Show simple item record

dc.contributor.advisorMachado, Sidneipt_BR
dc.contributor.authorSantana, Marina Venceslaupt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Jurídicas. Curso de Graduação em Direitopt_BR
dc.date.accessioned2015-04-27T22:52:25Z
dc.date.available2015-04-27T22:52:25Z
dc.date.issued2014pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/37779
dc.descriptionOrientador: Sidnei Machadopt_BR
dc.descriptionMonografia (graduação) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Jurídicas, Curso de Graduação em Direitopt_BR
dc.description.abstractResumo: Esta pesquisa aborda o crescente uso da tecnologia, principalmente dos meios telemáticos de comunicação, nas relações de trabalho e como estes impactam no fenômeno da flexibilização. Procurou-se elaborar uma cronologia histórica sobre o fenômeno da flexibilização no mundo do trabalho, tanto em relação aos seus fundamentos econômicos e políticos, mas também confrontando-se com os sistemas de produção adotados no modo de produção capitalista. Sua compreensão deve ser realizada com cautela, pois o discurso patronal dominante apresenta a união da tecnologia com a flexibilização do trabalho como uma conquista paradigmática das novas gerações que estão entrando no mercado de trabalho. Ademais, este discurso substanciado pelos interesses do capital ainda localiza a flexibilização como um dos pilares para a sobrevivência e competitividade das empresas no mercado, de tal forma que impulsionaria também a economia. Diante desse discurso e da crescente disseminação da tecnologia nas relações laborais, impende analisar os impactos da tecnologia no movimento flexibilizatório e seus efeitos na vida pessoal do trabalhador, no que tange a sua subjetividade, mas também seus efeitos nas relações sociais e movimentos coletivos. Não se pode negar que esse contexto instaura uma nova morfologia do trabalho, marcada pela intensificação e pela intersecção do tempo de trabalho com o "tempo de não trabalho". É nesse contexto que este texto procura discutir a nova configuração do mundo do trabalho, marcado pela tecnologia e pela flexibilização, principalmente no que diz respeitos aos riscos de precarização do trabalho. Ou seja, diante dessa nova morfologia do trabalho, é necessário compreender criticamente os riscos do uso desmedido da tecnologia e sua forma de impacto na vida do trabalhador, para que não haja um enfraquecimento dos direitos trabalhistas e uma afronta à proteção e dignidade do trabalhadorpt_BR
dc.format.extent65 p.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectTrabalhopt_BR
dc.titleO uso das tecnologias e a flexibilização do trabalho : risco de precarização?pt_BR
dc.typeMonografia Graduaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record