Show simple item record

dc.contributor.authorFerreira Junior, Joãopt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Agrárias. Curso de Especialização em Projetos Sustentáveis, Mudanças Climáticas e Mercado de Carbonopt_BR
dc.date.accessioned2021-06-25T14:13:00Z
dc.date.available2021-06-25T14:13:00Z
dc.date.issued2015.pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/40214
dc.descriptionOrientadora : Profª. Drª. Ana Paula Dalla Cortept_BR
dc.descriptionMonografia (especialização) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Agrárias, Curso de Especialização em Projetos Sustentáveis, Mudanças Climáticas e Mercado de Carbonopt_BR
dc.descriptionInclui referências: p. 25-30pt_BR
dc.description.abstractResumo: A compensação da emissão de gases do efeito de estufa (GEEs) consiste em uma iniciativa voluntária com enfoque na gestão sustentável de um empreendimento em que o interessado reconhece o impacto que causa e atua na remediação mediante determinadas ações. O mercado de compensações está baseado na iniciativa, responsabilidade e na confiança, sendo um mercado paralelo, portanto, sem metas, e com participação de organizações não governamentais, governos, companhias em negociações pontuais. A elaboração de inventários de emissões de GEEs dentre as instituições financeiras constitui uma realidade no país, tendo grande valor o desenvolvimento de medidas compensatórias para as emissões de gases. O presente trabalho almeja analisar as medidas compensatórias para as emissões de gases de efeito estufa desenvolvidas pelas instituições financeiras, bem como propor medidas de compensação possíveis de serem aplicadas a uma instituição financeira de economia mista-Banco do Brasil S.A. A comparação entre os inventários de gases de efeito estufa publicados em 2013, permite reconhecer a interação entre bancos públicos e privados com organizações não governamentais no desenvolvimento de medidas compensatórias, com destaque em projetos de sequestro de carbono. A participação numérica das instituições financeiras evoluiu desde o surgimento do GHG Protocol Brasil, mas ainda constitui uma fração reduzida das instituições financeiras integrantes da Federação Brasileira de BancosFEBRABAN. Identifica-se certa similaridade entre as medidas compensatórias de emissão de GEEs adotadas entre bancos brasileiros e bancos estrangeiros, bem como reprodução de um modelo de otimização de gestão ambiental e redução de custos.pt_BR
dc.format.extent1 arquivo (30 p.) : il.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectGases do efeito estufapt_BR
dc.subjectGases do efeito estufa - Mediçãopt_BR
dc.subjectRedução de gases do efeito estufapt_BR
dc.subjectInstituições financeiras - Aspectos ambientais - Brasilpt_BR
dc.subjectImpacto ambiental - Avaliaçãopt_BR
dc.subjectBanco do Brasilpt_BR
dc.titleAnálise dos inventários de emissões de gases de efeito estufa das instituições financeiras brasileiras participantes do GHG Protocol : estudo de caso de uma instituição financeira de economia mistapt_BR
dc.typeMonografia Especialização Digitalpt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record