Show simple item record

dc.contributor.advisorMoscardi, Flaviopt_BR
dc.contributor.authorAbot, Alfredo Raúlpt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Biológicas. Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Entomologia)pt_BR
dc.date.accessioned2022-06-29T19:46:34Z
dc.date.available2022-06-29T19:46:34Z
dc.date.issued1993pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/74543
dc.descriptionOrientador: Prof. Dr. Flávio Moscardipt_BR
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Curso de Pós-Graduação em Ciências Biológicaspt_BR
dc.descriptionInclui referências: p. 68-71pt_BR
dc.descriptionÁrea de concentração: Entomologiapt_BR
dc.description.abstractResumo: Com o objetivo de avaliar a suscetibilidade natural de Anticarsia gemmatalis ao seu vírus de poliedrose nuclear IVPN), Baculovirus anticarsia, foram coletadas populações do inseto com histórico de exposição e não exposição a aplicações do virus nas regiões de Dourados (MS), Passo Fundo(RS) e Londrina e Rancho Alegre (PR). Na segunda geração, estas foram comparadas por duas gerações mediante bioensaios com o VPN, sendo os dados referentes ao logaritmo da dose e a percentagem de mortalidade submetidos a análise de regressão ( Probites ). Não foram encontradas diferenças significativas entre elas, concluindo-se, portanto, que as referidas populações de A. gemmatalis não apresentam resistência natural ao vírus, apesar de até oito anos de exposição a aplicações do patógeno, dependendo do local. A população de Dourados ( MS ) não exposta ao vírus foi mantida, com o objetivo de submetê-la a uma pressão de seleção por dez gerações, para determinar se esta espécie é potencialmente capacitada a desenvolver resistência ao vírus. Em cada geração foi montado um bioensaio com a finalidade de estabelecer a concentração letal 80 (CL80) a ser utilizada na geração seguinte. Paralelamente, foi realizado um teste visando uma sobrevivência de 20% das larvas. A. gemmatalis demonstrou capacidade para desenvolver resistência quando a população foi mantida isolada em condições de laboratório. A taxa final de resistência (CL50 da população resistente dividido pela CL50 da população suscetível) foi de 109.18 vezes, após 10 gerações. Com o objetivo de avaliar a possibilidade de reversão da resistência, a população resistente foi dividida em duas sub-populações. Uma delas foi deixada livre de pressão de seleção, verificando-se que, após quatro gerações, a resistência manteve-se estável, mas com tendência a diminuir. A outra subpopulação foi cruzada sucessivamente com a população testemunha (suscetível), observando-se perda total da resistência ao vírus após quatro gerações. Concluiu-se que, quando comparados os comportamentos das populações livres de pressão de seleção com o cruzamento de resistentes x testemunha, o aporte do caráter de suscetibilidade da população suscetível contribui de forma importante para a não manifestação de resistência o que poderia explicar a não verificação de resistência em populações naturais de 1 . gemmatalis, mesmo para aquelas expostas há vários anos a aplicações do vírus.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: In order to evaluate the natural susceptibility of Anticarsia gemmatalis to its nuclear poiyhedrosis virus (NPV), Baculovirus anticarsia , populations of the insect, with history of exposition and non exposition to field applications of the NPV, were collected in the regions of Dourados, MS, Londrina and Rancho Alegre, PR, and Passo Fundo, RS. These were submitted to bioassays with the NPV in the second generation, and no significant differences were found among the test populations regarding the susceptibility to the virus. The colony from Dourados (non exposed) was maintained under conlinous laboratory rearing in order to conduct selection pressure experiments to determine the potential capacity of A. gemmataIis to develop resistance to the NPV. After 10 generations the selected colony showed a 109.2 fold increase in resistance to the NPV when compared to the non exposed (control) colony. The possibility of reversion of resistance was also evaluated by spilling the selected colony in two: one of them was left free from the selection pressure, and another was bred successively with the susceptible colony, in the first case, the resistance remained stable after four generations, although with a tendency to decrease. In the second, the resistance was completely lost after four generations showing that the susceptibility character in the control colony strongly contributed for the reversion of resistance in the selected colony. This finding may help to explain the non detection of resistance to the NPV in natural populations of A. gemmatalis, even those exposed for several years to field applications of the pathogen.pt_BR
dc.format.extentxv, 71 f. : il., grafs., tabs. ; 33 cm.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relationDisponível em formato digitalpt_BR
dc.subjectEntomologiapt_BR
dc.subjectSoja - Pragas - Controle biológicopt_BR
dc.subjectSoja - Doenças e pragas - Controle biológicopt_BR
dc.subjectZoologiapt_BR
dc.titleAvaliação da resistência de Anticarsia gemmatalis Hubner, 1818 (Lepidoptera : Noctuidae) ao seu vírus de poliedrose nuclear, Baculovirus anticarsiapt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record