Show simple item record

dc.contributor.advisorMatias, Jorge Eduardo Foutopt_BR
dc.contributor.authorPalu, Ligia Aparecidapt_BR
dc.contributor.otherNasr, Adonis, 1972-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Clínica Cirúrgicapt_BR
dc.date.accessioned2020-08-17T20:03:45Z
dc.date.available2020-08-17T20:03:45Z
dc.date.issued2013pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/29981
dc.descriptionOrientador: Prof. Dr. Jorge E.F. Matiaspt_BR
dc.descriptionCo-orientador: Prof. Dr. Andônis Nasrpt_BR
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Clínica Cirúrgica. Defesa: Curitiba, 08/02/2013pt_BR
dc.descriptionBibliografia: fls. 65-72pt_BR
dc.description.abstractResumo: Nas últimas décadas, as lesões provocadas por acidentes de trânsito tem se convertido em uma das principais causas de morte e incapacidades em todo o mundo e são responsáveis por aproximadamente 30% das admissões hospitalares, com um custo social e médico superior a UU$ 500 bilhões/ano. Em 2010 o Ministério da Saúde informou que o número de vítimas fatais por acidentes de transporte foi de 43.908, especificamente em transporte terrestre foi de 42.844. Com este cenário o Brasil está entre os dez países com maior número de mortes causadas pelo trânsito. Dentre os acidentes envolvendo motocicletas, no Paraná em 2010 ocorreram 27.150, e pode-se considerar que estes acidentes acarretam conseqüências desastrosas e das mais diversas naturezas: prejudicam o trânsito, causando longos congestionamentos e, geralmente, ocasionam vítimas fatais, ou com ferimentos graves. Cabe ressaltar as deficiências físicas causadas pelos acidentes de trânsito, as quais promovem graves prejuízos ao indivíduo (financeiros, familiares, físicos, profissionais etc. Frente ao exposto, o presente trabalho objetivou: conhecer o perfil das vítimas de acidentes envolvendo motocicletas atendidas em um serviço público de emergência e Identificar os custos sociais gerados pelos acidentes, bem como estabelecer sua correlação com os índices de trauma. A coleta de dados aconteceu no período de março a dezembro de 2010 e fizeram parte do estudo 186 vítimas que sofreram acidentes de trânsito envolvendo motocicletas, com idade igual ou superior a 18 anos, atendidas em um Pronto Socorro de um Hospital Universitário da cidade de Curitiba/PR, o qual é referência no atendimento ao trauma. A pesquisa é de abordagem quantitativa e os dados foram obtidos por meio do preenchimento de um instrumento de coleta de dados, contendo variáveis demográficas e epidemiológicas, tais como gênero, faixa etária, tempo de permanência hospitalar, mecanismo de trauma, procedimentos cirúrgicos e tratamentos associados. A estratificação da gravidade do trauma e das lesões foi realizada pelo cálculo dos índices de trauma: RTS, escala de coma de Glasgow (ECG), AIS, ISS e TRISS. Houve predomínio de indivíduos do sexo masculino 84,4%, com média de idade de 30.4 anos. Dentre os acidentes, 58,4% foi considerado acidente de trabalho. A maioria dos motociclistas teve índice de trauma anatômico e fisiológicos baixos, com média na probabilidade de sobrevida de 99,5%. Portanto a maioria, 85,3%, apresentou lesões leves AIS 1, que não representavam ameaça iminente a vida. Constam ainda questões relacionadas aos custos destes acidentes, como: danos ao veículo e cargas, perda de produção e consumo, perda de rendimentos e gastos pessoais com o tratamento, gastos com transporte, entre outros, sendo este o foco deste estudo. 90,6 % da população estudada necessitou de afastamento do trabalho. Dentre os principais gastos, encontrou-se o item medicação com a maior média de gastos, compondo cerca de 34% da composição total de gastos, seguido dos custos com tratamento e reabilitação. Neste estudo os vários tipos de custo total e tempo de afastamento correlacionaram-se significativamente entre si e com os Índices de Gravidade de Trauma.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: In recent decades, the injuries caused by traffic accidents have become one of the leading causes of death and disability worldwide and are responsible for approximately 30% of hospital admissions with a social and medical costs exceeding $ 500 billion UU / year. In 2010 the Ministry of Health reported that the number of fatalities from traffic accidents was 43,908, specifically in land transport was 42,844. With this sight, Brazil is among the ten countries with the highest number of deaths caused by traffic. Among accidents involving motorcycles in Paraná and 2010 ocurred 27 150, and you can find that these accidents causes traffic jam, and often, and cause victims fatal or with serious injuries. We must to highligth the physical caused traffic accidents what promote serious losses the individual (financial, family, physical, professional etc. Based on these, this study aimed to: understand the profile of victims of motorcycle accidents treated at a public hospital emergency department and identify the social costs generated by accidents, as well as its correlation with the indices of trauma. Data collection took place from March until December 2010 and were part of the study 186 victims who suffered traffic accidents involving motorcycles, aged over 18 years, seen in an emergency department of a university hospital in Curitiba / PR, which is a benchmark in trauma care. The research is a quantitative approach and the data were obtained through the completion of a data collection instrument containing demographic and epidemiological variables such as gender, age, length of hospital stay, mechanism of trauma, surgical procedures and associated treatments. The stratification of trauma severity and lesion was performed by calculating the indices of trauma: RTS, Glasgow Coma Scale (GCS), AIS, ISS and TRISS. There was a predominance of males 84.4%, with a mean age of 30.4 years. Among the accidents, 58.4% was considered a work accident. Most motorcyclists had trauma index anatomical and physiological low, with the average survival probability of 99.5%. Most motorcyclists had trauma index anatomical and physiological low, with the average survival probability of 99.5%. Therefore the majority, 85.3% had mild injuries AIS 1 that posed no imminent threat to life. Yet listed tissues related to the costs of these accidents, such as damage to the vehicle and cargo, loss of production and consumption, loss of income and personal spending with treatment, transportation expenses, among others, and this is the focus of this study. 90.6% of the study population required absence from work. Among the major expenses, met the medication item with the highest average spending, composing about 34% of the total composition of spending, followed by the costs of treatment and rehabilitation. In this study the various types of total cost and time off were significantly correlated with each other and with the Trauma Severity Indices.pt_BR
dc.format.extent72f. : il. [algumas color.], grafs., tabs.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relationDisponível em formato digitalpt_BR
dc.subjectTesespt_BR
dc.subjectAcidentes de trânsitopt_BR
dc.subjectAcidentes de trânsito - motocicletapt_BR
dc.subjectMotocicletaspt_BR
dc.subjectCuidados Primários de Saúdept_BR
dc.subjectCustos de medicamentospt_BR
dc.subjectFerimentos e lesõespt_BR
dc.subjectCirurgiapt_BR
dc.titleO custo social dos acidentes com motocicletas e sua correlaçãio com os índices de traumapt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record