Show simple item record

dc.contributor.authorFilizola, Robertopt_BR
dc.contributor.otherKozel, Saletept_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências da Terra. Programa de Pós-Graduação em Geografiapt_BR
dc.date.accessioned2014-08-27T18:02:54Z
dc.date.available2014-08-27T18:02:54Z
dc.date.issued2014pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/35875
dc.description.abstractResumo:Este trabalho analisa um festejo de boi que se desenrola em Guajará-Mirim, situada na porção norte-ocidental do estado de Rondônia, onde estabelece fronteira com a cidade boliviana de Guayaramerin. No mês de agosto, a cidade brasileira abriga o Festival Folclórico Duelo na Fronteira, verdadeira disputa entre o Boi Flor do Campo e o Boi Malhadinho, à semelhança do Festival Folclórico de Parintins (AM). Nascida no interior de uma escola pública pelas mãos de Dona Georgina, a brincadeira ganhou as ruas enquanto festa popular, e há pouco mais de quatro anos passou a acontecer na arena de um bumbódromo, revestindo-se das características de espetáculo. Usou-se de procedimento de etnografia e do trabalho de campo para o levantamento de dados, assim como da revisão de literatura, na busca por trabalhos relacionados ao festejo de boi. A enunciação e o performativo estão se prestando para uma leitura interpretativa dos sujeitos da pesquisa e de seus espaços emocionalizados pela festa e pela fronteira. O aporte teórico construído propõe um entrelaçamento entre a Geografia Cultural (com sua abordagem sobre território e fronteira, bem como de emocionalização do espaço), a Linguística (dialogando com estudos que atribuem à Linguagem um caráter constitutivo), a Educação (tendo em vista articular o conceito de cultura escolar com a festa que se inscreve no interior de uma escola pública estadual) e os Estudos Culturais (determinantes para uma ressignificação da fronteira em tempos de globalização). A festa em uma perspectiva geográfica é concebida enquanto código sociocultural impresso no espaço geográfico, segundo o entendimento de Di Méo. Inscrita no espaço escolar, a festa é analisada para identificar o processo de emocionalização de seu território, a conformação de territorialidades e a repercussão na mudança de suas características mais populares. Por sua vez, a fronteira é concebida como passagem, encontro de culturas. O hibridismo é considerado como abertura para o novo, em uma alusão direta ao pensamento de Hall e Bhabha, possibilitando reconhecer aspectos que fazem de Guajará-Mirim uma região marcada pela interculturalidade. Além disso, reitera-se que a festa de boi na cidade passou por importantes mudanças, mas ainda assim preserva certa autenticidade, sem com isso querer firmar uma visão romântica de tradição. A fronteira da festa se insere no contexto das fronteiras culturais, mais flexíveis, móveis, permeáveis e sazonais, em oposição às fronteiras da pós-modernidade, que se mostram a um só tempo duras e permeáveis, separadoras e integradoras. Palavras-chave: Festejo de boi bumbá. Guajará-Mirim. Geografias emocionais. Geografia Cultural. Território e fronteira.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectTesespt_BR
dc.titleDuelo na fronteirapt_BR
dc.typeTesept_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record