Show simple item record

dc.contributor.advisorBrandão, Rodrigo, 1976-pt_BR
dc.contributor.authorBlatt, Roberto, 1976-pt_BR
dc.contributor.otherBaggio, Eduardopt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Filosofiapt_BR
dc.date.accessioned2020-09-29T21:27:26Z
dc.date.available2020-09-29T21:27:26Z
dc.date.issued2019pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/66461
dc.descriptionOrientador: Prof. Dr. Rodrigo Brandãopt_BR
dc.descriptionCoorientador: Prof. Dr. Eduardo Baggiopt_BR
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Filosofia. Defesa : Curitiba, 25/11/2019pt_BR
dc.descriptionInclui referências: p. 111-114pt_BR
dc.description.abstractResumo: O presente trabalho visa apontar resultados da pesquisa no Mestrado Profissional de Filosofia da UFPR cujo objetivo era abordar aspectos da teoria cinematográfica que representem estofo de conteúdo capazes de serem abordados na disciplina de filosofia. Resumidamente pretende-se apontar um itinerário do tema a partir de um conjunto de textos específicos com suas possíveis problematizações: apontamentos sobre a linguagem cinematográfica a partir de Carrière e sobre o debate das teorias com base em Thomas Elsaesser, Susana Viegas, Jacques Aumont, Thomas Wartenberg, Noell Carroll, Gilles Deleuze, Julio Cabrera e Daniel Frampton que são a linha mestra dessa pesquisa no que diz respeito ao tema da ilustração versus criação filosófica. Posteriormente também o americano David Bordwell representa uma contribuição bastante incisiva a essa tentativa de abertura do currículo da disciplina de filosofia para uma civilidade pós-moderna de pensamento, não necessariamente restrita às províncias do filosofar "puro" ou a exigências curriculares de caráter político. Em síntese abrir um caminho para debater teoria cinematográfica como fonte de exercícios cognitivos, exegéticos, com problemas axiológicos ou epistemológicos tão intrigantes na definição e na ação filosófica quanto quaisquer textos de "filosofia pura". Palavras-chave: 1.cinema, 2.ilustração, 3.conceituação.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: This paper aims to point out research results in the Professional Master o f Philosophy of UFPR whose objective was to address aspects o f film theory that represent content upholstery capable o f being addressed in the discipline o f philosophy. Briefly, we intend to point out an itinerary o f the theme from a set o f specific texts with their possible problematizations: notes on the cinematic language from Carrière and on the debate o f theories based on Thomas Elsaesser, Susana Viegas, Jacques Aumont, Thomas Wartenberg, Noell Carroll, Gilles Deleuze, Julio Cabrera, and Daniel Frampton are the guiding lines o f this research on the subject o f illustration versus philosophical creation. Later, too, the American David Bordwell makes a very strong contribution to this attempt to open the curriculum o f the discipline o f philosophy to a postmodern civility o f thought, not necessarily restricted to the provinces o f "pure" philosophizing or curricular demands o f a political character. In short, it opens the way for debating film theory as a source o f cognitive, exegetical exercises, with axiological or epistemological problems as intriguing in definition and philosophical action as any texts o f "pure philosophy." Keywords: l.cinema, 2.illustration, 3.conceptualization.pt_BR
dc.format.extent114 p.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectFilosofia - Estudo e ensinopt_BR
dc.subjectCinema e filosofiapt_BR
dc.subjectIlustraçõespt_BR
dc.subjectFilosofiapt_BR
dc.titleTeoria cinematográfica como objeto de reflexão filosóficapt_BR
dc.typeDissertação Digitalpt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record