Show simple item record

dc.contributor.authorSchultz, Brunopt_BR
dc.contributor.otherNogueira, Antonio Carlospt_BR
dc.contributor.otherAuer, Celso Garciapt_BR
dc.contributor.otherSantos, Alvaro Figueiredo dospt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciencias Agrárias. Programa de Pós-Graduaçao em Engenharia Florestalpt_BR
dc.date.accessioned2013-06-18T19:35:44Z
dc.date.available2013-06-18T19:35:44Z
dc.date.issued2013-06-18
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/27673
dc.description.abstractDentre as espécies de Eucalyptus plantadas na região Sul do Brasil, Eucalyptus benthamii encontra-se em expansão por sua produtividade e resistência à geadas. Contudo, além das geadas, pouco se conhece sobre os fatores limitantes à produção desta espécie. Desse modo, foi realizado um levantamento em viveiros, plantios comerciais e áreas experimentais com E. benthamii, nos estados do Paraná e Santa Catarina com o objetivo de identificar as doenças bióticas e abióticas nesta espécie. O levantamento foi realizado em dois viveiros localizados em Rio Negrinho – SC e um em Guarapuava – PR. Para as doenças em plantios comerciais e experimentais, cinco áreas situadas em Rio Negrinho foram avaliadas, com plantios com quatro, oito, 18 e 30 meses de idade. O material doente foi trazido para o Laboratório de Patologia Florestal da Embrapa Florestas e por meio de isolamentos foi realizada a diagnose deste material. Em viveiros, foram encontradas manchas foliares causadas por Cylindrocladium candelabrum com incidência média de (15,8 %), Hainesia lythri (4,3 %) e Pestalotiopsis sp. (24,9 %). C. candelabrum e Pestalotiopsis sp. foram encontrados em todos os viveiros analisados, porém este último foi associado ao estrangulamento da haste de mudas na casa de sombra. Botrytis cinerea e Rhizoctonia sp. foram encontrados associados ao tombamento das mudas (2,9 %) e com podridão de estacas (31,9 %). As doenças abióticas como quebra da haste por respingos da irrigação e anomalias genéticas tiveram incidência menor que 0,3 % para as mudas avaliadas. O oídio (Oidium eucalypti) e ferrugem (Puccinia psidii) não foram constatados nos viveiros. Nos plantios comerciais e experimentais, foram encontrados, a mancha foliar por C. candelabrum (21,6 %) e cancro por Botryosphaeria dothidea (3 %). A severidade média das plantas com a mancha de C. candelabrum, em uma escala de 0 a 4, variou de 1,2 a 2,8, sendo que as árvores de quatro e oito meses tiveram menor severidade. A principal doença em plantios jovens de E. benthamii foi a mancha foliar.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectTesespt_BR
dc.titleLevantamento de doenças bióticas e abióticas em Eucalyptus Benthamii Maiden nos Estados do Paraná e Santa Catarinapt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record