Show simple item record

dc.contributor.authorAmaral, Arleandra Cristina Talin dopt_BR
dc.contributor.otherSilva, Paulo Vinicius Baptista da, 1965-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educaçãopt_BR
dc.date.accessioned2019-09-23T18:06:16Z
dc.date.available2019-09-23T18:06:16Z
dc.date.issued2013pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/37002
dc.descriptionOrientador: Prof. Dr. Paulo Vinicius Baptista da Silvapt_BR
dc.descriptionTese (doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação. Defesa: Curitiba, 12/12/2013pt_BR
dc.descriptionInclui referênciaspt_BR
dc.description.abstractResumo: O presente trabalho traçou como objetivo analisar em que medida a implementação de políticas públicas educacionais, baseadas no artigo 26A da LDB se manifesta no cotidiano de um Centro Municipal de Educação Infantil em Curitiba - CMEI e interfere nos processos de construção da identidade étnico-racial de crianças negras e brancas que frequentam a instituição educativa. Os sujeitos privilegiados foram crianças de 3 a 5 anos, que frequentavam as turmas de Maternal III e Pré I, bem como os professores e educadores que atuavam na instituição no ano de 2012. Como metodologia, optou-se por desenvolver uma pesquisa qualitativa de cunho etnográfico, que teve a observação como principal instrumento de coleta de dados, além da aplicação de questionário para os docentes. O marco referencial está articulado com uma concepção que identifica a criança como um sujeito social, atuante, capaz de posicionar-se frente às experiências vivenciadas. O texto defende que a noção de identidade é socialmente construída, assim, o foco principal foi analisar o modo como as crianças percebem, entre elas e junto aos adultos, as questões ligadas às relações étnico-raciais, verificando as possibilidades que elas têm de construir sua identidade étnico-racial no cotidiano do CMEI. Como resultado da pesquisa destaca-se que os posicionamentos das crianças quanto às relações étnico-raciais, bem como suas vivências cotidianas no CMEI indicaram que: a organização dos espaços e ambientes é ainda muito pautada em um ideário que valoriza a "branquidade normativa"; existe uma predileção, por parte de adultos e crianças, pelo padrão que interpreto com o conceito de "estética ariana", ou seja, padrão nórdico com, além de pele clara, cabelos loiros e olhos azuis; as crianças negras expressam desconforto em relação ao seu pertencimento étnico-racial, principalmente quanto ao tom da pele e a estrutura dos cabelos; já as crianças brancas se mostram assertivas e com condutas de demonstração de segurança, autoconfiança, iniciativa e predisposição a contatos mais frequentes com adultos não familiares; crianças negras e brancas classificam as bonecas pretas como "feias" e nas brincadeiras não existe segregação em função de critérios raciais, negros e brancos brincam juntos, no entanto, em alguns momentos foi possível notar hierarquização de papéis escolhidos e desempenhados pelas crianças. Como considerações finais, ressalta-se que o espaço não dá visibilidade às características da população negra, pois oferece um ambiente social com alternativas amplas de "outro generalizado" para as crianças brancas e alternativas limitadas ao padrão branco para as crianças negras. E reitera-se a emergente necessidade de formação continuada sobre a educação das relações étnico-raciais para os professores e educadores da educação infantil. Palavras-chave: Infâncias. Políticas Educacionais. Educação Infantil. Identidade. Relações Étnico-raciais.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: This work drew to analyze to what extent the implementation of educational policies, based on Article 26A of LDB occurs in the daily routine of a Municipal Early Childhood Center in Curitiba - CMEI and interferes in the process of construction of the ethnic and racial identity of the black and white children attending the educational institution. The privileged subjects were children 3-5 years old, attending classes of Maternal III and Pre I, and teachers and educators who worked in the institution in the year 2012. The methodology was drawn to develop an ethnographic qualitative research, which took the observation as the main instrument of data collection, in addition to a questionnaire for teachers. The framework is articulated with a conception that identifies the child as a social and active subject, able to position themselves in the face of experiences. The text argues that the notion of identity is socially constructed, thus, the main focus was to examine how children perceive, among themselves and with the adults, issues related to ethnic-racial relations, verifying the possibilities they have to build their ethno-racial identity in the daily routine of the CMEI. As a result of the research, it is emphasized that the children's positioning as to the ethnic-racial relations, as well as their daily experiences in CMEI indicated that: the organization of spaces and environment is still very grounded in an ideology that values the "normative whiteness"; there is a predilection on the part of adults and children, by the pattern I interpret with the concept of "Aryan aesthetics," ie, with Nordic pattern, with, besides the white skin, blond hair and blue eyes; black children express discomfort with their racial-ethnic belonging, particularly for the skin tone and the structure of the hair; whereas the white children show themselves with assertiveness and demonstration of trust and self-confidence, initiative and willingness to more frequent contacts with unfamiliar adults; black and white children classify the black dolls as "ugly", and in the play time there is no segregation of racial criteria, blacks and whites play together, however, at times it was noticeable hierarchy of roles chosen and played by children. As a conclusion, it is highlighted that the space does not give visibility to the characteristics of the black population, for it offers a social environment with ample alternatives of the "generalized other" for white children and alternatives limited to the white pattern to black children. And, it should be reiterated the emerging needs for continuing education on the issue of ethnic and racial relations education, to teachers and educators of early childhood education. Keywords: Childhoods. Educational Policy. Early Childhood Education. Identity. Ethnic and Racial Relations.pt_BR
dc.format.extent227 f. : il. algumas color., grafs., tabs.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relationDisponível em formato digitalpt_BR
dc.subjectTesespt_BR
dc.subjectEducaçãopt_BR
dc.subjectEducação de crianças - Curitiba (PR)pt_BR
dc.subjectRelações etnicaspt_BR
dc.subjectRelações raciaispt_BR
dc.subjectPolitica e educaçãopt_BR
dc.subjectEducação de crianças - Politicas publicaspt_BR
dc.titleA infância pequena e a construção da identidade étnico-racial na educação infantilpt_BR
dc.typeTesept_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record