Show simple item record

dc.contributor.authorMarinho, Jose Aparecidopt_BR
dc.contributor.otherCosta, Marta Morais da, 1945-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Letraspt_BR
dc.date.accessioned2019-04-12T17:39:39Z
dc.date.available2019-04-12T17:39:39Z
dc.date.issued2005pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/6029
dc.descriptionOrientadora: Marta Morais da Costapt_BR
dc.descriptionDissertaçao (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciencias Humanas, Letras e Artes, Programa de Pós-Graduaçao em Letras. Defesa: Curitiba, 2005pt_BR
dc.descriptionInclui bibliografia e anexospt_BR
dc.descriptionÁrea de concentraçao: Estudos literáriospt_BR
dc.description.abstractResumo: Este trabalho descreve a trajetória do Festival Internacional de Londrina (FILO), desde sua criação, em 1968, até o ano 2000. São 33 anos de atividades, que marcam a evolução artística e a importância das artes cênicas na construção da história do município do interior do Paraná. O evento surgiu dentro do ambiente universitário, num momento de revolta contra o sistema político estabelecido pelo governo militar. E se transformou num dos mais importantes cenários para a atuação do movimento de resistência. Era o teatro amador, travestido de teatro estudantil ou universitário, que ocupava espaço de destaque na luta contra a repressão. Os artistas iam onde os livros não chegavam, onde o cinema era proibido. Enfrentavam a polícia, os censores, a ditadura. Um teatro de resistência, de práticas políticas, de influências dialéticas e do didático Bertolt Brecht. Com a abertura democrática no País, nos anos 1980, o evento sofreu uma reviravolta, porque o discurso anteriormente utilizado pelo teatro amador, em que predominava o texto com mensagens implícitas e metafóricas, para fugir à censura, perdeu o sentido. Deu-se, por isso, uma nova roupagem ao festival, que ganhou estéticas diferentes. Mas por pouco tempo. Foram necessárias outras mudanças, que vieram em 1988, com a Mostra Latino-Americana. Era o que faltava para os horizontes se abrirem e o evento se transformar em internacional. Nomenclatura que assumiu definitivamente em 1990, atraindo, para os palcos londrinenses, artistas dos cinco continentes. E Londrina tornou-se referência nas artes cênicas. É o FILO. É uma cidade do interior do Paraná e distante de Curitiba, a capital do Estado, que criou e mantém sistematicamente o primeiro festival de teatro do Brasil, desviando a atenção dos grandes centros. Palavras-chave: Festival; Teatro; Londrina; História.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: This work describe the trajectory of the "Londrina International Festival" (from the original "Festival Internacional de Londrina" - FILO), since its creation, in 1968, up to 2000. It's 33 years of activities, that mark the artistic evolution and the importance of the scenic arts to the construction of the Paraná countryside town history. The event arose in the academic environment, in a revolt moment against the political system established by the military government. And it was transformed into one of the most important scenarios to the performance of the resistance movement. It was the amateur theater, dressed up as a student or universitarian theater, that played a prominent role in the fight against the repression. The artists went where the books did not arrive, where the cinema was forbidden. They confronted the police, the censurers, the dictatorship. A theater of resistance, political practices, dialectic influences and Bertolt Brecht's. With the country democratical opening, in the 80's, the event suffered a complete reversal of position, because the speech previously used by the amateur theater, whose text with implicit and metaphorical messages predominates, to escape from the censure, lost its signification. Because of that, it was given a new clothing to the festival, that gained different esthetics. But it was for a short period of time. It were necessary other changes, that came in 1988, with the Latin-American exhibition. That was what was missing in order to open the horizons and the event become a international one. Nomenclature that definitively assumed in 1990, attracting, to the londrinenses stages, artists from the five continents. And Londrina became a reference in the scenic arts. It's the "FILO". It's a Paraná countryside town and far away from Curitiba, the state capital, that also created and systematically keep the first Brasil's teather festival, deviating the attention of the big centres. Keywords: Festival, Theater, Londrina, History.pt_BR
dc.format.extentix, 315f.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relationDisponível em formato digitalpt_BR
dc.subjectTeatro - História - Brasilpt_BR
dc.subjectDissertações - Letraspt_BR
dc.titleA história do festival de teatro de Londrina (FILO) (1968 - 2000)pt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record