Show simple item record

dc.contributor.authorCordellini, Júlia Valéria Ferreirapt_BR
dc.contributor.otherRodrigues, Cristina de Oliveirapt_BR
dc.contributor.otherWeber, Lidia Natalia Dobrianskyjpt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e do Adolescentept_BR
dc.date.accessioned2014-10-31T11:08:49Z
dc.date.available2014-10-31T11:08:49Z
dc.date.issued2013pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/36293
dc.descriptionOrientadora: Profª. Drª. Cristina de Oliveira Rodriguespt_BR
dc.descriptionCo-orientadora: Profª. Drª. Lídia Natalia Dobrianskyj Weberpt_BR
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e do Adolescente. Defesa: Curitiba, 24/07/2013pt_BR
dc.descriptionInclui referênciaspt_BR
dc.description.abstractResumo: Em decorrência da terapia antirretroviral (TARV) uma grande proporção de crianças com HIV adquirido no período perinatal sobreviveu e atingiu a adolescência e idade adulta jovem, trazendo novos desafios para os profissionais de saúde, principalmente referentes aos aspectos preventivos e assistenciais da sexualidade e saúde reprodutiva desses adolescentes. O objetivo deste trabalho foi comparar os conhecimentos e as orientações recebidas sobre saúde sexual e reprodutiva de adolescentes infectados pelo HIV, por transmissão vertical, e de adolescentes não infectados pelo HIV, suas opiniões sobre os direitos sexuais e reprodutivos, identificando também os sentimentos sobre a doença e sobre a adolescência. Foi realizado um estudo observacional, analítico, transversal, com coleta de dados prospectiva, com abordagem quantitativa e qualitativa, nos Serviços de Infectologia Pediátrica e de Adultos e no Ambulatório de Adolescentes do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná, no período de junho de 2010 a agosto de 2011. Sessenta e um adolescentes HIV+, que sabiam de seu estado sorológico, representaram o grupo de estudo e sessenta e um adolescentes HIV- representaram o grupo controle. O Grupo HIV+ teve menor conhecimento sobre saúde sexual e reprodutiva, porém, ao comparar a saúde sexual com a saúde reprodutiva, ambos os grupos mostraram um menor conhecimento sobre a saúde reprodutiva. O Grupo HIV+ foi quem mais expressou a opinião sobre os direitos sexuais e reprodutivos, recebeu menos orientação sobre a anticoncepção de emergência, "ficou" e namorou menos. Ambos os grupos iniciaram atividade sexual em torno dos 15 anos, com seus "ficantes" ou namorados, referiram ter usado preservativos nas relações sexuais, mas não referiram o hábito de buscá-los. Encontrou-se um percentual considerável de adolescentes que não responderam sobre um cuidado efetivo relacionado à prevenção das Doenças Sexualmente Transmissíveis/Gravidez, na primeira relação sexual e nem nas seguintes. O sentimento de "ser igual aos outros", foi muito maior no Grupo HIV+, que também referiu não ter dificuldade para aceitar que é soropositivo. Responderam ter menos raiva, revolta e dúvidas e uma tendência a ter mais pena de si mesmo, indiferença e vergonha que os do Grupo HIV-. Os resultados sugerem que o conhecimento dos adolescentes sobre direitos e saúde sexual e reprodutiva precisa ser melhorado, principalmente daqueles com HIV/Aids, visto os enfrentamentos que eles precisam realizar nas relações afetivas, sexuais e sociais. Há necessidade de espaços para os adolescentes expressarem e refletirem sobre seus sentimentos. Os profissionais e cuidadores também necessitam se qualificar e ajudá-los, principalmente no desenvolvimento de sua autonomia e resiliência. Palavras-chave: Síndrome de Imunodeficiência Adquirida. Transmissão Vertical de Doença Infecciosa. Adolescente. Saúde Sexual e Reprodutiva. Direitos Sexuais e Reprodutivos.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: Due to the anti-retroviral therapy, a large proportion of children with perinatally acquired HIV has survived and reached adolescence and young adult age, bringing new challenges to health providers, especially those related to the preventive and assistencial aspects of their sexual health and sexuality. The objective of this study was to compare the knowledge and the orientations received about sexual and reproductive health of HIV-infected adolescents, via vertical transmission, to those of non HIV infected adolescents, also their opinions about sexual and reproductive rights, and identifying their feelings about the disease and about adolescence. It was conducted an observational, analytical, cross-sectional and prospective data collection, with qualitative and quantitative approach, at the Pediatric and Adult Infectology department and the outpatient clinic of adolescence from "Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná", from June 2010 to August 2011. Sixty-one HIV-positive (HIV+) adolescents, who knew about their HIV-status, formed the study group and sixty-one HIV-negative (HIV-) adolescents formed the control group. The HIV+ group showed less knowledge on sexual and reproductive health than the HIV- group, but when comparing sexual health to reproductive health, both groups showed less knowledge about reproductive health. The HIV+ group expressed more opinions on the sexual and reproductive rights, received less guidance on emergency contraception, had fewer "hook-ups" and relationships. Both groups became sexual active around 15 years old, with their "hook-ups" or partners, reported having used contraceptive (condoms) on their sexual intercourse, but not the habit of active seeking the contraceptive. It was found a considerable percentage of adolescents who did not answer the question about an effective care on the prevention of Sexually Transmitted Diseases/Pregnancy neither on their first or following sexual intercourses. The sentiment of "being like others" was more present in the HIV+ group, which also reported not having difficulty accepting being serum positive, reported having less anger, sentiment of rebellion and doubts, and showed a tendency to less self-pity, indifference and shame than the HIV- group. Results suggest that adolescents' knowledge about sexual and reproductive rights and health need improving, especially those with HIV/Aids, seeing the difficulties they encounter on their sentimental, sexual and social relationships. There is the need for places where adolescents express and reflect on their feelings. Health professionals and caretakers also need to be qualified to help them, mainly in the development of their autonomy and resilience. Keywords: Acquired Immunodeficiency Syndrome. Infections Disease Transmission Vertical. Adolescent. Sexual and Reproductive Health. Sexual and Reproductive Rights.pt_BR
dc.format.extent157f. : il. tabs., grafs.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectSaúde Sexual e Reprodutivapt_BR
dc.subjectDissertaçõespt_BR
dc.subjectAIDS (Doença)pt_BR
dc.subjectTransmissão vertical de doenças infecciosaspt_BR
dc.subjectAdolescentept_BR
dc.subjectDireitos sexuais e reprodutivospt_BR
dc.subjectPediatriapt_BR
dc.titleSaberes e orientações sobre saúde sexual e reprodutiva de adolescentes infectados e não infectados pelo HIVpt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record