Show simple item record

dc.contributor.advisorMoraes, Milton Ferreira de, 1978-pt_BR
dc.contributor.authorTeixeira, Wilson Wagner Ribeiro, 1983-pt_BR
dc.contributor.otherCarvalho, Ruy Inacio Neiva dept_BR
dc.contributor.otherMotta, Antônio Carlos Vargas, 1963-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Agrárias. Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solopt_BR
dc.date.accessioned2021-01-06T14:00:50Z
dc.date.available2021-01-06T14:00:50Z
dc.date.issued2013pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/69187
dc.descriptionOrientador: Prof. Dr. Milton Ferreira de Moraespt_BR
dc.descriptionCoorientadores: Prof. Dr. Ruy Inácio Neiva de Carvalho e Prof. Dr. Antônio Carlos Vargas Mottapt_BR
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Agrárias, Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo. Defesa : Curitiba, 28/02/2013pt_BR
dc.descriptionInclui referênciaspt_BR
dc.descriptionÁrea de concentração: Propriedades e processos biogeoquímicos nos ecossistemaspt_BR
dc.description.abstractResumo: No estado do Paraná, a baixa produtividade do pêssego [Prunus persica (L.) Batsch] é causada em parte pelas baixas doses de corretivos e fertilizantes, em especial o nitrogênio (N). O N é exigido em grande quantidade pela cultura, no entanto deve ser acompanhado de práticas de manejo como o raleio, que tem por objetivo retirar os frutos em excesso e consequentemente aumentar a dimensão do fruto. Além disso, os parâmetros utilizados para recomendação de adubação com N são poucos, sendo necessárias formas de diagnose mais eficientes e/ou complementares. O presente trabalho teve por objetivo avaliar sete doses de N: sem adição e doses equivalentes (40, 80, 120, 160, 200 e 240 kg de N ha-1), associadas a duas intensidades de raleio (150 e 200 frutos/planta) e suas relações com o rendimento, estado nutricional (teores foliares e análise de seiva), clorofila, atividade enzimática, circunferência do tronco e acidificação do solo, provocada pela aplicação de uréia durante 5 anos. A atividade das enzimas urease (UR), nitrato redutase (NR) e os teores de clorofila a, b, total foram avaliados nos estádios fenológicos da cultura. Os teores de N (folha e seiva) foram afetados pela adubação com N, ocorrendo acréscimos lineares em 2011 e 2012. Além disso, a adubação com N ocasionou a acidificação do solo na projeção da copa (PC) na camada 0-0,1 m, embora não significativa de forma a afetar o desenvolvimento da cultura. Em 2011 a produtividade sofreu efeito da interação dose de N vs raleio, ocorrendo maior produtividade na dose de 240 kg N ha1 na intensidade de raleio de 200 frutos/planta, que produziu 13,7 kg/planta (equivalente a 27,4 t ha-1). Os teores de clorofila a, b e total, atividade da NR, circunferência do tronco e a produtividade em 2012 não sofreram influencia dos tratamentos. Entretanto a atividade da UR apresentou efeito gradual das doses de N durante os estádios fenológicos analisados. O pessegueiro indicou apresentar capacidade de remobilizar N, porém a baixa atividade da NR demonstra a importância do parcelamento de N durante os estádios fenológicos. Os resultados demostram a necessidade de estabelecer uma dose de N considerando as intensidades de raleio. A avaliação do estado nutricional da planta através da atividade da enzima urease e da análise de seiva se mostraram técnicas promissoras para a cultura do pessegueiro, podendo ser consideradas ferramentas auxiliares no manejo da adubação. Palavras-chave: Nitrogênio. atividade enzimática. análise de seiva. Uréase. diagnose foliar. tratos culturais. Prunus persica.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: Low productivity of peach [Prunus persica (l.) Batsch] in the Parana State has been caused in part by low doses of lime and fertilizers, particularly nitrogen (N). N is required in large amount by the peach, but if supplied in excess can promote excessive number of fruits, requiring intervention via management of thinning young fruit. In addition, the parameters used for recommendation of fertilization with N are scarce, being necessary forms more efficient for nutritional diagnosis and/or complementary. The present study aimed to evaluate seven doses of N: without and equivalent doses to 40, 80, 120, 160, 200 and, 240 kg of N ha-1), associated with two intensities of thinning fruit (150 and 200 fruits per plant) and its relationships with yield, nutritional status (foliar levels and analysis of sap), chlorophyll content, enzyme activities, circumference of the trunk and soil acidification caused by urea application during 5 years. Activity of urease enzyme (UR), nitrate reductase (NR) and the content of chlorophyll a, b, were evaluated during the phenological stages of peach. N content (leaves and sap) were affected by fertilization with N, with linear increases occurring in 2011 and 2012. In addition, N fertilization caused soil acidification only in the tree projection on the layer 0-0,1 m of depth, although no-significant in order to affect the development of the crop. In 2011 there was effect of the interaction N doses vs thinning fruit on the productivity , with highest productivity at 240 kg N ha-1 in thinning fruit of 200 fruits per plant, which produced 13.7 kg/plant (equivalent to 27.4 t ha-1). In 2012 the contents of chlorophyll a, b and total activity of urease, trunk circumference and, fruit yield were not affected by the treatments. However, urease activity presented gradual increase with the doses of N during the phenological stages examined. Peach tree indicated to have ability for N translocation, however, the low nitrate reductase activities show the importance of split N doses during phenological stages. The results demonstrate the need for establishment a dose of N considering the intensities of thinning thinning fruit. The nutritional status of the plant through urease activity and analysis of sap proved to be promising techniques for the peach management and can be considered as auxiliary tool for fertilization management. Key-words: Nitrogen. enzyme activity. analysis of sap. Urease. foliar diagnosis. Treatement. Prunus persica.pt_BR
dc.format.extent[58] p. : il. (algumas color.).pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectPessego - Cultivopt_BR
dc.subjectNitrogenio na agriculturapt_BR
dc.subjectAdubaçãopt_BR
dc.subjectCiência do Solopt_BR
dc.titleNutrição nitrogenada e intensidade de raleio na produção de pêssegopt_BR
dc.typeDissertação Digitalpt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record