Show simple item record

dc.contributor.advisorHoeflich, Vitor Afonso, 1949-pt_BR
dc.contributor.authorWekerlin, Jorge Eduardopt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciencias Agrárias. Programa de Pós-Graduaçao em Engenharia Florestalpt_BR
dc.date.accessioned2013-10-08T20:08:49Z
dc.date.available2013-10-08T20:08:49Z
dc.date.issued2013-10-08
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/32340
dc.description.abstractEsta dissertação trata da análise de alternativas adequadas para a produção de Pinus spp. no Paraná. O objeto de estudo foi um regime de manejo de 22 anos com desbastes no ano 8, 12 e 16 e corte raso no ano 22. Foram utilizados os métodos da Taxa Interna de Retorno (TIR) e do Valor Presente Líquido (VPL) para analisar as alternativas de produção de um hectare de Pinus spp., com a utilização de recursos próprios e com financiamento de 60% do investimento inicial. As alternativas de financiamento seguiram o modelo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social -BNDES e contemplaram encargos compostos de Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) mais spread de 4% a.a. Foram simuladas três alternativas, que se diferenciam segundo a forma de pagamento dos encargos e da amortização: pagamento dos encargos ocorrendo trimestralmente e amortização no ano do corte final; pagamento dos encargos anualmente e pagamento dos encargos no ano do corte final; pagamento dos encargos e amortização nos anos de desbastes e no ano do corte final. Para o fluxo de caixa sem financiamento, a TIR calculada foi 11,9682% e o VPL, para a Taxa Mínima de Atratividade (TMA) de 10%, atingiu o valor de US$ 405,8/ha. A alternativa de financiamento com pagamento de encargos trimestrais apresentou a TIR de 11,2657% e VPL, à TMA de 10%, de US$ 213,3/ha. Na alternativa que considera o pagamento anual dos encargos e da amortização no ano do corte final, a TIR foi de 11,0575% e o VPL, com 10% de TMA, somou US$ 180,O/ha. Considerando a alternativa com pagamento de encargos e amortização nos anos de desbaste e no ano do corte final, a TIR ficou em 10,6137% e o VPL, com TMA de 10%, em US$ 169,8/ha. Concluiu-se que se houver disponibilidade total de recursos para implantação, manutenção e administração da produção, economicamente, é mais vantajosa a utilização de recursos próprios. Porém, verificou-se a viabilidade econômica da utilização das três alternativas de linha de financiamento para produtores que tenham capacidade de dispor de recursos próprios, na cifra de 40% do valor da implantação de um hectare de Pínus spp. Em ordem decrescente de vantagem, apresentaram-se as alternativas: 1) com pagamento de encargos trimestrais; 2} pagamento anual dos encargos e amortização no ano do corte final e 3) pagamento de encargos e amortização nos anos de desbaste e no ano do corte final. Finalmente, comparando as linhas simuladas com as existentes no BNDES e levando em consideração os requisitos exigidos pelo Banco, concluiu-se que é viável implementar um Programa de Financiamento para a Produção de Pinus spp.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectPinheiro - Paraná - Financiamentopt_BR
dc.subjectFinanciamentopt_BR
dc.subjectTesespt_BR
dc.titleSubsídios para linhas de financiamento da produçao de Pinus spp.pt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record