Show simple item record

dc.contributor.advisorHöfelmann, Doroteia Aparecida, 1981-pt_BR
dc.contributor.authorManera, Fernanda, 1987-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Alimentação e Nutriçãopt_BR
dc.date.accessioned2022-04-06T11:39:18Z
dc.date.available2022-04-06T11:39:18Z
dc.date.issued2019pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/73605
dc.descriptionOrientadora: Profa. Dra. Doroteia Aparecida Höfelmannpt_BR
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Alimentação e Nutrição. Defesa : Curitiba, 16/08/2019pt_BR
dc.descriptionInclui referências: p. 66-70pt_BR
dc.description.abstractResumo: O ganho de peso gestacional é considerado um preditor de resultados perinatais e de saúde materna. Os objetivos deste estudo foram 1) avaliar a adequação do ganho de peso e a mudança do estado nutricional das gestantes e 2) identificar a trajetória e os padrões de ganho de peso de gestantes e estimar sua associação com características demográficas, obstétricas, antropométricas e de comportamentos de vida relacionados à saúde. Trata-se de uma coorte histórica, com gestantes maiores de 20 anos, em acompanhamento pré-natal no Sistema Único de Saúde, em unidades de saúde de Colombo (PR). Na Fase 1, foi aplicado um questionário semiestruturado, com questões demográficas, socioeconômicas, antecedente obstétrico, informações atuais da gestação, comportamentos de vida relacionados à saúde e dados antropométricos. De maneira concomitante, a Fase 2 foi realizada por meio de análise de prontuário físico/eletrônico de informações do pré-natal das gestantes. A trajetória de peso foi avaliada com modelos de regressão multinível mistos, em que foi empregado o ganho de peso (kg) como variável dependente e idade gestacional, idade gestacional quadrática, e cúbica como variáveis independentes indicadoras de tempo. Para identificar os padrões de trajetória de ganho de peso foi aplicado o modelo de trajetória baseada em grupo. Foram entrevistadas 553 gestantes, sendo 469 consideradas elegíveis. Destas, 64,0% (n=300) completaram a gestação até junho de 2019 e possuíam dados disponíveis para análises longitudinais. A prevalência de ganho insuficiente de peso foi de 19,9%, 45,8% tiveram ganho adequado e 34,3% excessivo. Houve aumento de categoria do IMC pré-gestacional em 18,3% das gestantes e 11,6% reduziram de categoria, dentre as eutróficas 20,6% (IC95%15,5;26,8) foram classificadas como sobrepeso e 2,5% (IC95%1,0;5,9) como obesas, e entre aquelas com sobrepeso pré-gestacional 22,9% (IC95%16,8;30,5) passaram a ser classificadas como obesas. A trajetória do peso gestacional foi ascendente, com um acúmulo médio de 2,8 kg (IC95%2,2;3,5), 7,8 kg (IC95%7,2;8,5) e de 13,7 kg (IC95%13,1;14,4) no 1º, 2º e 3º trimestres, respectivamente. Foram identificados três padrões distintos de trajetória de ganho de peso gestacional, nomeados como "Grupo 1" (29,6%), "Grupo 2" (59,9%) e "Grupo 3" (10,4%). O Grupo 1, apresentou o menor ganho de peso na gestação (5,5 kg IC95%4,2;6,9), o Grupo 2 ganho intermediário (16,2 kg IC95%15,2;17,1) e o Grupo 3 o maior ganho de peso (23,5 kg IC95%21,0;25,9). As gestantes fumantes foram classificadas com mais frequência no Grupo 3 (26,9%) e aquelas com obesidade pré-gestacional no Grupo 1 (50,0%). O ganho de peso total foi maior entre as gestantes com 30 anos ou mais (2,04 kg IC95%0,76;3,32), fumantes (2,78 kg IC95%0,78;4,78) e do Grupo 3 (15,14 kg IC95%13,95;16,34), e menor entre as mulheres com 11 anos ou mais de escolaridade (-1,85 kg IC95%-3,46;-0,24) e com obesidade pré-gestacional (-3,69 kg IC95%-6,86;-0,52). Observou-se aumento da prevalência de baixo peso e de obesidade na gestação. Além disso, foram identificados três padrões de ganho de peso distintos entre as gestantes.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: Gestational weight gain is considered a predictor of perinatal and maternal health outcomes. The objectives of this study were 1) to evaluate the adequacy of weight gain and the change in the nutritional status of pregnant women and 2) to identify the trajectory and patterns of weight gain of pregnant women and to estimate their association with demographic, obstetric, anthropometric and physical characteristics, health-related life behaviors. This is a historical cohort, with pregnant women older than 20 years, under prenatal care in the Unified Health System in Colombo (PR). In Phase 1, a semi-structured questionnaire was applied, with demographic, socioeconomic, obstetric history, current pregnancy information, health-related life behaviors and anthropometric data. Concomitantly, Phase 2 was performed by analyzing the physical/electronic medical record of prenatal information of pregnant women. The weight trajectory was evaluated with mixed multilevel regression models, in which weight gain (kg) was used as the dependent variable and gestational age, quadratic gestational age, and cubic as independent variables indicating time. To identify the weight gain trajectory patterns, the group-based trajectory model was applied. 553 pregnant women were interviewed, of which 469 were considered eligible. Of these, 64.0% (n=300) completed pregnancy by June 2019 and had data available for longitudinal analysis. The prevalence of insufficient gestational weight gain was 19.9%, 45.8% had adequate gain and 34.3% excessive. There was an increase in the category of pre-gestational BMI in 18.3% of pregnant women and 11.6% reduced in category, among the eutrophic 20.6% (95%CI 15.5;26.8) were classified as overweight and 2.5% (95%CI 1.0;5.9) as obese, and among those with pre-gestational overweight 22.9% (95%CI 16.8;30.5) were classified as obese. The gestational weight trajectory was ascending, with an average accumulation of 2.8 kg (95%CI 2.2;3.5), 7.8 kg (95%CI 7.2;8.5) and 13.7 kg. (95%CI 13.1;14.4) in the 1st, 2nd and 3rd quarters, respectively. Three distinct patterns of gestational weight gain trajectory were identified, named "Group 1" (29.6%), "Group 2" (59.9%) and "Group 3" (10.4%). Group 1 had the lowest weight gain during pregnancy (5.5 kg 95%CI 4.2;6.9), Group 2 intermediate gain (16.2 kg 95%CI 15.2;17.1) and Group 3 had the highest weight gain (23.5 kg 95%CI 21.0;25.9). Smoking pregnant women were classified more frequently in Group 3 (26.9%) and those with pre-gestational obesity in Group 1 (50.0%). The total weight gain was higher among pregnant women aged 30 years or older (2.04 kg 95%CI 0.76;3.32), smokers (2.78 kg 95%CI 0.78;4.78) and Group 3 (15.14 kg 95%CI 13.95;16.34), and lower among women with 11 years or more of schooling (-1.85 kg 95%CI -3.46;-0.24) and with obesity pre-gestational age (-3.69 kg 95%CI -6.86;-0.52). There was an increase in the prevalence of underweight and obesity in pregnancy. In addition, three distinct weight gain patterns were identified among pregnant women.pt_BR
dc.format.extent76 p. : il.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectGravidezpt_BR
dc.subjectGanho de pesopt_BR
dc.subjectNutriçãopt_BR
dc.titlePadrões de ganho de peso em gestantes em acompanhamento pré-natal no Sistema Único de Saúdept_BR
dc.typeDissertação Digitalpt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record