Show simple item record

dc.contributor.advisorSilva, Mario Antônio Navarro da, 1963-pt_BR
dc.contributor.authorBarros, Emily Nentwig de, 1996-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Biológicas. Programa de Pós-Graduação em Zoologiapt_BR
dc.date.accessioned2022-05-24T21:47:48Z
dc.date.available2022-05-24T21:47:48Z
dc.date.issued2022pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/75708
dc.descriptionOrientador: Prof. Dr. Mário Antônio Navarro da Silvapt_BR
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Zoologia. Defesa : Curitiba, 24/02/2022pt_BR
dc.descriptionInclui referências: p. 70-83pt_BR
dc.description.abstractResumo: Aedes (Stegomyia) aegypti possui relevância mundial em saúde pública como vetor principal de diferentes arbovírus. A dependência da fêmea pela alimentação sanguínea para produção de ovos e um ciclo de vida intimamente associado ao ambiente urbano, são fatores relevantes no entendimento da evolução de uma preferência alimentar pelo hospedeiro humano e na capacidade vetorial da espécie. Nesse sentido, o principal objetivo do trabalho foi analisar como o sangue de diferentes hospedeiros vertebrados podem influenciar nos parâmetros fisiológicos e genéticos relacionados a capacidade reprodutiva da fêmea. Para isso, foi realizado um bioensaio para análises biológicas (I) e outro para análises moleculares (II), onde fêmeas (cepa Rockefeller) previamente acasalas receberam sangue de três vertebrados encontrados em ambiente urbano e semi-urbano: humano, ave e cão. Os experimentos foram realizados sob condições controladas dentro de câmara B.O.D. (temperatura 25±1ºC, umidade 60±10 e fotoperíodo 12h:12h). O sangue foi obtido diretamente do hospedeiro, com auxílio de profissionais capacitados e fornecido com anticoagulante em um aparato artificial, por vinte minutos (CEUA 719 e CAAE 44032721.1.0000.0102). No Bioensaio I, fêmeas alimentadas artificialmente com sangue de cada hospedeiro vertebrado (e também, diretamente de camundongo) foram individualizadas para análise da postura de ovos e viabilidade da prole. No Bioensaio II, após 24 horas do repasto - período de pico de atividade de enzimas responsáveis pela vitelogênese – as fêmeas foram congeladas e armazenadas em freezer -80°C em pools de quatro. Após a extração do RNA das amostras, foi realizada a expressão gênica relativa (DDCT) de duas enzimas de ovogênese (catepsina B vitelogênica e vitelogenina) através da RT-qPCR ("reverse transcription – quantitative real time PCR"). Nas análises biológicas, houve uma produção significativamente maior de ovos e viabilidade, para as fêmeas que se alimentaram do sangue de ave (3066 ovos e 59,26% de eclosão larval, para 30 fêmeas analisadas) e camundongo (4747 ovos e 74% de eclosão, para 44 fêmeas analisadas), em relação ao sangue do cão (2306 ovos e 11,68% de eclosão – 30 fêmeas) e humano (1644 ovos e 33,88% de eclosão – 29 fêmeas). Nas análises moleculares, para a Catepsina B, fêmeas alimentadas com sangue de galinha apresentaram uma maior expressão gênica relativa em relação à aquelas alimentadas com sangue de cão. Os resultados obtidos indicam que o sangue de outros animais (entre aves e mamíferos) e suas propriedades, podem ser mais adequados para a produção de ovos de A. aegypti do que o sangue humano, não havendo uma aptidão reprodutiva fornecida exclusivamente por essa fonte. Logo, na natureza, o sangue de vertebrados presentes no ambiente urbano, como cão e ave, tem o potencial de manutenção da população na ausência do sangue humano.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: Aedes (Stegomyia) aegypti has global public health relevance as the main vector of different arboviruses. The female's dependence on blood feeding for egg production and a life cycle closely associated with the urban environment are relevant factors in understanding the evolution of a preference for the human host and the vectorial capacity of the species. In this sense, the main objective of the work was to analyze how the blood of different vertebrate hosts can influence the physiological and genetic parameters related to the reproductive capacity of the female. For this, a bioassay was carried out for biological analysis (I) and another for molecular analysis (II), where females (Rockefeller strain) previously mated received blood from three vertebrates found in urban and semi-urban environments: human, bird and dog. The experiments were carried out under controlled conditions inside a B.O.D. (temperature 25±1ºC, humidity 60±10 and photoperiod 12h:12h). Blood was obtained directly from the host, with the help of trained professionals and supplied with anticoagulant in an artificial apparatus, for twenty minutes (CEUA 719 and CAAE 44032721.1.0000.0102). In Bioassay I, females artificially fed with blood from each vertebrate host (and also directly from mice) were individualized for analysis of egg laying and offspring viability. In Bioassay II, 24 hours after the meal - period of peak activity of enzymes responsible for vitellogenesis - the females were frozen and stored in a freezer at -80°C in pools of four. After extracting the RNA from the samples, the relative gene expression (DDCT) of two oogenesis enzymes (vitellogenic cathepsin B and vitellogenin) was performed using RT-qPCR (Reverse transcription – quantitative real time PCR). In the biological analyses, there was a significantly higher production of eggs and viability for the females that fed on the blood of birds (3066 eggs and 59.26% of larval hatching, for 30 females analyzed) and mice (4747 eggs and 74% of hatching, for 44 females analyzed), in relation to dog blood (2306 eggs and 11.68% hatching – 30 females) and human blood (1644 eggs and 33.88% hatching – 29 females). In the molecular analysis, for Cathepsin B, females fed with chicken blood showed a higher relative gene expression in relation to those fed with dog blood. The results obtained indicate that the blood of other animals (including birds and mammals) and their properties, may be more suitable for the production of A. aegypti eggs than human blood, with no reproductive aptitude provided exclusively by this source. Therefore, in nature, the blood of vertebrates present in the urban environment, such as dogs and birds, has the potential to maintain the population in the absence of human blood.pt_BR
dc.format.extent1 recurso online : PDF.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectDipteropt_BR
dc.subjectMosquitopt_BR
dc.subjectVitelogeninaspt_BR
dc.subjectAedes aegyptipt_BR
dc.subjectReproduçãopt_BR
dc.subjectZoologiapt_BR
dc.titleAspectos biológicos e expressão de enzimas vitelogênicas em fêmeas de Aedes (Stegomyia) aegypti (LINNAEUS, 1762) após alimentação sanguínea em diferentes hospedeiros vertebradospt_BR
dc.typeDissertação Digitalpt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record