Show simple item record

dc.contributor.authorArmenta Iruretagoyena, Ferdinando Alfonso, 1986-pt_BR
dc.contributor.otherBorges, Maria Inês Smiljanic, 1968-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Antropologiapt_BR
dc.date.accessioned2019-10-19T13:51:06Z
dc.date.available2019-10-19T13:51:06Z
dc.date.issued2019pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/62585
dc.descriptionOrientadora: Profa. Dra. Maria Inês Smiljanic Borgespt_BR
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Antropologia. Defesa : Curitiba, 11/03/2019pt_BR
dc.descriptionInclui referências: p. 98-103pt_BR
dc.description.abstractResumo: O presente trabalho discorre sobre jovens guarani-mbya que expressam diversos âmbitos de sua vida por meio do Hip-hop. Colocando o foco nas práticas de um grupo de Rap guarani do sul do Brasil, relaciona-se o lugar do outro na cosmologia guarani com o repertório expressivo do Hip-hop. Com esta finalidade, realizou-se um registro etnográfico no trânsito de uma das aldeias onde os membros moram (tekoha Araçaí) e os espaços onde as apresentações tiveram lugar. Além disso, foram realizados uma série de registros audiovisuais como parte do trabalho colaborativo na difusão mediática do grupo. Levando em consideração tanto a construção literária das letras quanto suas performances musicais, defenderei que a continuidade entre as formas expressivas do Hip-hop e a forma de ser guarani-mbya baseia-se no papel da música como forma de lidar com o outro. Esta convergência foi apreciada de duas maneiras: primeiro, como um discurso de confronto para tomar posse no cenário político do país na luta pelos seus direitos enquanto "indígenas" e, segundo, como uma forma de extrapolar aspectos internos à sua noção de pessoa enquanto "Mbya", manifestado, por exemplo, em suas práticas espaciais (jaguatá) e nos cantos sagrados (mborai). A partir disto conclui-se que para pensar o lugar do outro no contexto guarani (assim como em outras sociedades ameríndias) é necessário desligar-se da ideia de que a diferença ou o contraste (gerado no discurso político) configuram o principal meio de identificação coletiva; em contrapartida, considera-se a ideia de que o "outro" (pessoa externa, divindades, mortos) torna-se constitutivo de sua noção de pessoa. Precisamente o Rap guarani mostra essa lógica relacional na qual a construção de si mesmos encontra-se mediada por um conjunto de elementos externos. Palavras-chave: Rap guarani, Hip-hop, noção de pessoa mbya, performance de identificação.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: This thesis deals with young Guarani-Mbya, who express different areas of their life through Hip-hop. Focusing on the practices of a Guarani rap group from southern Brazil, it relates the place of the otherness in the Guarani cosmology with the expressive repertoire of Hip-hop. With this horizon, an ethnographic record was made in transit of one of the villages where its members live (tekoha Aragaf) and the spaces where the presentations took place. In addition, a series of audiovisual recordings were carried out as part of the collaborative work in the media dissemination of the group. Taking into account both the literary construction of the lyrics and their musical performances, I will defend that the continuity between the expressive forms of Hip-hop and the way of being Guarani-Mbya is based on the role of music as a way to deal with the other. This convergence was appreciated in two ways: first, as a discourse of confrontation to take possession on the political scenario in the struggle for rights as "indigenous" and, second, as a form of extrapolating internal aspects to his notion of Person as "Mbya", which manifests itself, for example, in its spatial practices (jaguata) and in sacred chants (mborai). From this it is concluded that to situate the place of the other in the Guarani context (as well as in Amerindian societies) it is necessary to disconnect the idea that the difference or the contrast (generated in the political discourse) configure the principal means of collective identification; on the other hand, the idea that the "other" (external person, deities, dead) is constitutive of his notion of person is considered. Rap Guarani precisely shows this relational logic in which the construction of themselves is mediated by a set of external elements. Key words: Guarani rap, Hip-hop, notion of Mbya person, identification performance.pt_BR
dc.format.extent112 p. : il. (algumas color.).pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectIndios Mbya-Guarani - Brasilpt_BR
dc.subjectHip-hop (Música)pt_BR
dc.subjectRap (Música)pt_BR
dc.subjectAntropologiapt_BR
dc.titleA Fala das sombras : o rap guarani e a musicalização do outropt_BR
dc.typeDissertação Digitalpt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record