Show simple item record

dc.contributor.advisorCosta, Paulo Roberto Neves, 1960-pt_BR
dc.contributor.authorDantas, Eric Gilpt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Ciência Políticapt_BR
dc.date.accessioned2019-12-20T12:56:54Z
dc.date.available2019-12-20T12:56:54Z
dc.date.issued2015pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/45671
dc.descriptionOrientador: Prof. Dr. Paulo Roberto Neves Costapt_BR
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Ciência Política. Defesa: Curitiba, 23/02/2015pt_BR
dc.descriptionInclui referências : f. 63-65pt_BR
dc.description.abstractResumo: Bancos Centrais são instituições que ganharam protagonismo no século XX com a financeirização da economia. Com o crescimento das instituições de crédito e a centralidade das políticas monetárias, de câmbio e fiscais, estas instituições passaram a ter um papel central na regulação das economias nacionais. No entanto, são escassos os estudos de Ciência Política e Sociologia sobre as funções e a composição da alta cúpula dos bancos centrais. Este trabalho tem por objetivo analisar a origem, o perfil acadêmico e o destino dos indivíduos (apenas no caso dos presidentes) recrutados para assumir a presidência e as diretorias do Banco Central do Brasil (BCB) no período compreendido entre os dois mandatos do governo Cardoso (1995-2002), nos dois do governo Lula da Silva (2003-2010) e no governo Dilma Rousseff (2011-2014). A hipótese a ser testada aqui é que existem duas formas predominantes e distintas de recrutamento para essas diretorias. Tudo depende se a diretoria é responsável, ou não, por formulação de política econômica. Chegamos às seguintes conclusões: (i) a principal origem dos dirigentes do BCB é o Setor Privado, apesar de haver presença importante do Setor Público e da Academia, e estes se formaram doutores em universidade de tradição ortodoxa; já sobre a hipótese testada (ii) no caso das diretorias que lidaram com política monetária e política cambial, a maioria dos diretores foi recrutada fora do Banco Central, principalmente no sistema financeiro e em escolas do pensamento ortodoxo econômico brasileiro, como Fundação Getúlio Vargas e PUC-Rio; e (iii) no caso das diretorias responsáveis por atividades de fiscalização e normatização bancária, ou por políticas relacionadas a assuntos internos ao Banco Central do Brasil, os profissionais foram recrutados entre os quadros concursados do próprio BCB. Esse padrão de recrutamento já foi detectado por Olivieri (2007) para os governos do período de 1985 a 2000. Neste aspecto os governos pós-ditatoriais diferenciam-se apenas nas proporções do fenômeno, seguindo, em geral, uma mesma tendência quanto ao tipo de recrutamento dos escalões superiores do Banco Central do Brasil. Palavras-chave: Banco Central do Brasil; Perfis de Dirigentes; Sistema Financeiro.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: Central banks are institutions that have gained prominence in the twentieth century, with the financial system growth. With the growing of credit institutions and the centrality of monetary, fiscal and exchange rate policies, these institutions have had a central role in the regulation of national economies. However, only a handful studies of Political Science and Sociology analyses the functions and composition of the top management of central banks. This work intends to analyze the origin, academic profile and the further work of individuals (only in the case of presidents) recruited to become president and directors of the Central Bank of Brazil (BCB), between the two terms of President Fernando Henrique Cardoso (1995- 2002), under Lula da Silva (2003-2010) and the Rousseff administration (2011-2014).The hypothesis to be tested here is that there are two prevalent and distinct forms of recruitment for these boards. It all depends if the board is responsible or not for the formulation of economic policy. We arrived at the following conclusions in this paper: (i) the main source of BCB leaders for this period was the private sector, although there is significant presence of the public sector and the Academy, and almost half have a PhD degree, especially in universities with an Orthodox economic thinking tradition; already on the tested hypothesis (ii) in the case of directors who dealt with monetary and exchange rate policy, most directors was recruited out of the Central Bank, particularly in the financial system and in Brazilian universities with orthodox economic thought, as Getulio Vargas Foundation and PUC-Rio; and (iii) in the case of boards responsible for enforcement activities and banking regulation or policy related to internal issues the Central Bank of Brazil, professionals were recruited from among the BCB own employees. This pattern of recruitment has been detected by Olivieri (2007) to the governments of 1985 to 2000. In this respect the post-dictatorial governments differ only in the proportions of the phenomenon, following, in general, the same trend about the kind of recruitment at the highest levels of the Central Bank of Brazil. Keywords: Central Bank of Brazil; Management Profile; Financial System.pt_BR
dc.format.extent68 f. : il., grafs., tabs.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relationDisponível em formato digitalpt_BR
dc.subjectCiência políticapt_BR
dc.subjectBanco Central do Brasilpt_BR
dc.subjectAdministração pública - Empresas - Diretoriapt_BR
dc.subjectPolítica monetária - Brasilpt_BR
dc.titleOs dirigentes do Banco Central do Brasil : quem são, de onde vêm e para onde vão (uma análise dos governos FHC, Lula e Dilma)pt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record