Show simple item record

dc.contributor.authorAlcântara, Isadora, 1993-pt_BR
dc.contributor.otherCappello, Maria Adriana Camargo, 1966-pt_BR
dc.contributor.otherMoutinho, Luiz Damon Santos, 1964-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Filosofiapt_BR
dc.date.accessioned2019-10-19T15:15:20Z
dc.date.available2019-10-19T15:15:20Z
dc.date.issued2019pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/62254
dc.descriptionOrientadora: Profa. Dra. Maria Adriana Camargo Cappellopt_BR
dc.descriptionCoorientador: Prof. Dr. Luiz Damon Santos Moutinhopt_BR
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Filosofia. Defesa : Curitiba, 22/02/2019pt_BR
dc.descriptionInclui referências: p. 77-78pt_BR
dc.description.abstractResumo: A verificação e a certeza são apenas algumas das possibilidades para o ato de conhecer. Para além de tais significados, também encontramos: ver; ter noção; relacionar-se com; distinguir; estar convencido e conhecer a si como um variado conjunto de ações que compõem o sentido de conhecimento. Sartre nos ensina que para que haja uma legítima e direta possibilidade de relação com o mundo e com nós mesmos é preciso liberar a consciência de qualquer conteúdo, interioridade e também do próprio Ego. Esse aspecto é o que nos interessa aqui: entender através da descrição de uma consciência intencional e purificada como conhecemos e nos (re) conhecemos. Reconhecimento cujo sentido permeia a descoberta e o voltar-se para o mesmo, que é também examinar, explorar, declarar e confessar-se. A tese aqui é a de que a possibilidade de relação com o mundo e com nós mesmos decorra da própria liberdade, de modo que, tal ressignificação tenha como ponto inicial a retomada dos preceitos da fenomenologia de Husserl, cujos encaminhamentos retomados pelo filósofo da existência nos permitirá vislumbrar outra possibilidade de abordagem do tema da consciência. Desse modo, nos caberá entender a dimensão da afirmação de uma consciência que é voltada para o mundo, e quais os impactos decorrentes de tal afirmação representam para o conhecimento. Todo esse entendimento tem um caminho traçado e perpassa, como veremos, pela ressignificação da relação da consciência com ela mesma, com o Ego e com o mundo. Será, portanto, através da tentativa de Sartre em nos apresentar uma via de refutação das teorias epistemológicas, que baseiam suas pesquisas na representação, que me debruço aqui. O meu exercício é o de entender, a partir da relação consciência-mundo da fenomenologia, o que é (re) conhecer. Palavras-chave: Fenomenologia. Ego. Subjetividade. Intencionalidade. Consciência.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: The verification and certainty are just some of the possibilities for the act of knowing. In addition to these meanings, we can also find: to see; to ideate; to relate with; to distinguish; to be convinced and know yourself as a multiple set of actions that make up the meaning of knowledge. Sartre teaches us that for there to be a legitimate and direct possibility of relation with the world and with ourselves it is necessary to release the conscience of any content, interiority and also of the Ego. This aspect is what interests us here: to understand through the description of an intentional and purified consciousness how we know and identify. Recognition whose meaning permeates the discovery and turning to itself, which is also to examine, explore, declare and confess. The thesis here is that the possibility of a relationship with the world and with ourselves derives from freedom, so that such resignification has as its starting point the resumption of the precepts of Husserl's phenomenology, whose directions taken up by the philosopher of existence will allow us to glimpse another possibility of approaching the theme of consciousness. This way, it is up to us to understand the dimension of the affirmation of a conscience that is directed towards the world, and what are the impacts resulting from such affirmation represent for the knowledge. All this understanding has a path traced and perpasses, as we will see, by the re-signification of the relationship of consciousness with itself, with the Ego and with the world. It is, therefore, through Sartre's attempt to present to us a way of refutation of epistemological theories, which base his research on representation, which I dwell on here. My exercise is to understand, from the consciousness-world relationship of phenomenology, what is to know. Keywords: Phenomenology. Ego. Subjectivity. Intentionality. Consciousness.pt_BR
dc.format.extent78 p.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectSartre, Jean-Paul, 1905-1980pt_BR
dc.subjectFenomenologia existencialpt_BR
dc.subjectFilosofia modernapt_BR
dc.subjectFilosofiapt_BR
dc.titleA Consciência sem sujeito : intencionalidade e liberdade nas primeiras obras de Sartrept_BR
dc.typeDissertação Digitalpt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record