Show simple item record

dc.contributor.advisorMoser, Alvino, 1933-pt_BR
dc.contributor.authorGuidi, Sonia Mariapt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educaçãopt_BR
dc.date.accessioned2021-02-03T19:29:47Z
dc.date.available2021-02-03T19:29:47Z
dc.date.issued1988pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/68394
dc.descriptionOrientador: Prof. Alvino Moserpt_BR
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Educação, Curso de Pós-Graduação em Educaçãopt_BR
dc.descriptionInclui referências: p. 147-150pt_BR
dc.description.abstractResumo: O objeto de estudo desta dissertação ê a formação conceitual de masculinidade e feminilidade durante a idade pré-escolar, procedendo-se um estudo teórico-prático. As obras selecionadas para a parte teórica são as que abordam o tema de estudo a partir de uma visão psicossocial, exceção feita aos textos clássicos e á literatura pertinente á genética e endocrinologia. A parte prática compreende a elaboração e aplicação de uma escala tipo Lickert á 230 sujeitos formandos e profissionais em educação pré-escolar na cidade de Curitiba. O instrumento explora basicamente quatro áreas: estereotipias sexuais no contexto familiar, escolar, profissional e estereotipias relativas à sexualidade da criança. São consideradas atitudes ou estereótipos, neste estudo, expectativas, predisposições ou avaliações carentes de confirmação científica. As bases ditas científicas são as constantes da parte teórica do trabalho, razão pela qual a mesma abrange posições diversas, em se falando de fundamentos filosófico-metodológicos. Pelos resultados da parte teórica, conclui-se que: (a) até o momento o único comportamento diferenciado entre meninos e meninas com fortes indicativos de caracterizar-se como inato é a agressão; (b) os comportamentos - dominância e gosto por atividades que requeiram altos gastos de energia física indicam tendência para uma predisposição inata, porém até o momento, os resultados das pesquisas não trazem a alta consistência apresentada pelo comportamento agressão; (c) outras condutas - ou aptidões não apresentam qualquer indicativo de influência - biológica, caracterizando-se clara e unanimemente como ocasionados por influência social; (d) quando se trata de descrição de comportamentos sexualmente tipificados, a pesquisa bibliográfica apresenta contribuições plausíveis, com boa margem de generalização e inclusive muitas bem estabelecidas, porém, em se tratando de explicar as causas de tais comportamentos, há sérios problemas metodológicos nas pesquisas, grande divergência entre os teóricos revisados e pouca margem de generalização impedindo conclusões seguras, mesmo em um dado momento de determinada cultura; (e) a maioria das diferenças entre os sexos aparece na adolescência, mas, há diferenças que se fazem presentes em determinadas idades, desaparecendo ou reaparecendo posteriormente; (f) a influência da instituição pré-escolar mais efetiva para a maioria dos autores pesquisados diz respeito a ação de pessoas que por motivos diversos caracterizam- se como significativas para a criança. Também, a instituição pré-escolar vai influir na formação da identidade sexual através de sua congruência ou incongruência com outros agentes socializadores que agem no mesmo período cronológico da vida da criança. Os resultados da parte prática permitem concluir que os educadores e futuros educadores pré-escolares da cidade de Curitiba apresentam: (a) condutas demonstrativas de alteração de estereótipos tradicionais tocantes a diferenças de capacidade profissional entre homens c mulheres e ao papel de marido e mulher, em especial quanto a divisão de trabalho doméstico e distribuição de direitos e deveres. Cabe ressaltar que a pesquisa indica uma tendência sexista, isto é, parece haver alterações no que concerne a mudança de comportamentos ditos femininos para masculinos, nas expectativas quanto ao papel das mulheres, mas a mesma mudança não parece ocorrer em se falando de alterações de comportamentos masculinos em femininos para os homens; (b) há tendências para alteração de estereotipias no que diz respeito ao comportamento sexual da criança e a maneira de intervenção dos adultos diante de tais comportamentos. Há também tendência para mudança de estereotipia quanto à sexualidade no contexto escolar. Frise-se tendências pois os resultados apresentam significativa margem de indecisão quanto a determinadas questões e também fortes contradições; (c) os sujeitos apresentam fortes estereótipos quanto ao papel mãe e à orientação homossexual. Há forte consistência nos resultados indicando expectativa ligada, a certo mandonismo com relação à maternidade e a consideração negativa no tocante à orientação homossexual.pt_BR
dc.format.extentxiii, 169 f. : il., tabs.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relationDisponível em formato digitalpt_BR
dc.subjectEducação pre-escolarpt_BR
dc.subjectDissertações - Educaçãopt_BR
dc.subjectEducaçãopt_BR
dc.titleContribuição para o estudo do papel dos educadores pré-escolares na formação da identidade e papel de gênero dos educandospt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record