Show simple item record

dc.contributor.advisorBrenner, Sergiopt_BR
dc.contributor.authorKleinubing Júnior, Harrypt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Parana. Setor de Ciencias da Saúdept_BR
dc.contributor.otherPinho, Mauro de Souza Leitept_BR
dc.date.accessioned2013-02-05T16:57:28Z
dc.date.available2013-02-05T16:57:28Z
dc.date.issued2013-02-05
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/29430
dc.description.abstractResumo: Uma nova técnica de ultra-sonografia é descrita para o estudo do canal anal e dos esflncteres anais, utilizando os parâmetros previamente estabelecidos na literatura pelas endossonografias anal e vaginal, com a intenção de oferecer método de imagem alternativo facilmente disponível em nosso meio. Foram examinados no Hospital Municipal São José de Joinville-SC 22 pacientes sem doenças anorretais: 11 pacientes do sexo masculino com idade média de 31 anos e 11 pacientes do sexo feminino nulíparas com idade média de 26 anos. Os exames foram realizados com aparelho de ultra-sonografia convencional e um transdutor linear convencional de 5 MHz aplicado sobre a pele da região perineal, com ângulo de 45 graus em relação ao plano coronal, nas posições transversal e longitudinal. Foi definida a anatomia ultra-sonográfica normal através da ultra-sonografia transperineal com demonstração das camadas mucosa, submucosa, músculo esfíncter interno e músculo esfíncter externo do ânus em secções transversais e longitudinais. Nas secções transversais facilmente identificou-se o músculo esfíncter interno como uma camada circular hipoecóica, que circunda a submucosa (camada de ecogenicidade mista) e a mucosa (camada hipoecóica); externamente identificou-se a camada hiperecogênica do músculo esfíncter externo. Nas secções longitudinais o músculo esfíncter interno foi identificado como duas estruturas hipoecóicas longitudinais e paralelas separadas por duas camadas de submucosa de ecogenicidade mista e por duas camadas hipoecóicas de mucosa; externamente e paralelo às camadas do músculo esfíncter interno identificou-se uma camada hiperecóica do esfíncter externo de cada lado. Foram medidas as espessuras dos músculos esfíncter interno e externo do ânus na posição transversal e definidas as médias para cada quadrante do canal anal. músculo esfíncter interno anterior = 2,63 mm, músculo esfíncter interno posterior = 2,75 mm, músculo esfíncter interno lateral = 2,98 mm, músculo esfíncter externo anterior = 4,72 mm, músculo esfíncter externo posterior = 6,62 mm, músculo esfíncter externo lateral = 6,30 mm. Concluiu-se que a ultra-sonografia transperineal é método de imagem capaz de demonstrar a anatomia ultra-sonográfica do canal anal e músculos esfíncteres anais, segundo os parâmetros previamente estabelecidos na literatura pelas endossonografias anal e vaginal.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectAnuspt_BR
dc.subjectAnatomia cirurgica e topograficapt_BR
dc.subjectTesespt_BR
dc.titleUltra-sonografia transperineal como método de imagem para avaliação do canal anal e esfíncteres anaispt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record