Show simple item record

dc.contributor.advisorSoares, Geisla Mary Silva, 1979-pt_BR
dc.contributor.otherAssunção, Luciana Reichert da Silva, 1976-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Odontologiapt_BR
dc.creatorOliveira, Eduardo Henrique de Souzapt_BR
dc.date.accessioned2024-02-20T18:45:26Z
dc.date.available2024-02-20T18:45:26Z
dc.date.issued2022pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/77977
dc.descriptionOrientadora: Profa. Dra. Geisla Mary Silva Soarespt_BR
dc.descriptionCoorientadora: Profa. Dra. Luciana Reichert Assunção Zanonpt_BR
dc.descriptionTese (doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Odontologia. Defesa : Curitiba, 28/06/2022pt_BR
dc.descriptionInclui referênciaspt_BR
dc.descriptionÁrea de concentração: Clínica Odontológicapt_BR
dc.description.abstractResumo: A periodontite, uma doença multifatorial crônica associada a biofilmes disbióticos, tem sido associada ao parto prematuro, que é uma das principais causas de morte e complicações no desenvolvimento em crianças. Sendo assim, o objetivo deste estudo foi avaliar as condições clínicas periodontais e sua correlação com o perfil microbiológico subgengival de mães de bebês prematuros em comparação com um grupo controle de mães de bebês a termo. Este estudo observacional casocontrole foi composto por trinta e quatro pacientes organizadas em dois grupos: mães de bebês prematuros e mães de bebês nascidos a termo. Esses grupos foram subdivididos de acordo com a saúde periodontal (com e sem periodontite) e, o grupo mães de bebês prematuros ainda foi subdividido de acordo com o grau de prematuridade em muito/extremo prematuros e prematuros moderados/tardios. Dados não clínicos foram coletados através de questionários, incluindo: dados demográficos, condições de saúde no trabalho de parto, condições de saúde perinatal (primeiros 10 dias pós-parto) e hábitos bucais. Dados clínicos periodontais foram avaliados, incluindo: sangramento à sondagem (SS), profundidade de sondagem (PS) e nível de inserção clínica (NIC). De cada paciente, foram coletadas seis amostras de biofilme subgengival de sítios interproximais não contíguos. As amostras foram analisadas individualmente para 30 espécies bacterianas usando a técnica de checkerboard DNA-DNA hybridization. Diferenças estatisticamente significantes entre a média de idade e dos parâmetros clínicos periodontais entre os grupos foram buscadas pelo teste U de Mann- Whitney. As médias de contagens e desvio padrão (DP) de cada espécie bacteriana foram calculadas e a significância das diferenças foi determinada pelo teste t de Student para amostras independentes entre os grupos. Entre os grupos a termo, pré-termo moderado/tardio e muito/extremo prematuro, com ou sem periodontite, a significância das diferenças foi determinada pelos testes de comparação múltipla de Kruskal-Wallis e pós-teste de Dunn (p<0.05). A média ± DP de PS, NIC e SS foram respectivamente de 2,2 ± 0,4 mm, 1,43 ± 0,4 mm e 10,32 ± 9,68% no grupo pré-termo; e de 2,4 ±0,3 (p = 0,03), 1,5 ± 0,3 (p = 0,06), 19,69 ± 13,93 (p = 0,04) no grupo a termo. Diferenças estatisticamente significativas foram encontradas na contagem de 14 espécies entre mães de crianças a termo e pré-termo, incluindo cinco periodontopatógenos que estavam em níveis mais elevados nas mães de crianças pré-termo (p<0,05). Mães de crianças pré-termo moderado mostraram níveis estatisticamente mais elevados de C. sputigena, F. nuc. ss nucleatum, F. nuc. ss polymorphum, E. saburreum e P. melaninogenica do que mães de crianças a termo. Mães de crianças pré-termo com periodontite apresentaram contagens significativamente maiores de S. intermedius, C. sputígena, C. gracilis, F. nuc. ss nucleatum, F. nuc. ss polymorphum, F. periodonticum, P, intermedia, T. forsythia e G. morbilorum (p<0,05) que mães de crianças pré-termo sem periodontite. Sendo assim, podemos concluir que mães pré-termo apresentam um perfil microbiológico mais patogênico do que mães a termo, principalmente mães pré-termo moderado, mesmo apresentando um melhor perfil clínico periodontal.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: Periodontitis, a chronic multifactorial disease associated with dysbiotic biofilms, has been linked to preterm birth, which is a leading cause of death and developmental complications in children. Therefore, the aim of this study was to evaluate periodontal clinical conditions and their correlation with the subgingival microbiological profile of mothers of preterm infants compared to a control group of mothers of on-term infants. This observational case-control study consisted of thirty-four patients organized into two groups: mothers of preterm and mothers of on-term babies. These groups were subdivided according to periodontal health (with and without periodontitis) and the group of preterm babies' mothers was further subdivided according to the degree of prematurity into very/extreme preterm and moderate/late preterm. Non-clinical data were collected through questionnaires, including: demographic data, health conditions at labor, perinatal health conditions (first 10 days postpartum) and oral habits. Periodontal clinical data were evaluated, including: bleeding on probing (BOP), probing depth (PD), and clinical attachment level (CAL). From each patient, six samples of subgingival biofilm were collected from non-contiguous interproximal sites. Samples were individually analyzed for 30 bacterial species using the checkerboard DNA-DNA hybridization technique. Statistical significant differences between mean age and periodontal clinical parameters between groups were searched using the Mann-Whitney U test. Mean counts and standard deviation (SD) for each bacterial species were calculated and the significance of differences was determined by Student's t test for independent samples between groups. Among the on-term, moderate/late preterm and very/extreme preterm groups, with or without periodontitis, the significance of the differences was determined by the Kruskal-Wallis multiple comparison tests and Dunn's post-test (p<0.05). The mean ± SD of PD, CAL and BOP were respectively 2.2 ± 0.4 mm, 1.43 ± 0.4 mm and 10.32 ± 9.68% in the preterm group; and 2.4 ± 0.3 (p = 0.03), 1.5 ± 0.3 (p = 0.06), 19.69 ± 13.93 (p = 0.04) in the on-term group . Statistically significant differences were found in the count of 14 species between mothers of on-term and preterm infants, including five periodontopathogens that were at higher levels in mothers of preterm infants (p<0.05). Mothers of moderate/late preterm infants showed statistically higher levels of C. sputigena, F. nuc. ss nucleatum, F. nuc. ss polymorphum, E. saburreum and P. melaninogenica than mothers of onterm children. Mothers of preterm infants with periodontitis had significantly higher counts of S. intermedius, C. sputigena, C. gracilis, F. nuc. ss nucleatum, F. nuc. ss polymorphum, F. periodonticum, P, intermedia, T. forsythia and G. morbilorum (p<0.05) than mothers of preterm children without periodontitis. Therefore, we can conclude that preterm mothers have a more pathogenic microbiological profile than full-term mothers, especially moderate preterm mothers, even when presenting better periodontal clinical parameters.pt_BR
dc.format.extent1 recurso online : PDF.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languageMultilinguapt_BR
dc.languageTexto em português e inglêspt_BR
dc.languageporengpt_BR
dc.subjectPeriodontitept_BR
dc.subjectPrematurospt_BR
dc.subjectBiofilmespt_BR
dc.subjectOdontologiapt_BR
dc.titleAvaliação do perfil clínico e microbiológico periodontal de mães de bebês prematuros e nascidos a termopt_BR
dc.typeTese Digitalpt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record