Show simple item record

dc.contributor.authorEberspächer, Gisele Jordana, 1990-pt_BR
dc.contributor.otherBohunovsky, Ruth, 1972-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Letraspt_BR
dc.date.accessioned2021-01-22T21:53:58Z
dc.date.available2021-01-22T21:53:58Z
dc.date.issued2019pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/67638
dc.descriptionOrientadora: Profa. Dra. Ruth Bohunovskypt_BR
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Letras. Defesa : Curitiba, 27/02/2020.pt_BR
dc.descriptionInclui referências: p. 196-199pt_BR
dc.description.abstractResumo: O presente trabalho tem como objetivo pensar por que - e como - traduzir a obra da autora austríaca Ida Pfeiffer (1797-1856) para o português hoje. Viajante e escritora, Pfeiffer esteve no Brasil em 1846 e dedica a esta experiência os capítulos iniciais do livro Eine Frauenfahrt um die Welt [A jornada de uma mulher pelo mundo] - um texto que apresenta um relato fascinante de uma viajante ao mesmo tempo que endossa padrões coloniais e imperialistas de preconceito e visão de mundo. Para responder às perguntas acima, é proposta uma contextualização histórica da produção da autora, seguindo o proposto por Mary-Louise Pratt (2003) para interpretar autoras do período imperialista: levar em consideração os limites da produção que lhes eram impostos pela sociedade. Em seguida, é discutida a relação entre Bildung (enquanto processo de constante desenvolvimento) e tradução, proposta por Antoine Berman (2002), para pensar como a viagem e a escrita desempenharam uma função de Bildung para Pfeiffer e como uma tradução do texto se relaciona a isso. O estudo de Sarah Mills (1991) é usado para fazer uma análise das principais características da obra de Pfeiffer: a narrativa em primeira pessoa com um ponto de vista eurocêntrico, o gênero literário misto entre diário e relato, a ironia recorrente, a criação narrativa do outro, a construção narrativa do preconceito, a recorrente menção ao imaginário europeu, a construção descritiva por meio de comparações e a relação entre espaço físico e narrativo. Também é discutido como, por meio dessas características, o texto de Pfeiffer mostra indícios do processo de Bildung. Por fim, é apresentada uma tradução do texto, pensando que a tradução é, em si, uma Bildung do texto original, por criar uma nova versão do texto que é permeada por todas essas discussões. Palavras-chave: Tradução. Relato de viagem. Relatos sobre o Brasil. Ida Pfeiffer. Bildung.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: This work aims to reflect on why - and how - it is possible to translate the work from Austrian writer Ida Pfeiffer (1797-1856) to the portuguese today. Traveler and writer, Pfeiffer was in Brazil in 1846 and dedicates the first chapters of her book Eine Frauenfährt um die Welt [A woman's journey in the world] to this experience. The text presents both a fascinating travelogue of a female traveler as well as reinforcement of colonial and imperialistc racism and world views. To answer those questions, a historic contextualization of her production is proposed, as defended by Mary-Louise Pratt (In: Imperial Eyes, 2003) to interpret female writters of the imperialism, in which the researcher must consider the production limitations imposed to them during that time by the society. Secondly, the relation between Bildung (as a constant development process) and translation, as proposed by Antoine Berman (In: A prova do estrangeiro, 2002), is presented to think how both travelling and writing were means of Bildung to Pfeiffer herself, as well as how a translation of her text relates to this discussion. Sarah Mills research (Discourses of Difference, 1991) is also used to do an analysis of the main characteristics of Pfeiffers work: first person narrative and Eurocentric point of view, hybrid literary genre between diary and description, the recurrent irony, othering, the narrative construction of racism, the constant mention of the Europen imaginary, the use of comparisons as a descritive tool and the relation between fisical and narrative space. A discussion on how Pfeiffers text presents Bildung aspects on itself is also presented. Taking all of this in consideration, a translation of the text is done, seeing the translation as a Bildung of the original text, as it creates a new version of the text that is influenced by all of these discussions. Keywords: Translation. Travelogue. Stories on Brazil. Ida Pfeiffer. Bildung.pt_BR
dc.format.extent200 p. : il. (algumas color.).pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectTraduçaopt_BR
dc.subjectLetraspt_BR
dc.subjectBrasil - Descrições e viagenspt_BR
dc.titleIda Pfeiffer e o Brasil : Literatura de viagem e sua tradução como Bildungpt_BR
dc.typeDissertação Digitalpt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record