Show simple item record

dc.contributor.advisorFoltran, Maria José Gnatta Dalcuche, 1954-pt_BR
dc.contributor.authorCarreira, Marcos Barbosapt_BR
dc.contributor.otherRodrigues, Cilenept_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Letraspt_BR
dc.date.accessioned2019-11-19T15:57:51Z
dc.date.available2019-11-19T15:57:51Z
dc.date.issued2015pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/40044
dc.descriptionOrientador : Profª Drª Maria José Foltranpt_BR
dc.descriptionCo-orientador : Profª Drª Cilene Rodriguespt_BR
dc.descriptionAutor não autorizou a divulgação do arquivo digitalpt_BR
dc.descriptionTese (doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Letras. Defesa: Curitiba, 13/03/2015pt_BR
dc.descriptionInclui referências : f.172-177pt_BR
dc.descriptionÁrea de concentração : Estudos linguísticospt_BR
dc.description.abstractResumo: O objetivo desta tese é apresentar uma análise formal de diferentes tipos de predicação (e.g. small clause, predicação secundária e modificação nominal) como adjunção, a partir das diretrizes propostas em Chomsky (1995). Assume-se como hipótese central que a relação que ocorre numa construção predicativa e numa atributiva seja uma predicação. Assim, a sentença o "joão comeu a carne crua", o AP "crua" pode tanto estar em função predicativa ou atributiva e, nos dois casos, "crua" é um predicado de carne. A diferença de leitura é resultado da relação que o AP tem com o restante da frase, de tal modo que na predicativa o AP é interpretado como restrito ao tempo da sentença e na atributiva, não. A predicação nesses dois domínios pode ser formalizada unificadamente por meio de uma estrutura de adjunção simples que utiliza conceito de categoria e segmento de categoria. A diferença na representação do predicado AP em posição predicativa e do predicado AP em posição atributiva é formalizada por meio da altura à qual o AP se adjunge na estrutura nominal. O AP pode tanto se adjungir ao NP ou ao DP, codificando a leitura atributiva e predicativa, respectivamente. A predicação ocorre respeitando a localidade da predicação por meio de uma relação de c-comando assimétrico do AP para o DP ou do DP para o AP, a depender de quem projete na estrutura de predicação (EP). A diferença de projeção também permite distinguir a predicação secundária da SC complemento. E a relação da EP com os núcleos irmãos permite distinguir a predicação secundária da predicação primária. O DP sujeito de uma predicação secundária forma um constituinte com o predicado AP, mas a estrutura proposta permite que tanto o DP quanto o AP estejam numa relação de irmandade com o verbo e permite que o AP possa estar no domínio mínimo de V e disparar interpretação predicativa. Por sua vez, a interpretação atributiva ocorre, quando o AP está encaixado no DP e não é visível fora dele. A base empírica desta tese é composta por dados conhecidos como construções com predicações secundárias orientadas para o objeto e para o sujeito, as SC complemento e também as construções que envolvem uma estrutura de predicação como complemento de preposição. Também compõem a base empírica dados de copulares com dupla predicação, as quais foram chamadas de Copulares Complexas e SC Complexas. A predicação no domínio nominal apesar de estar no bojo da hipótese teórica é pouco analisada neste trabalho necessitando ainda de maiores investigações. A aplicação desta teoria à análise desses dados solucionou um paradoxo de constituência e demonstrou adequação descritiva bastante satisfatória. Além disso, é possível estender esta proposta a outras construções predicativas ampliando sua cobertura empírica. Esta tese estabelece um diálogo com propostas presentes no Programa Minimalista de Chomsky (1995), como a de den Dikken (2006), buscando abrir novos caminhos nos estudos da predicação, na medida em que é capaz de simplificar as abordagens existentes. Palavras-chave: Predicação; Predicados Secundários; Small-Clauses; Adjunção; Estruturas de Predicação; Construções atributivas; Construções Predicativas.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: The goal of this thesis is to present a formal analysis of different types of predication (e.g. small clauses, secondary predication and nominal modification) as adjunction, along the lines proposed in Chomsky (1995). Our central hypothesis that the semantic relationship found in both predicative and attributive constructions is to be treated as predication. Thus, in a sentence like João comeu a carne crua "John ate meat raw" (Brazilian Portuguese) the AP crua "raw" can either be treated as predicate or an attribute, and, in both cases, it predicates of carne "meat". The two readings result from how the AP relates to the rest of the sentence: If it is restrictive with respect to the sentential tense, then it is interpreted as a predicative. If is it is not, the attributive reading emerges. The predication in both cases can be formalized by means of a simple adjunction structure, if we put emphasis on the formal differences between category and segment of category. The contrast between AP in predicative position and AP in attributive position is formalized in terms of how high the AP is adjoined within the nominal domain. It can be either adjoined to the NP or to the DP encoding the atributive or the predicative reading, respectively. The relation of predication happens under locality, through a asymmetric c-command relationship between the AP and the constituent it predicates of or vice-versa. This relationship depends on which category projects in the adjunction structure. The availability of different projections also distinguishes secondary predication from Small Clauses in complement position. In addition, he relationship between the adjunction structure and its sister's heads distinguishes secondary predication from primary predication. The secondary predication subject forms a constituent with its predicate, but the proposed adjunction structure allows both the DP and the AP to be in a sisterhood relationship with the verb and allows the AP to be in the minimal V domain, triggering a predicative interpretation. On the other hand, the attributive interpretation occurs when the AP is embedded under the DP, being invisible for operations outside this domain. The empirical base of this thesis consists of data known as subject and object oriented secondary predicate constructions, small clauses in complement position and constructions with predication in the complement position of a preposition. Copular sentences with double predication, called Complex Copular Sentences and Complex SC. Also, although inside the scope of our hypothesis, predications within nominal expressions were briefly considered here. Besides being empirically adequate, the analysis proposed here has the advantage of solving the so-called constituency of paradox (Carreira, 2008). This analysis dialogues with other minimalist proposals, such as Den Dikken (2006), seeking to shed new lights into the syntax and semantics of predication in different Grammars. Key-words: Predication; Secondary Predicates; Small Clauses; Adjunction; Predication Structures; Atributive Constructions; Predicative Constructions.pt_BR
dc.format.extent177 f. : il.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relationDisponível em formato digitalpt_BR
dc.subjectLetraspt_BR
dc.subjectGramática comparada e geralpt_BR
dc.subjectLinguisticapt_BR
dc.subjectSujeito e predicadopt_BR
dc.titlePredicação e ambiguidade de projeção : uma teoria unificadapt_BR
dc.typeTesept_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record