Show simple item record

dc.contributor.advisorOliveira, Simone Gisele dept_BR
dc.contributor.authorMarx, Francielle de Oliveira, 1987-pt_BR
dc.contributor.otherKrabbe, Everton Luispt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Agrárias. Programa de Pós-Graduação em Zootecniapt_BR
dc.date.accessioned2022-08-04T17:16:49Z
dc.date.available2022-08-04T17:16:49Z
dc.date.issued2021pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/71547
dc.descriptionOrientadora: Profª. Dra. Simone G. de Oliveirapt_BR
dc.descriptionCoorientador: Dr. Everton Luis Krabbept_BR
dc.descriptionTese (doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Agrárias, Programa de Pós-Graduação em Zootecnia. Defesa : Curitiba, 23/02/2021pt_BR
dc.descriptionInclui referênciaspt_BR
dc.descriptionÁrea de concentração:pt_BR
dc.description.abstractResumo: Em frangos de corte a metionina e a energia são componentes importantes na formulação das dietas, pois são fundamentais nos processos metabólicos e apresentam grande importância econômica, podendo onerar os custos de produção de ração. Nesta tese se objetivou determinar com auxílio de modelos matemáticos o nível ótimo de metionina + cistina (Met + Cis) digestível e a energia metabolizável em dietas para frangos de corte macho da linhagem Cobb® 500 no período de 21 a 42 dias de idade. Foram realizados dois experimentos, no primeiro foi avaliando níveis de Met + Cis digestível e no segundo os níveis de energia metabolizável. Em ambos os experimentos foram utilizados os modelos matemáticos: polinomial quadrática (PQ), segmentada e linear response plateau (LRP) para determinação de níveis ótimos (NO). No experimento 1 foram determinados os níveis ótimos das variáveis de ganho de peso (GP) e conversão alimentar (CA) e no experimento 2 somente para a CA. No primeiro experimento foram utilizados seis níveis de Met + Cis digestível na fase de crescimento (0,770; 0,829; 0,889; 0,948; 1,007; 1,067%) e na fase final (0,692; 0,741; 0,790; 0,838; 0,887; 0,936), sendo avaliado o consumo de ração (CR), GP, CA, ingestão de metionina (IM), eficiência de utilização da metionina (EM), rendimento de carcaça e o NO de Met + Cis digestível para o GP e CA. O CR não foi influenciado pelos níveis crescentes de Met+Cis digestíveis na fase de crescimento, enquanto na fase final e no período total houve redução linear no CR com as maiores inclusões de metionina. Em todas as fases de produção, o GP e a IM aumentaram e a CA melhorou com os maiores níveis de Met+Cis digestível. Entretanto foi observada redução significativa na EM com o aumento dos níveis de Met + Cis digestível nas dietas. O rendimento de carcaça aumentou com os maiores níveis de Met + Cis digestível. No segundo experimento foram utilizados cinco níveis de energia metabolizável (2850, 2950, 3050, 3150 e 3250 kcal/kg), sendo avaliados CR, GP, CA, consumo total de energia (CTE) e eficiência da utilização de energia dietética para o GP (EEGP), rendimento de carcaça e o NO de energia metabolizável para a melhor CA. Em todas as fases de produção, o GP não foi influenciado pelo aumento nos níveis de energia metabolizável da dieta, porém o CR e a CA diminuíram linearmente com o aumento dos níveis de energia. O CTE aumentou e a EEGP piorou com o aumento dos níveis crescente de energia das dietas. O rendimento da carcaça e dos cortes não foi influenciado pelos diferentes níveis de energia metabolizável das dietas. Os NO diferiram entre os modelos matemáticos, sendo recomendado para o experimento 1 na fase de crescimento, os níveis ótimos de Met+Cis digestíveis de 1,030 e 0,910% para o melhor resultado de GP pelos modelos PQ e LRP, respectivamente, enquanto para a CA o modelo PQ estimou o nível ótimo 0,910%. No período final o modelo LRP apresentou o melhor ajuste dos dados, recomendando os níveis ótimos para GP e melhor CA de 0,820 e 0,870%, respectivamente. Para o experimento 2 o melhor ajuste dos dados foi observado com o modelo LRP indicando o nível ótimo de energia metabolizável para a melhor CA de 3182, 3224 e 3191 kcal/kg para os períodos de crescimento, final e experimental total, respectivamente.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: Methionine and energy are important components in the formulation of broiler diets, due to their roles in major metabolic processes and their economic value, which can be onerous. This thesis aimed to determine the optimal level of digestible methionine + cystine (Met + Cis) and metabolizable energy (ME) in poultry diets from 21 to 42 days of age through the use of different mathematical models. Two experiments were conducted to asses levels of digestible Met + Cis digestible and metabolizable energy, respectively. In both experiments the mathematical models used were: quadratic polynomial; broken-line; and linear response plateau in order to determine the ideal levels for optimal body weight gain (BWG) and food conversion ratio (FCR). The first experiment evaluated the effect of 6 increasing levels of dietary digestible Met + Cis digestible in the growth phase (0.770; 0.829; 0.889, 0.948; 1.007 and 1.067%) and in the final phase (0.692; 0.741; 0.790; 0.838; 0.887 and 0.936) on feed intake (FI), BWG, FCR, methionine intake, methionine use efficiency and carcass yield and determined optimal Met+Cis levels for BWG and FCR. FI was not influenced by increasing levels of Met+Cis in the growth phase, whereas in the final phase and total period there was a linear reduction in FI with the highest methionine inclusions. In all production phases, BWG and Met intake increased and FCR improved with higher levels of digestible Met+Cis; A significant reduction in Met use efficiency was observed with increasing levels of Met+Cis; Carcass yield increased with higher Met+Cis. In the second experiment, the effect of 5 levels of dietary ME (2850, 2950, 3050, 3150 e 3250 kcal/kg) on FI, BWG, FCR, total energy intake, efficiency of dietary energy use for BWG, and carcass yield was evaluated, and the optimal level of ME for the best FCR was determined. In all production phases, BWG was not influenced by dietary ME, whereas FI and FCR decreased linearly with increased ME levels; Total energy intake increased and the efficiency of energy use for BWG worsened with higher ME levels; Carcass and cuts yields were not influenced by ME levels. The optimal levels differed between the mathematical models, being recommended for experiment 1 in the growth phase, the optimal levels of digestible Met + Cis od 1.030 and 0.910% for the best BWG result by the quadratic polynomial (QP) and linear response plateau (LRP) models, respectively, while for the FCR the QP model estimated the optimal level to be 0.910%. In the final period, the LRP model presents the best adjustment of the data, recommending the optimal levels for BWG and best FCR of 0.820 and 0.870%, respectively. For experiment 2, the best fit of the data was observed with the LRP model indicating the optimal level of metabolizable energy for the best FCR of 3182, 3224 and 3191 kcal/kg for the growth, final and experimental total periods, respectively.pt_BR
dc.format.extent1 recurso online : PDF.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectFrango de corte - Metabolismopt_BR
dc.subjectSuplemento alimentarpt_BR
dc.subjectModelos matemáticospt_BR
dc.subjectZootecniapt_BR
dc.titleUtilização de modelos matemáticos para determinação do nível ótimo de metionina e cistina digestível e energia metabolizável para frangos de cortept_BR
dc.typeTese Digitalpt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record