Show simple item record

dc.contributor.advisorAndreatini, Roberto
dc.contributor.authorKanazawa, Luiz Kae Sales
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Biológicas. Programa de Pós-Graduação em Farmacologia
dc.date.accessioned2016-09-26T14:55:34Z
dc.date.available2016-09-26T14:55:34Z
dc.date.issued2016
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/43113
dc.descriptionOrientador : Prof. Dr. Roberto Andreatini
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Farmacologia. Defesa: Curitiba, 24/03/2016
dc.descriptionInclui referências : f. 43-49-73-77-81-89
dc.description.abstractResumo: O tratamento atual para a mania do transtorno bipolar (TB) envolve grande ocorrência de efeitos adversos, além de altos índices de refratariedade e recaídas, o que torna necessária a pesquisa de novos agentes com potencial antimaníaco. Assim como o lítio, tratamento de primeira linha para a mania no TB, o flavonoide quercetina também possui atividade inibitória sobre a proteína quinase C (PKC) e ação antioxidante. Por isso, a quercetina poderia apresentar potencial antimaníaco. Para investigar este possível efeito, foram avaliados os efeitos do tratamento com quercetina nos modelos de mania de hiperlocomoção induzida por privação de sono paradoxal (PSP) (24 h) e hiperlocomoção induzida por metilfenidato em camundongos. Além disso, foi avaliado o efeito da quercetina no estresse oxidativo, tendo sido analisados os níveis de glutationa reduzida (GSH) e peroxidação lipídica (LPO) no cortex prefrontal (CPF), hipocampo e estriado dos camundongos submetidos aos modelos de mania mencionados. O tratamento agudo (10 e 40 mg/kg) e crônico (10 e 40 mg/kg) com quercetina bloqueou a hiperlocomoção induzida por privação de sono e por metilfenidato, respectivamente. A quercetina também bloqueou a diminuição de GSH no CPF e o aumento de LPO no CPF, hipocampo e estriado de camundongos submetidos à PSP (24 h). O tratamento crônico com quercetina reverteu o aumento de LPO no CPF e no estriado de camundongos submetidos ao modelo de hiperlocomoção induzida por metilfenidato. Tais efeitos foram, no geral, semelhantes ao do lítio, utilizado como controle positivo. Estes resultados indicam um possível efeito tipo antimaníaco da quercetina, o que a torna um agente interessante no contexto da pesquisa de novas drogas antimaníacas.
dc.description.abstractAbstract: The current treatment for mania in bipolar disorder (BD) involves the occurance of important adverse effects, as well as high rates of refractoriness and relapses, which makes it necessary to research for new potential antimanic agents. Like lithium, the first-line treatment for mania in BD, the flavonoid quercetin also possesses inhibitory activity over protein kinase C (PKC) and antioxidant effects. Thus, quercetin might have an antimanic property. In order to investigate this possible effect, we evaluated the treatment with quercetin in models of mania, such as 24 h paradoxical sleep deprivation (PSD)- and methylphenidate-induced hyperlocomotion in mice. In addition, we evaluated the effect of quercetin on oxidative stress by analyzing the levels of reduced glutathione (GSH) and lipid peroxidation (LPO) in the prefrontal cortex (PFC), hippocampus and striatum of mice that were submitted to the models of mania previously mentioned. Acute (10 and 40 mg/kg) and chronic (10 and 40 mg/kg) treatment with quercetin blocked sleep deprivation- and methylphenidate-induced hyperlocomotion, respectively. Quercetin also blocked the GSH decrease in the PFC and LPO increase in the PFC, hippocampus and striatum of mice submitted to PSD (24 h). Chronic treatment with quercetin reversed the LPO increase in PFC and striatum of mice submitted to the methylphenidate-induced hyperlocomotion model. Those effects were, in general, similar to the effects of lithium, which was used as positive control. These results indicate a possible antimanic-like effect of quercetin, which makes it an interesting agent regarding the research for new antimanic drugs.
dc.format.extent90 f. : il. , grafs., tabs.
dc.format.mimetypeapplication/pdf
dc.languagePortuguês
dc.relationDisponível em formato digital
dc.subjectEstresse oxidativo
dc.subjectQuercetina
dc.subjectTranstorno bipolar
dc.subjectSono - Privação
dc.subjectProteínas quinases
dc.subjectMetilfenidato
dc.titleEfeito da quercetina em modelos animais de mania
dc.typeDissertação


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record