Show simple item record

dc.contributor.advisorSilva, Regina Paula Guimarães Vieira Cavalcante da, 1970-pt_BR
dc.contributor.authorGomes, Évellin de Oliveirapt_BR
dc.contributor.otherValderramas, Silvia Regina, 1964-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e do Adolescentept_BR
dc.date.accessioned2022-08-23T20:16:31Z
dc.date.available2022-08-23T20:16:31Z
dc.date.issued2022pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/77251
dc.descriptionOrientadora: Prof. Dra. Regina P. G. V. Cavalcantept_BR
dc.descriptionCoorientadora: Prof. Dra. Silvia Valderramaspt_BR
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e do Adolescente. Defesa : Curitiba, 01/06/2022pt_BR
dc.descriptionInclui referênciaspt_BR
dc.description.abstractResumo: O cérebro em desenvolvimento é extremamente vulnerável e, portanto, um dos objetivos de todo o cuidado neonatal deve ser a prevenção de lesões cerebrais. Além da imaturidade cerebral, o nascimento prematuro compromete o desenvolvimento dos pulmões, o que pode acarretar em aumento e acúmulo de secreções e consequente risco de colapso de áreas pulmonares. Técnicas de fisioterapia respiratória podem auxiliar na eliminação de secreção, na prevenção e reversão de áreas pulmonares colapsadas. Dentre elas, a técnica de insuflação seletiva, consiste em aplicar uma compreensão torácica manual de forma gentil em um dos hemitórax do recém-nascido para que a expansão contralateral seja favorecida, no entanto, pouco é estudado quanto aos efeitos destas técnicas sobre o fluxo sanguíneo cerebral do recém-nascido prematuro. Assim, o objetivo do estudo foi verificar se a técnica de fisioterapia respiratória de insuflação seletiva altera o fluxo sanguíneo cerebral de prematuros com idade gestacional abaixo de 34 semanas. Trata-se de um ensaio clínico não controlado, realizado na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal do Complexo Hospital de Clínicas – Universidade Federal do Paraná, entre janeiro de 2019 a março de 2020, com participação de 62 prematuros, sendo 41 do sexo masculino e 21 do sexo feminino, com média de peso de nascimento de 1.259 + 388,0 gramas e idade gestacional de 29,3 + 2,2 semanas. Todos foram submetidos ao exame de ultrassonografia transfontanela com Doppler para avaliar as medidas de fluxo sanguíneo cerebral, principalmente o índice de resistência, assim como foram avaliados os parâmetros vitais e a dor, antes e após a aplicação da técnica de fisioterapia respiratória de insuflação seletiva. O índice de resistência não se modificou de forma significativa (p = 0,06) antes e depois da intervenção e nenhuma variável estudada, como sexo, idade gestacional, peso, escore de Apgar ou escore SNAPPE II teve influência nas medidas de fluxo sanguíneo cerebral. A frequência cardíaca, respiratória e a saturação de oxigênio não apresentaram alterações com a aplicação da técnica de fisioterapia, assim como não se observou a presença de dor, conforme avaliação de escala de dor. Esses resultados sugerem que a técnica de fisioterapia respiratória de insuflação seletiva é segura e pode ser aplicada em recém-nascidos prematuros menores de 34 semanas de idade gestacionalpt_BR
dc.description.abstractAbstract: The developing brain is extremely vulnerable and therefore one of the goals of all neonatal care should be the prevention of brain injuries. In addition to cerebral immaturity, premature birth compromises the development of the lungs, which can lead to increased and accumulation of secretions and consequent risk of collapse of lung areas. Respiratory physiotherapy techniques can help in the elimination of secretion, in the prevention and reversal of collapsed lung areas. Among them, the selective insufflation technique consists of gently applying a manual chest grip on of the newborn’s hemithoraxes so that contralateral expansion is favored, however, little is studied about the effects of these techniques on blood flow brain of the premature newborn. Thus, the aim of the study was to verify whether the technique of respiratory physiotherapy of selective insufflation alters the cerebral blood flow of premature infants with gestational age below 34 weeks. This is an uncontrolled clinical trial, conducted in the Neonatal Intensive Care Unit of the Hospital – Federal University of Paraná, between January 2019 and March 2020, with the participation of 62 premature infants, 41 males and 21 females, with an average birth weight of 1,259 + 388.0 grams and gestational age of 29.3 + 2.2 weeks. All were submitted to transfontanel doppler ultrasound to evaluate cerebral blood flow measurements, especially the resistance index, as well as vital parameters and pain, before and after the application of the respiratory physiotherapy technique of selective inflation. The resistance index did not change significantly (p = 0.06) before and after the intervention and no variable studied, such as gender, gestational age, weight, Apgar score or SNAPPE II score, influenced cerebral blood flow measurements. Heart rate, respiratory rate and oxygen saturation did not present alterations with the application of the physiotherapy technique, as well as the presence of pain was not observed, according to pain scale assessment. These results suggest that the selective insufflation respiratory physiotherapy technique is safe and can be applied to premature newborns younger than 34 weeks of gestational age.pt_BR
dc.format.extent1 recurso online : PDF.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectPrematurospt_BR
dc.subjectTerapia intensiva neonatalpt_BR
dc.subjectPediatriapt_BR
dc.titleInfluência da técnica de insuflação seletiva sobre o fluxo sanguíneo cerebral de recém-nascidos prematurospt_BR
dc.typeDissertação Digitalpt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record