Show simple item record

dc.contributor.advisorCremasco, Maria Virgínia Filomena
dc.contributor.authorHofius, Roberta
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Psicologia
dc.date.accessioned2016-02-11T19:05:35Z
dc.date.available2016-02-11T19:05:35Z
dc.date.issued2013
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/40993
dc.descriptionOrientadora: Profª Drª Maria Virgínia Filomena Cremasco
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Defesa: Curitiba, 15/04/2015
dc.descriptionInclui referências : f. 90-96
dc.description.abstractResumo: O objetivo desta dissertação foi compreender, por meio da análise de atendimentos clínicos prestados a crianças e adolescentes violentados, o que incide sobre a violência que a conduz para um trauma psíquico. Em uma sociedade em que a violência ocupa o segundo lugar no ranking das causalidades para a morte, refletir sobre as suas possíveis consequências no psiquismo do indivíduo é de importante valor. Adotou-se um método qualitativo, conceituado como construção do caso clínico, o qual se embasou nos atendimentos clínicos prestados, pela autora desta pesquisa, a duas pacientes. Destas, uma delas, de pseudônimo Sofia, as violências que sofreu se transformaram em um trauma psíquico, ao passo que na outra paciente, identificada como Olívia, as situações de violência foram simbolizadas, ou seja, ab-reagidas e o trauma psíquico não se constituiu. Com isso, concluiu-se que a violência sempre exigirá uma resposta do sujeito porque introduz uma excitação que causa um desequilíbrio interno, essa excitação deve ser descarregada para que o aparelho psíquico retorne à homeostase. O escoamento pode se realizar de diferentes maneiras, algumas que proporcionam certo equilíbrio e outras, que se constituem em formações traumáticas. A violência pode ser simbolizada e ser ab-reagida. Também pode representar uma ameaça excessiva, ser recalcada e produzir formações inconscientes, típicas da neurose. A violência pode também não ser simbolizada e nem representada psiquicamente deixando uma marca mnêmica que fica a mercê da pulsão de morte e constitui um trauma. Palavras-chave: Trauma psíquico; Psicanálise, Violência, Infanto-juvenil, Clínica psicanalítica.
dc.description.abstractAbstract: The aim of this thesis was to understand, through the analysis of clinical care provided to children and adolescents who were abused, what makes the violence become a psychic trauma. In a society which violence occupies the second place in the ranking of causalities to death, the reflect on the possible psychic consequences of the individual has an important value. We adopted a qualitative method, conceptualized as construction of the case, which was grounded in the clinical care of two patients. Of those, one of them, pseudonym of Sophie, who had suffered the violence, which has become a psychic trauma. While the other patient, identified as Olivia, the violent situations were symbolized, ab-reacted and psychic trauma has not happened. Thus, it was concluded that violence will always require a response from the subject because it introduces an excitement that causes an internal imbalance. This excitement should be discharged to the psychic apparatus in order to return to homeostasis. The response can occur in different ways, some of those provide some balance and others allow the trauma. Violence can be symbolized and be ab-reacted, It also can pose as an unreasonable threat, and provids unconscious formations, typical of neurosis. The violence also cannot be symbolized and represented psychically or mnemic leaving a mark which is at the favor of the death instinct, which is a trauma. Keywords: Psychic Trauma, Psychoanalysis, Violence, Children and Youth, Clinical psychoanalysis.
dc.format.extent103 f.
dc.format.mimetypeapplication/pdf
dc.languagePortuguês
dc.relationDisponível em formato digital
dc.subjectPsicologia
dc.titleA violência traumatiza? Contribuições da psicanálise para criança e para adolescentes violentados
dc.typeDissertação


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record