Show simple item record

dc.contributor.authorOliveira, Leonardo Martins dept_BR
dc.contributor.otherGarcias, Paulo Mello, 1946-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Sociais Aplicadas. Curso de Graduação em Ciências Econômicaspt_BR
dc.date.accessioned2022-08-05T17:40:51Z
dc.date.available2022-08-05T17:40:51Z
dc.date.issued2009pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/77607
dc.descriptionOrientador: Paulo Mello Garciaspt_BR
dc.descriptionMonografia(Graduação) - Universidade Federal do Paraná,Setor de Ciências Sociais Aplicadas, Curso de Ciências Econômicaspt_BR
dc.description.abstractResumo: As exportações brasileiras nas últimas décadas vêm se destacando cada vez mais no mercado internacional. A tentativa de se buscar novas alternativas de crescimento ficou evidenciada pelas alterações das políticas cambiais e pela criação de um sistema de incentivos às exportações. Estas que, por sua vez, sofreram grande impacto positivo devido a um cenário internacional positivo, principalmente pelo crescimento da renda mundial. O objetivo deste trabalho foi o de analisar como flutuações na taxa de câmbio real e na renda mundial influenciaram as exportações brasileiras no período de 1995 a 2008 e de 1980 a 2008, respectivamente, assim como o grau de sensibilidade das exportações em relação a essas variáveis. Foram buscados dados da evolução dessas variáveis nos sites do FMI, para a renda mundial; do IPEADATA, para a taxa de câmbio real; e da FUNCEX, para as exportações brasileiras. Para a relação entre a taxa de câmbio e as exportações os dados foram trabalhos anualmente, ou seja, foi verificada as variações anuais dos mesmos, e também com dados trimestrais. Em relação à taxa de câmbio, fora utilizada a variação da média móvel trimestral, a para as exportações a variação trimestral. Para a relação entre a renda mundial e as exportações foram utilizados dados anuais e suas respectivas variações. A análise do grau de sensibilidade foi efetuada com relação à elasticidade-renda das exportações. Com os dados já trabalhados, pôde-se dar início as análises entre as variáveis. Com relação à primeira, não fora encontrado uma relação clara entre as variações taxa de câmbio e exportações. Ora uma desvalorização aumentava as exportações, ora uma valorização aumentava as exportações. Entretanto, a análise feita entre a renda mundial e as exportações brasileiras, demonstrou uma relação direta, mas não proporcional, entre essas duas variáveis. Ao se analisar o grau de sensibilidade das exportações em relação às variáveis, somente fora feito com a variável renda mundial, devido a falta de relação clara com a taxa de câmbio. O resultado obtido foi que todas as exportações possuem elasticidade positiva, demonstrando suas relações com a renda mundial. E ainda que as exportações mais sensíveis à variação da renda mundial foram as de bens intermediários, o contrário fora verificado com as exportações de bens de consumo não duráveis.pt_BR
dc.format.extent48 f.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectExportação - Brasilpt_BR
dc.subjectTaxas de câmbiopt_BR
dc.titleVariaveis que influenciam as exportações brasileiraspt_BR
dc.typeMonografia Graduaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record