Show simple item record

dc.contributor.advisorBenthien, Rafael Faraco, 1979-pt_BR
dc.contributor.authorBusch, Willian Perpétuo, 1990-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Históriapt_BR
dc.date.accessioned2019-10-19T16:04:13Z
dc.date.available2019-10-19T16:04:13Z
dc.date.issued2019pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/61940
dc.descriptionOrientador: Prof. Dr. Rafael Faraco Benthienpt_BR
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em História. Defesa : Curitiba, 27/03/2019pt_BR
dc.descriptionInclui referências: p.180-199pt_BR
dc.description.abstractResumo: O objetivo desta dissertação é compreender como a Ficção Científica foi estruturada nos Estados Unidos durante o século XX. Partiremos da construção editorial de Hugo Gernsback e tencionaremos com as modulações autorais de Edgar Rice Burroughs e H. P. Lovecraft. Na sequência, problematizaremos as estratégias de escrita e de edição, estabelecidas por John W. Campbell Jr., e os seus reflexos nos trabalhos de Isaac Asimov e Robert A. Heinlein. O modelo de herói de Campbell será o cientista engenheiro que faz uso da tecnologia para superar as adversidades. A Segunda Guerra Mundial será um ponto de inflexão, com Campbell aproximando-se da Dianética e depois do Psi, consolidando assim uma orientação para o campo que se aproximava das Ciências Sociais. Noutro viés, a inserção da Ficção Científica como um tópico de estudos nas universidades norte-americanas num contexto amplo de recepção e mudança nos estudos literários marcará outro eixo referencial. A criação do Science-Fiction Studies em 1973 e a atuação de Ursula Kroeber Le Guin como autora e crítica estruturaram um novo modelo de herói: o antropólogo. Palavras-chave: Ficção Científica. História da Literatura Norte-Americana. Herói. Antropologia.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: The purpose of this dissertation is to understand how science fiction was structured in the United States during the 20th century. We will start with the editorial work of Hugo Gernsback and intend to use the editorial modulations of Edgar Rice Burroughs and H. P. Lovecraft. Next, we will discuss the strategies of writing and editing, established by John W. Campbell Jr., and his reflections in the works of Isaac Asimov and Robert A. Heinlein. Campbell's hero model will be the scientist engineer who makes use of technology to overcome adversity. World War II will be a turning point, with Campbell approaching Dianetics and then the Psi, thus consolidating an orientation to the field that approached the Social Sciences. In another bias, the insertion of Science Fiction as a topic of study in North American universities in a broad context of reception and change in literary studies will mark another referential axis. The creation of Science-Fiction Studies in 1973 and the performance of Ursula Kroeber Le Guin as author and critique structured a new model of hero: the anthropologist. Keywords: Science Fiction. History of North American Literature. Hero. Anthropology.pt_BR
dc.format.extent202 p.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectLiteratura norte-americana - História e críticapt_BR
dc.subjectFicção científica americanapt_BR
dc.subjectHerois na literaturapt_BR
dc.subjectAntropologiapt_BR
dc.subjectHistóriapt_BR
dc.titleHistória da ficção científica nos Estados Unidos do herói cientista de John W. Campbell ao herói antropólogo de Ursula Kroeber Le Guinpt_BR
dc.typeDissertação Digitalpt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record