Show simple item record

dc.contributor.advisorSousa, Marlos Gonçalvespt_BR
dc.contributor.authorBastos, Rodrigo Francopt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Agrárias. Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterináriaspt_BR
dc.date.accessioned2022-08-04T14:50:09Z
dc.date.available2022-08-04T14:50:09Z
dc.date.issued2022pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/76471
dc.descriptionOrientador: Prof. Dr. Marlos Gonçalves Sousapt_BR
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Agrárias, Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias. Defesa : Curitiba, 10/05/2022pt_BR
dc.descriptionInclui referênciaspt_BR
dc.description.abstractResumo: A cardiomiopatia fenótipo hipertrófico (HCM) é a doença cardíaca mais comum em gatos. Muitos dos pacientes acometidos podem evoluir para sinais clínicos de insuficiência cardíaca congestiva, tromboembolismo arterial ou até morte súbita em decorrência de arritmias ventriculares secundárias à HCM, assim, marcadores eletrocardiográficos que possam auxiliar na detecção e potencial prognóstico são de grande valia na cardiologia veterinária. Nossa pesquisa, dividida em dois trabalhos, teve como objetivo investigar marcadores eletrocardiográficos de condução e repolarização ventricular em gatos com e sem cardiomiopatia. Quarenta gatos saudáveis e vinte e três com cardiomiopatia fenótipo hipertrófico foram incluídos no estudo. O primeiro trabalho investigou alguns índices de condução (duração [QRSd] e dispersão [QRSv] do intervalo QRS) e de repolarização (média do intervalo QT [QTa] e QT corrigido pela frequência cardíaca [QTac], variância do QT [QTv], instabilidade total [TI], a longo [LTI] e a curto [STI] prazo do intervalo QT) ventricular. Nossos resultados mostraram que gatos com HCM tiveram maiores valores de QTa, QTac, QRSd e STI em relação ao grupo controle. O segundo trabalho objetivou avaliar novos índices de repolarização ventricular denominados Tpte e Tpte/QT nas derivações de membros (I, II, III, aVR, aVL e aVF) nesses pacientes. Nossos resultados mostraram que Tpte nas derivações II, aVR, aVL e aVF foram maiores em gatos doentes em relação ao grupo controle. Todos os índices mostraram boa repetibilidade quando avaliados por diferentes observadores e alguns apresentaram correlação positiva com parâmetros ecocardiográficos utilizados para o diagnóstico de HCM. Assim, concluímos que os índices de condução e repolarização ventricular apresentados nesse trabalho podem auxiliar no processo de investigação de pacientes felinos com cardiomiopatia fenótipo hipertrófico.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: Hypertrophic cardiomyopathy (HCM) is the most common heart disease in cats. Patients with HCM can progress to clinical signs of congestive heart failure, arterial thromboembolism, or even sudden death due to ventricular arrhythmias secondary to HCM, thus, electrocardiographic markers can help in this investigation and potentially show prognosis value had a great need in veterinary cardiology. Our research, subdivided into two papers, aimed to assess electrocardiographic markers of ventricular conduction and repolarization in cats with and without cardiomyopathy. Forty healthy and twenty-three with hypertrophic cardiomyopathy cats were included in this study. The first one investigated markers of ventricular conduction (duration [QRSd] and dispersion [QRSv] of the QRS interval) and repolarization (QT interval [QTa] and QT heart rate-corrected [QTac] average, QT variance [QTv], total [TI], long-term [LTI] and short-term [STI] QT interval instability). Our results demonstrated higher values for QTa, QTac, QRSd, and STI in patients with HCM in comparison to the control group. The second study aimed to assess new ventricular repolarization markers such as Tpte and Tpte/QT in limb leads (I, II, III, aVR, aVL, and aVF) in all patients. Our results showed that patients with HCM had higher values of Tpte in leads II, aVR, aVL, and aVF when compared with the control group. All markers demonstrated good repeatability when measured by different observers and some of them had a positive correlation with echocardiographic parameters commonly used for HCM diagnosis. Thus, we conclude that ventricular conduction and repolarization markers presented in this study can help in the investigation process of feline patients with hypertrophic cardiomyopathy.pt_BR
dc.format.extent1 recurso online : PDF.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languageInglêspt_BR
dc.subjectCardiomiopatiaspt_BR
dc.subjectMedicina Veterináriapt_BR
dc.titleElectrocardiographic markers of ventricular conduction and repolarization in cats with hypertrophic cardiomyopathypt_BR
dc.typeDissertação Digitalpt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record