Show simple item record

dc.contributor.advisorOliveira, Jair, 1957-pt_BR
dc.contributor.authorTraesel, Francieli Aparecidapt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Parana. Setor de Artes, Comunicação e Design. Programa de Pós-Graduação em Comunicaçãopt_BR
dc.date.accessioned2022-10-27T12:34:50Z
dc.date.available2022-10-27T12:34:50Z
dc.date.issued2016pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/41833
dc.descriptionOrientador: Prof. Dr.Jair Antonio de Oliveirapt_BR
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Parana, Setor de Artes, Comunicação e Design, Programa de Pós-Graduação em Comunicação. Defesa: Curitiba, 24/02/2016pt_BR
dc.descriptionInclui referências : f. 81-83pt_BR
dc.descriptionÁrea de Concentração: Comunicação e Sociedadept_BR
dc.description.abstractResumo: O humor, embora consista numa prática linguística muito enraizada na nossa cultura, enfrenta uma série de restrições e críticas quando usado por uma organização governamental. Constantemente, os indivíduos se esforçam para controlar os conteúdos e formas dos discursos na sociedade, visando ora manter, ora alterar certos usos linguísticos em situações comunicativas "locais". Por este motivo, investigar como os indivíduos praticam a linguagem nos permite compreender que concepções e funções estes atribuem à linguagem, à comunicação e ao humor, sobretudo quando envolvem uma organização governamental. Além disso, é possível intervir nessas concepções operando com os argumentos dos próprios usuários. A fim de problematizar a performance do sério/não-sério nesse contexto, desenvolvemos uma pesquisa de natureza qualitativa de cunho descritivo e interpretativo. Para cumprir com a proposta geral, escolhemos 116 comentários da seção de avaliações da fanpage da Prefeitura de Curitiba a fim de verificar como os critérios platônicos que excluíram o não-sério da filosofia moderna foram relocalizados nesses discursos. Depois, para intervir nesses argumentos, substituímos a operação retórica centrada em critérios de verdade/falseabilidade por uma perspectiva pragmática (MEY, 1985; 1993; RAJAGOPALAN, 2010; 2014) com foco na performatividade da linguagem. A pesquisa, portanto, fundamenta-se em teorias que defendem que a hierarquia de um discurso sério sobre um não-sério não pode ser sustentada, pois para isso teríamos que considerar que a linguagem representa o mundo, invocando uma série de "presenças" metafísicas incluindo um sentido correto/literal para os atos de fala (ARROJO, 2003). Com as reflexões da Pragmática e da Desconstrução, o uso da linguagem é tomado como ação por meio dos conceitos de iterabilidade (DERRIDA, 1991b; CULLER, 1997) e performatividade (AUSTIN, 1990; LOXLEY, 2007; OTTONI, 1998). O conceito de humor que adotamos, que é afim dessas perspectivas, é a do humor como a percepção de uma incongruência apropriada (ORING, 1992; 2003). A análise dos dados demonstrou que tanto críticas quanto elogios ao estilo adotado pela fanpage se pautam por uma divisão entre "sério" e "não sério", relocalizando os critérios platônicos de real, verdadeiro e imparcial nos ideais de transparência, comunicabilidade/interatividade e relevância/interesse público. Interpretamos também uma frustração sobre aquilo que está sendo dito na página, sob a forma humorística, não refletir "a realidade" do cidadão curitibano. Além disso, o humor, quando avaliado positivamente, não é pela capacidade de exercer o mesmo papel que o "sério", mas por atrair os indivíduos para um "lugar" onde poderão encontrar "informações úteis e verdadeiras". Por fim, concluímos que expressões como transparência, interesse público, sério, não-sério, etc. só podem ser compreendidas enquanto metáforas, que são práticas locais de linguagem (PENNYCOOK, 2010) cujo sentido é negociado em cada uso, e não como presenças transcendentais. Palavras-chave: Humor. Performativo. Comunicação. Desconstrução. Prefeitura de Curitiba.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: Humor, although it is a well established language practice within our culture, its practice deals with a series of restrictions and criticism while used by a governmental organization. People constantly make efforts to control the content and the discursive forms in society. Sometimes they aim to keep some language uses as well, sometimes they may change them in local communicative situations. For this reason, researching on how people practice language allows us to understand which concepts and functions they assign to language, communication and humor, mainly related to a governmental organization. Furthermore, it is possible to intervene in these concepts using users arguments themselves. On purpose to discuss serious/non-serious performance in this context, we develop a qualitative research by a descriptive and interpretative analysis. To reach the overall objective, we chose 116 comments from Curitiba's Local Authority on its Facebook assessment section to verify how Plato's criteria for non-serious discourse exclusion from modern philosophy can be a case of relocalization in those assessments. After, to intervene in those arguments, we switch from reality/non-reality judgments to a Pragmatic's perspective of language (MEY, 1985; 1993; RAJAGOPALAN, 2010; 2014) with regard to Performativity. Thus, this research is based in theories that support there's no serious discourse hierarchy over a non-serious one, because in this case we should admit language as a description of the world, calling for metaphysical presence, including a literal meaning for each speech act (ARROJO, 2003). Through Pragmatics and Deconstruction, the use of language is interpreted as action by means of iterability (DERRIDA, 1991b; CULLER, 1997) and Performativity (AUSTIN, 1990; LOXLEY, 2007; OTTONI, 1998). The concept of humor we adopted is humor as a perception of an appropriate incongruity (ORING, 1992; 2003). The data analysis shows that both criticism and compliment to the fanpage use of language are guided by a division of serious and non-serious, relocating real, truth and impartial Plato's criteria to ideals of transparency, communicability/interactivity and relevance/public interest. We also interpreted a frustration about what is being said on Facebook, under a humorous form, does not reflect Curitiba's citizen "reality". In addition, humor's positive assessments are not due to its ability to do the same role of serious discourse, but to attract people to a "place" where they can find "true and useful information". Finally, we conclude that expressions like transparency, public interest, serious, non-serious, etc. only should be understood as metaphor, as local practice of language (PENNYCOOK, 2010) which meaning is negotiated in each use, not as transcendental presence. Keywords: Humor. Performativity. Communication. Deconstruction. Curitiba's Local Authority.pt_BR
dc.format.extent109 f. : il. algumas color.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relationDisponível em formato digitalpt_BR
dc.subjectComunicaçãopt_BR
dc.subjectLinguagem e comunicaçãopt_BR
dc.subjectComunicação organizacionalpt_BR
dc.titleO (não) sério e as organizações públicas : uma perspectiva pragmática do uso do humor na fanpage da Prefeitura Municipal de Curitibapt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record