Show simple item record

dc.contributor.advisorFarias, Luiz Rogério, 1952-pt_BR
dc.contributor.authorMariani, Paola Dolatapt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Sociais Aplicadas. Curso de Especialização em MBA em Auditoria Integralpt_BR
dc.date.accessioned2017-12-06T19:28:04Z
dc.date.available2017-12-06T19:28:04Z
dc.date.issued2015pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/51295
dc.descriptionOrientador : Luiz Rogério Fariaspt_BR
dc.descriptionMonografia (especialização) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Sociais Aplicadas, Curso de Especialização em Auditoria Integralpt_BR
dc.descriptionInclui referênciaspt_BR
dc.description.abstractResumo : A atividade bancária iniciou-se há décadas, surgindo da necessidade de agentes superavitários aplicarem seus recursos excedentes, enquanto por outro lado os agentes deficitários necessitavam de recursos para aplicar em suas atividades produtivas e não dispunham de tal. Os bancos então passaram a atuar como agentes financeiros, concedendo crédito a pessoas físicas e jurídicas. Mas, com o passar do tempo, a necessidade de um gerenciamento na concessão e inadimplência de créditos tornou-se necessária, visto o importante papel que os bancos tinham sobre a sociedade, mais especificamente sobre a sua economia. Como o banco tem este papel de influência na situação econômica e social de um país, e observando as diversas crises sistêmicas provocadas quando algum banco entra em dificuldades financeiras ou falência pelo descasamento em suas atividades de intermediação de recursos, representantes de diversos países reuniram-se a fim de criar formas de controle para se precaver contra crises sistêmicas. Assim, surgiu o Comitê de Basileia, emitindo regras de prudência bancária chamadas de Acordos de Basileia. Estes acordos assinados entre diversos países traçam formas de direcionar a criação de regulamentações neles, a fim de que adotem formas de gerenciamento de riscos para as instituições financeiras, impostas e fiscalizadas pelos seus bancos centrais. Desta forma, podemos concluir que o papel dos bancos no gerenciamento da concessão de crédito e inadimplência é fundamental para a estabilidade econômico-financeira e social do país, no que depende de sua atuação, sendo imprescindível o gerenciamento de risco de crédito nas suas atividades de empréstimos.pt_BR
dc.format.extent35 p.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.titleA importância dos bancos na gestão da concessão e inadimplência de crédito no Brasilpt_BR
dc.typeMonografia Especialização Digitalpt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record