Show simple item record

dc.contributor.authorOliveira, Mara Edilara Batista dept_BR
dc.contributor.otherGómez, Jorge Ramón Montenegropt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências da Terra. Programa de Pós-Graduação em Geografiapt_BR
dc.date.accessioned2015-04-22T18:52:58Z
dc.date.available2015-04-22T18:52:58Z
dc.date.issued2015pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/37714
dc.descriptionOrientador : Prof. Dr. Jorge Ramón Montenegro Gómezpt_BR
dc.descriptionTese (doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências da Terra, Programa de Pós-Graduação em Geografia. Defesa: Curitiba, 26/03/2015pt_BR
dc.descriptionInclui referênciaspt_BR
dc.description.abstractResumo: No desenvolvimento desigual, contraditório e combinado no campo, a reprodução ampliada do capital assume formas de apropriação para além da terra, gerando conflitos que torna a questão agrária no Brasil complexa e atual. São formas de cooptação das subjetividades políticas vivenciadas pela classe trabalhadora "desde baixo", em meio a processos de subordinação e autonomização na luta por Educação do Campo, que contam com a mediação direta do Estado. Desta forma, entendemos que o Estado por meio de ações, programas e políticas públicas, se apropria das demandas da classe trabalhadora rural organizada na luta por Educação do Campo e as transforma mais uma vez em formas de subordinação do trabalhador rural ao capital. Com o objetivo de desconstruir esses processos e desvendar o que está por trás dessas formas de apropriação, analisamos a implantação do programa do Governo Federal, de educação para áreas rurais, o ProJovem Campo – Saberes da Terra na Paraíba (2010-2011). Para isso, resgatamos as experiências vivenciadas nesse processo de implementação por meio das vozes dos sujeitos envolvidos, com a realização de entrevistas. A partir da análise dessas falas, assim como do levantamento e descrição dos dados primários e secundários em torno do processo de execução desse programa em escala nacional e posteriormente na Paraíba, o que nos "saltou aos olhos" em um primeiro momento foi que existia uma negação do ProJovem Campo aos fundamentos iniciais das propostas educativas da Educação do Campo. Tendo isso em conta, construímos uma proposta metodológica teórica-analítica que parte da recuperação dos fundamentos iniciais dessas propostas – para isso nos utilizamos dos clássicos como, Gramsci e Luckács, colocando no centro dessa discussão a relação entre educação e trabalho – perpassa uma recuperação histórica das consequências do desenvolvimentos desigual e combinado no campo, que distribuiu de forma desigual não só a terra como os direitos de reprodução da própria vida, como a educação. Chegando assim a processos de subjetivação política, construídas sob formas de subordinação e autonomização da classe trabalhadora, no âmbito da Educação do Campo, e portanto, no âmbito da questão agrária hoje. Destacamos que esses processos de dominação e autonomização se expressam nessa pesquisa: de forma escalar "desde cima" e "desde baixo"; pela apropriação e uso do discurso no âmbito do desenvolvimento capitalista e suas formas de controle; e estão marcados pela autonomia relativa da classe trabalhadora rural, que passa por ações no interior do próprio Estado. Em meio a esses processos o ProJovem Campo estará no centro dessa análise teórico-metodológica como uma dessas ações e colocada à luz de outras experiências, ou seja, como fruto de uma totalidade que a envolve. De forma geral, essa tese buscou contribuir com a construção de um projeto contrahegemônico em curso por meio da Educação do Campo, retomando as bases desse projeto educativo, recuperando as concepções ideológicas que lhe deram origem, mas, principalmente desvendando as formas de apropriação dessas bases pelo Estado, no sentido de visualizar possibilidades de reapropriação dessas ações pelos sujeitos "desde baixo". Por fim, fechamos esse texto, e não as possibilidades de pesquisa em torno do tema, com a motivação de que há um projeto político da Educação do Campo em curso, levado a cabo pelos próprios sujeitos "desde baixo", que necessita de teorias e conceitos renovados, uma das contribuições dessa pesquisa. Palavras-chaves: Educação do Campo; políticas públicas; questão agrária.pt_BR
dc.description.abstractResumen: En el desarrollo desigual, contradictorio y combinado en el campo, la reproducción ampliada del capital asume formas de apropiación para más allá de la tierra generando conflictos que torna la cuestión agraria en Brasil compleja y actual. Son formas de apropiación de las subjetividades políticas vivenciadas por la clase trabajadora "desde abajo", en medio de procesos de subordinación y autonomización en la lucha por Educación del Campo, que pasan por la mediación directa del Estado. De esta forma, comprendemos que el Estado por medio de acciones, programas y políticas públicas, se apropia de las demandas de la clase trabajadora rural organizada en la lucha por Educación del Campo y las transforma mas una vez en formas de subordinación del trabajador rural al capital. Con el objetivo de desconstruir procesos y desvendar lo que está por detrás de esas formas de apropiación, analizamos la implantación del programa del Gobierno Federal, de educación para aéreas rurales el ProJovem Campo – Saberes de la Tierra en Paraíba (2010-2011). Para eso, rescatamos las experiencias vivenciadas en ese proceso de implementación por medio de las voces de los sujetos envueltos, con la realización de entrevistas. A partir de los análisis de esas conversaciones, así como del levantamiento y descripción de los datos primários y secundarios en torno del proceso de ejecución de ese programa en escala nacional y posteriormente en Paraíba, lo más resaltante en un primer momento fue que existía una negación del ProJovem Campo a los fundamentos iniciales de las propuestas educativas de la Educación del Campo. Teniendo eso en cuenta, construímos una propuesta metodológica teórico-analítica que inicia con la recuperación de los fundamentos