Show simple item record

dc.contributor.authorLuccas, Daiane Siqueira de, 1986-pt_BR
dc.contributor.otherChaves, Maria Marta Nolasco, 1960-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Enfermagempt_BR
dc.date.accessioned2021-08-04T20:28:31Z
dc.date.available2021-08-04T20:28:31Z
dc.date.issued2020pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/71332
dc.descriptionOrientadora: Profa.ª Dr.ª Maria Marta Nolasco Chavespt_BR
dc.descriptionTese (doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Defesa : Curitiba, 31/03/2020pt_BR
dc.descriptionInclui referências: p. 164-180pt_BR
dc.description.abstractResumo: Trata-se de um estudo descritivo analítico de abordagem qualitativa que teve como objetivo, a partir dos pressupostos teóricos da Epidemiologia Crítica, conhecer os processos de fragilidades e potencialidades para adesão ao tratamento com antirretrovirais (TARV) por adultos jovens que vivem com HIV/AIDS e utilizam os serviços municipais de saúde. A Teoria da Intervenção Práxica da Enfermagem em Saúde Coletiva (TIPESC) norteou esta pesquisa metodologicamente. A coleta de dados secundários permitiu caracterizar o município de Curitiba, local do estudo, e as Organizações não Governamentais (ONGs). A coleta de dados primários ocorreu a partir da realização de 20 entrevistas. Para a seleção dos participantes, foi utilizada a estratégia bola de neve, que teve como informantes-chave pessoas ligadas às ONGs do município que atendem pessoas que vivem com HIV/AIDS (PVHA). Entre as entrevistas realizadas, 13 foram utilizadas no estudo e 07 (sete) desconsideradas por terem sido feitas com pessoas que estavam fora da faixa etária de 20 a 39 anos ou que não utilizavam o serviço de saúde do município de estudo, conforme previamente delimitado. As 13 entrevistas foram organizadas por meio do software WebQDA e, posteriormente, utilizando-se a análise de conteúdo, emergiram 03 (três) categorias e 19 subcategorias temáticas que contemplaram os processos de fragilidade e potencialidade para adesão ao TARV, que são: a descoberta, a contaminação, o diagnóstico e o tratamento inicial, sem subcategoria; potencialidade para adesão ao tratamento com antirretrovirais, com as subcategorias - acessibilidade, orientação quanto ao uso do medicamento, comparativo do HIV com outras doenças crônicas, ausência de efeitos colaterais, tecnologia a favor dos antirretrovirais, carga viral indetectável, prevenção de doenças oportunistas, grupos de apoio, medo da morte, medicação inserida na rotina de vida diária, melhora da estética; por fim, fragilidades para adesão ao tratamento com antirretrovirais, com as seguintes subcategorias - efeitos colaterais, mudança no esquema terapêutico, questões pessoais, acessibilidade, preconceito, não aceitação do diagnóstico do HIV, informações na mídia, percepção de que o HIV não causa danos à saúde. Na devolutiva dos achados do estudo sobre os processos de fragilidade e potencialidade para adesão à TARV por PVHA, recurso para validação dos resultados, optou-se pela realização de duas enquetes com o uso da ferramenta mídia social Facebook. Na validação, teve-se a confirmação dos processos para adesão ao tratamento com antirretrovirais. Pode-se concluir que houve convergência entre as informações fornecidas pelos entrevistados e pelos participantes da rede social no que tange às fragilidades e potencialidades para a adesão à TARV, e que as atuais concepções teóricas sobre adesão não contemplam a complexidade da vida como PVHA. Considera-se que a adesão aos antirretrovirais é um processo dinâmico, construído em um contexto histórico e social no qual o indivíduo vive objetivamente e subjetivamente. Assim, para promover a adesão à TARV, há a necessidade de se compreender os processos críticos que a determina, podendo esses serem protetores ou destrutivos, e ainda, que estejam na dimensão singular, particular ou geral da vida da PVHA. Só então é possível promover o enfrentamento de fato do fenômeno HIV/AIDS.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: This is a descriptive analytical study with a qualitative approach that, based on Critical Epidemiology's theoretical assumptions, aimed to know the fragilities and the potentialities processes for the adherence to antiretroviral (ART) treatments by young adults living with HIV/Aids and are patients of the municipality's public healthcare system. The Theory of Praxis Intervention of Nursing in Collective Health (TIPESC, in the Portuguese acronym) guided this research methodologically. The secondary data collection made it possible to characterize the municipality of Curitiba, place of this study, and Non-Governmental Organizations (NGOs). Primary data collection was carried out through 20 interviews. The snowball method was applied to select interviewees, and had people connected to local NGOs that serve individuals living with HIV/Aids (PLWHA) as key informants. Thirteen interviews were used in this study and 07 (seven) were disregarded for having been conducted with people outside the 20 to 39 years old age group or who did not use the public healthcare system services in the municipality subject of this study, as previously delimited. As the 13 interviews were organized, using first the WebQDA software and subsequently working on content analysis, 03 (three) categories and 19 thematic subcategories contemplating the fragility and the potentiality processes for ART adherence emerged. Those are: the discovery, the contamination, the diagnosis and the initial treatment, with no subcategory; potentiality for antiretrovirals treatment adherence, followed by the subcategories - accessibility, orientation regarding medication use, HIV comparative with other chronic conditions, side effects absence, technology in favor of antiretrovirals, undetectable viral load, opportunistic infections prevention, support groups, fear of death, medicine integration to patient's routine, aesthetics improvement; lastly, fragility for antiretrovirals treatment adherence, with the following subcategories - side effects, therapeutic scheme change, personal issues, accessibility, prejudice, non-acceptance of the HIV diagnosis, information in the media, the perception that HIV does not damage health. In order to obtain feedback on the findings of the fragility and the potentiality processes for adherence to ART by PLWHA, used to validate the study's results, two surveys were undertaken employing Facebook's social media tool. The validation endorsed the adherence processes to antiretrovirals treatment. It can be concluded that the information provided by the interviewees and by social media respondents regarding the fragilities and the potentialities for ART adherence converged, and that current theoretical conceptions on adherence do not fully contemplate the complexity of a life as PLWHA. It is considered that the antiretrovirals adherence is a dynamic process, built on historical and social contexts in which the individual lives objective and subjectively. Thus, to promote ART adherence, there is a need to understand the critical processes that determine it, that can be protectives or destructives and pervade the singular, particular or general dimensions of a PLWHA's life. Only then it's possible to face the HIV/AIDS phenomenon in an effective way.pt_BR
dc.format.extent197 p. : il. (algumas color.).pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectHIV - SIDApt_BR
dc.subjectAdesão à medicaçãopt_BR
dc.subjectPlanejamento políticopt_BR
dc.subjectEnfermagempt_BR
dc.subjectEnfermagempt_BR
dc.titleFragilidades e potencialidades para adesão à terapia antirretroviral : perspectivas de adultos jovens vivendo com HIV/AIDSpt_BR
dc.typeTese Digitalpt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record