Show simple item record

dc.contributor.advisorSlomp Junior, Helvo, 1963-pt_BR
dc.contributor.authorTemperly, Nicole Karina Nicolaiko, 1987-pt_BR
dc.contributor.otherSilva, Milene Zanoni da, 1980-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Saúde da Famíliapt_BR
dc.date.accessioned2022-07-19T18:08:02Z
dc.date.available2022-07-19T18:08:02Z
dc.date.issued2019pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/75526
dc.descriptionOrientador: Prof. Dr. Helvo Slomp Juniorpt_BR
dc.descriptionCoorientadora: Profa. Dra. Milene Zanoni da Silvapt_BR
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Saúde da Família. Defesa : Curitiba, 29/03/2019pt_BR
dc.descriptionInclui referências: p.27-32pt_BR
dc.description.abstractResumo: A Medicina de Família e Comunidade tem como um dos princípios norteadores da especialidade o fortalecimento da relação entre médico e usuário, com a possibilidade de estabelecimento de vínculo entre o médico e as pessoas sob cuidado continuado. O presente estudo, de caráter qualitativo com abordagem cartográfica, teve como objetivo inicial compreender os efeitos que o vínculo e a responsabilização entre médicos de família e usuários podem produzir nos próprios médicos. Foram realizadas dez entrevistas semiestruturadas com médicos de família e residentes do segundo ano da residência de Medicina de Família e Comunidade num município do Sul do Brasil. A análise das entrevistas se deu sob o referencial da micropolítica e problematizou, a partir das experiências relatadas acerca do vínculo com os usuários, a existência de um "território identitário médico", bem como a desconstituição deste território identitário, sua "desterritorialização", no sentido de novas "reterritorializações". Propõe-se que nesse movimento de reconstrução do território identitário, tanto médico como usuário passam a transitar pela dimensão cuidadora do encontro, onde tecnologias leves podem ser operadas e novas possibilidades de configurações do cuidado acontecem.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: One of the guiding principles of Family and Community Medicine is the strengthening of the physician-patient relationship, with the possibility of establishing a bond between the physician and his patients under continuous care. The initial purpose of this qualitative research with a cartographic approach was to understand the effects that bonding and accountability between family physicians and users can produce in the physicians themselves. Ten semi-structured interviews were conducted with family physicians and residents of the second year of a Family and Community Medicine residency in a city in the South of Brazil. The analysis of the interviews took place under the reference of the micropolitics and, based on the reported experiences about the bond with the users, it was problematized the existence of a "medical identity territory", as well as the deconstitution of this identity territory, its "deterritorialization", in the direction of new "reterritorializations". It is proposed that in this movement of reconstruction of the identity territory, both physician and user start to move through the caregiving dimension of the meeting, where light technologies can be operated and new possibilities of care settings happen.pt_BR
dc.format.extent1 recurso online : PDF.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectMedicina de família e comunidadept_BR
dc.subjectRelações medico-pacientept_BR
dc.subjectAcesso aos serviços de saúdept_BR
dc.subjectContinuidade da assistência ao pacientept_BR
dc.subjectPesquisa qualitativapt_BR
dc.titleO vínculo do médico de família com seu paciente : cartografias do cuidarpt_BR
dc.typeDissertação Digitalpt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record