando leituras partitivas no inglês e espanhol; de número no cabo-verdiano; e leitura massiva, de número e partitiva no PB e ye'kwana. Argumentamos, então, a favor de uma denotação atômica para o SNU nas línguas como inglês e espanhol, em que um predicado atômico (singularidades) é comparado. Já no cabo-verdiano, o SNU denota um predicado neutro para número (singularidades e pluralidades), e a possibilidade de leitura de volume para esse SN precisa ser mais bem explorada e atestada em outros experimentos. Mostramos, ademais, que, em termos tipológicos, o PB está muito mais próximo do Ye'kwana do que de línguas de base portuguesa como o CV. Concluímos que não há como encaixar tais línguas na tipologia proposta por Chierchia (2010). Complementarmente à investigação translinguística, também produzimos dois experimentos voltados especificamente ao português brasileiro. Os resultados apontaram que (i) a leitura de volume do SNU não é dependente do contexto; e (ii) que o SNU apresenta julgamentos de quantidade similares a sentenças sem nome. Este trabalho segue, portanto, dois grandes percursos de investigação interrelacionados: uma pesquisa translinguística; e uma investigação experimental mais focada em entender o SNU no PB. A partir dos resultados gerais encontrados, apresentamos uma análise para a distinção contável-massivo no PB. Argumentamos que o SNU no PB não carrega qualquer traço lexical de atomicidade, e, em compatibilidade com essa análise, defendemos que a proposta teórica de o SNU denotar o kind no PB, na linha de Pires de Oliveira e Rothstein (2011) é a que melhor explica os resultados. Nomes massivos, por sua vez, são marcados negativamente para atomicidade no léxico e por isso não podem ser contados diretamente. No caso dos nomes plurais, a atomicidade é dada sintaticamente pelo morfema de plural, que funciona como um classificador. Palavras-chave: Atomicidade. Distinção Contável-Massivo. Investigação Translinguística. Semântica Experimental. Singular Nu.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: The dissertation addresses the semantics of the mass-count distinction in the noun phrase from experimental and crosslinguistic perspectives. We investigated five languages - selected based on Chierchia's (2010) typology: English and Spanish (number marking languages); Cape Verdean and ye'kwana (number neutral languages); and Brazilian Portuguese (for which we seek evidence to better understand in which type of language it belongs) - and five types of noun phrases - the Bare singular noun; its pluralized counterpart; flexible singular and plural nouns; and mass nouns. Three offline experiments were conducted focusing on comparative structures: Acceptability Test; Interpretability Test; and Quantitative judgment test. The results point to the bare singular as the locus of variation. The bare singular was not accepted in all languages, as is the case of English; nor is it interpreted in the same way, generating partitive readings in English and Spanish; number readings in Cape Verdean; and mass, number and partitive readings in Brazilian Portuguese and Ye'kwana. We then argue for an atomic denotation for bare singulars in languages such as English and Spanish, in which an atomic predicate (singularities) is compared. In Cape Verdean, the bare singular denotes a number neutral predicate (singularities and pluralities), and the possibility of volume reading for this noun phrase needs to be further explored and attested in other experiments. We also show that, in typological terms, Brazilian Portuguese is much closer to Ye'kwana than to Portuguese-based languages, such as CV. We concluded that there is no way to fit such languages in Cherichia's (2010) tipology. In addition to the translinguistic research, we also produced two experiments focused exclusively on Brazilian Portuguese. The results showed that (i) the bare singular's volume reading is not contextual dependent; and (ii) the bare singular presents quantity judgments similar to sentences without the noun. Therefore, this work follows two major interrelated research paths: a translinguistic research; and an experimental investigation more focused on understanding the bare singular in Brazilian Portuguese. Following the general results found, we present an analysis for the mass-count distinction in Brazilian Portuguese. We argue that the bare singular in Brazilian Portuguese does not carry any lexical cues to atomicity, and, consistently with this analysis, we argue that the theoretical proposal of kind denoting bare singulars in Brazilian Portuguese, relying on Pires de Oliveira and Rothstein (2011), is the one which better explains the results. Mass nouns, in turn, are negatively marked for atomicity in the lexicon, and therefore cannot be directly counted. For plural nouns the atomicity is syntacticaly given by the plural morpheme, which works as a classifier. Keywords: Atomicity. Bare Singular. Crosslinguistic Investigation. Experimental Semantics. Mass-Count Distinction.pt_BR
dc.format.extent283 p. : il. (algumas color.).pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectSemântica experimentalpt_BR
dc.subjectGramatica comparada e geral - Sintagma nominalpt_BR
dc.subjectLetraspt_BR
dc.titleA semântica dos sintagmas nominais através das línguas : estudos experimentais sobre a distinção contável-massivopt_BR
dc.typeTese Digitalpt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record