iniciales de esas propuestas – para eso utilizamos los clásicos como, Gramsci y Luckács, poniendo en el centro de esa discusión la relación entre educación y trabajo – pasa por una recuperación histórica de las consecuencias del desarrollo desigual y combinado en el campo, que se distribuyó de forma desigual no solo la tierra así como los derechos por la propia vida, como la educación. Llegando así a procesos de subjetivación política, construidos sobre formas de subordinación y atonomización de la clase trabajadora, en el ámbito de la Educación del Campo, y por lo tanto, en el ámbito de la cuestión agraria hoy. Destacamos que esos procesos de dominación y autonomización se expresan en esa investigación: de forma escalar "desde arriba" y desde abajo"; por la apropiación y uso del discurso en el ámbito del desarrollo capitalista y sus formas de control; y están plagadas por autonomía relativa de la clase trabajadora rural, que pasa por acciones en el interior del propio Estado. En medio de esos procesos el ProJovem Campo estará en el centro de ese análisis teórico-metodológico como una de esas acciones y puestas a la luz de otras experiencias, o sea, como fruto de una totalidad que la envuelve. De forma general, esta tesis buscó contribuir con la construcción de un proyecto contrahegemonico en curso por medio de la Educación del Campo, retomando las bases de ese proyecto educativo, recuperando las concepciones ideológicas que le dieron origen, pero, principalmente, desvendando las formas de apropiación de esas bases por el Estado, en el sentido de visualizar posibilidades de reapropiación de esas acciones por los sujetos "desde abajo". Finalmente, cerramos ese texto, y no las posibilidades de investigación en torno del tema, con la motivación de que hay un proyecto político de la Educación del Campo en curso, llevado a cabo por los propios sujetos "desde abajo", que necesita de teorías y conceptos renovados, una de las contribuciones de esa investigación. Palabras-claves: Educación del Campo; políticas públicas; cuestión agraria.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: In unequal development, contradictory and combined in the countryside, the expanded reproduction of capital takes ways of apropriation beyond the earth, generating conflicts which makes the agrarian question in the Brazil current and complex. They are forms of cooptation of political subjectivities experienced by the working class "from below", amid the processes of subordination and autonomy process in the fight for Rural Education, which rely on the direct mediation of the State. Thus, we understand that the State through actions, programs and public policies, appropriates the demands of the organized rural working class in the struggle for Rural Education and turns again in forms of subordination of rural workers to capital. In order to deconstruct these processes and uncover what are behind these forms of appropriation, we analyzed the implementation of the Federal Government program of education for rural areas, the "ProJovem Campo – Saberes da Terra" in Paraíba (2010-2011). For this, we rescued the experiences in the implementation process through the voices of those involved people, using interviews. From the analysis of these interviews, as well as the survey and description of primary and secondary data about the enforcement process of this program on a national scale and then in Paraíba, what caught our attention at first was that there was a denial of "ProJovem Campo" to the initial foundations of the educational proposals of Rural Education. With that in mind, we built a theoretical-analytical methodological proposal that part of the recovery of the initial foundations for these proposals - for this we used the classics Gramsci and Luckács, placing at the center of this discussion the relationship between education and work - runs through a historical recovery of the consequences of uneven and combined development in the countryside, which distributes unevenly not only the earth as the breeding rights of own life, such as education. So it reaches processes of political subjectivity, built in forms of subordination and making autonomy processes of the working class under the Rural Education, and therefore under the agrarian question today. We emphasize that these processes of domination and making autonomy processes expresses in this research: in a scale form "from above" and "from below"; for the appropriation and use of speech under the capitalist development and its forms of control; and are marked by the relative autonomy of the rural working class, passing through actions within the State itself. Amid these processes the "ProJovem Campo" will be at the center of theoretical and methodological analysis as one of these actions and focused on others experiences, in other words, as the results of all that involves it. Overall, this thesis aimed to contribute to the construction of a counter-hegemonic project underway through the Rural Education, recovering the basis of this educational project, recovering the ideological conceptions that originated it, but mainly unveiling forms of appropriate these bases by the State, in order to view reappropriation against such actions by the subjects "from below". Finally, we close this text, not the research possibilities around the theme, with the motivation that there is a political project of Rural Education happening, carried out by the own subjects "from below", which requires theories and renewed concepts, one of the contributions of this research. Keywords: Rural Education; Public Policies; Agrarian Question.pt_BR
dc.format.extent378f. : il. algumas color.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relationDisponível em formato digitalpt_BR
dc.subjectGeografiapt_BR
dc.titleAs políticas públicas em educação do campo, entre as subordinação e autonomia : o ProJovem Campo - saberes da terra e sua implantação na Paraíba no contexto da questãopt_BR
dc.typeTesept_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record