Show simple item record

dc.contributor.authorGarbin, Vivien Patriciapt_BR
dc.contributor.otherPimentel, Ida Chapavalpt_BR
dc.contributor.otherDalzoto, Patricia do Rociopt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciencias Biológicas. Programa de Pós-Graduaçao em Ciencias Biológicas (Microbiologia, Parasitologia e Patologia Básica)pt_BR
dc.date.accessioned2011-10-17T10:17:34Z
dc.date.available2011-10-17T10:17:34Z
dc.date.issued2011-10-17
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/26198
dc.description.abstractResumo: Muitas plantas dos biomas brasileiros, tais como o cerrado, a floresta amazônica e a mata atlântica têm sido utilizadas como fármacos naturais pelas populações locais no tratamento de várias doenças. Sendo assim, entre inúmeras espécies vegetais a serem investigadas destacam-se as espécies da família Arecaceae (Palmae) e dentro desta família botânica apresenta-se a palmeira juçara (Euterpe edulis), tipicamente encontrada na mata atlântica brasileira e muito pouco pesquisada, embora esteja ameaçada de extinção. Euterpe edulis é uma espécie que apresenta estipe único, sendo incapaz de produzir perfilhos e rebrota, o que acarreta na morte da planta após corte para extrair o palmito. A palmeira juçara é descrita como sendo usada contra picadas de escorpião, anemia, dores abdominais, hemorragias e mordidas de cobra. Este estudo teve por objetivos: Determinar umidade, sólidos totais, lipídeos, proteínas, resíduo mineral fixo (cinzas) e sais minerais da polpa, da casca das sementes e das sementes dos frutos de E. edulis; otimizar métodos de obtenção de extrato hidroetanólico dos frutos e procedimentos para extração de óleos das sementes de Euterpe edulis; verificar a ação inibitória do extrato e do óleo de E. edulis contra taphylococcus aureus ATCC 25923, Escherichia coli ATCC 25922, Pseudomonas aeruginosa ATCC 27853, Candida albicans ATCC 10231; isolar fungos epifíticos e endofíticos dos frutos e sementes de E. edulis; verificar se os fungos isolados apresentam ação inibitória contra Escherichia coli ATCC 25922, Staphylococcus aureus ATCC 25923, Pseudomonas aeruginosa ATCC 27853, Candida albicans ATCC 10231 e Staphylococcus aureus metilcilina aminoglicosídeo resistente (MRSA); determinar se os fungos testados apresentam diferenças em sua ação antimicrobiana quando cultivados em meio BDA e meio Sabouraud; pesquisar se há alterações na ação antimicrobiana dos fungos testados em condições de crescimento diferenciado, por adição do extrato hidroetanólico dos frutos ao meio de cultura. No presente estudo, os frutos foram coletados na região da Serra do Mar Paranaense. Foram realizadas 3 colheitas, nos meses de outubro, novembro e dezembro de 2009, resultando em aproximadamente 20 kg. Para o teste de atividade antimicrobiana foram utilizadas cepas de Escherichia coli ATCC 25922, Staphylococcus aureus ATCC 25923, Pseudomonas aeruginosa ATCC 27853, e inóculos de Candida albicans ATCC 10231. As análises de umidade, teor de sólidos solúveis totais, proteínas, cinzas, fibras, sais minerais e lipídeos foram realizadas em conjunto com a Embrapa Florestas, baseados em métodos utilizados por INSTITUTO ADOLFO LUTZ 2008. Os frutos de E. edulis foram submetidos ao processo de extração conforme método adaptado de NAZARÉ et al. (2002). O teste antimicrobiano foi feito por macrodiluição em caldo e macrodiluição em ágar. O último extrato testado, realizado apenas com etanol puro, apresentou atividade contra Candida albicans, mas apenas em uma das 5 baterias de teste. As sementes com casca foram submetidas a extração a quente em Soxhlet e a frio em maceração, pelo protocolo INSTITUTO ADOLFO LUTZ 2008. A extração de óleo das sementes dos frutos de E. edulis apresentou diferenças no rendimento quando feita a quente ou a frio. O óleo extraído a frio rendeu 4,504g aproximadamente. Este óleo rendeu mais que o óleo extraído a quente (aproximadamente 0,58g), sendo este de cor dourada e com odor menos intenso. Para isolamento dos fungos epifíticos e endofíticos, seguiu-se a metodologia de STONE et al. 2004 e AZEVEDO 1999, adaptada. O isolamento fúngico levou à identificação de 21 isolados endofíticos na polpa dos frutos, 3 nas sementes, e 32 isolados epifíticos, totalizando 56 isolados. Os isolados fúngicos foram divididos em 16 morfogrupos, segundo aracterísticas macromorfológicas semelhantes. Foram realizados testes antimicrobianos por perfuração em ágar com sete fungos endofíticos, sete fungos epifíticos e um fungo endofítico isolado da semente, em meio BDA e Saboraud. Dos 15 fungos testados,6 fungos apresentaram atividade contra S. aureus em meio BDA, e 4 fungos atuaram contra MRSA em meio BDA. Em meio Sabouraud, Trichoderma spp. apresentou atividade contra S. aureus e E. coli. O fungo Penicillium spp. 4 atuou contra C. albicans. 3 fungos testados apresentaram atividade contra MRSA. Os testes demonstram que o metabólito produzido pelos fungos pode ter boa capacidade de difusão em ágar MH, pois foram bservados halos de até 16 milímetros de diâmetro (Aspergillus spp.). O isolado mais efetivo foi Trichoderma spp, que teve atividade contra 3 organismos diferentes (S. aureus, E. coli e MRSA) em meio Sabouraud. A composição do meio pode levar a uma resposta diferenciada dos fungos frente às cepas utilizadas. Foi realizado o crescimento de 8 fungos dentre os isolados, em meio acrescido de extrato hidroalcóolico dos frutos de E. edulis, para examinar a possibilidade de apresentarem diferenças na sua atividade antimicrobiana. Macroscopicamente, 2 fungos (Mycelia sterilia 2 e Acremonium spp.) apresentaram mudanças na coloração no verso da colônia. O teste antimicrobiano mostrou inibição da atividade antimicrobiana em 3 fungos em meio BDAA, e em Trichoderma spp. nos dois meios. Houve alteração do diâmetro do halo de inibição em 2 fungos (nos dois meios utilizados para crescimento) e em Acremonium spp. em meio BDAA. Observou-se também atividade antimicrobiana de alguns fungos contra cepas que anteriormente não inibira (Penicillium spp. 1 e Aspergillus spp. contra E. coli, P. aeruginosa (apenas para Penicillium spp.1), e C. albicans; Penicillium spp. 2 contra S. aureus; Acremonium spp. contra S. aureus e C. albicans; e Penicillium spp. 4 contra S. aureus e MRSA). Os resultados obtidos no presente estudo demonstram uma possível interação dos fungos isolados com o extrato oriundo da planta hospedeira.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectTesespt_BR
dc.titleAnálise da atividade antimicrobiana dos extratos dos frutos, óleos das sementes e fungos isolados da Palmeira Juçara (Euterpe Edulis Martius 1824).pt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record