Show simple item record

dc.contributor.advisorAlberton, Geraldo Camilo, 1966-pt_BR
dc.contributor.authorHideshima, Cristina Satie, 1977-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor Palotina. Programa de Pós-Graduação em Ciência Animalpt_BR
dc.date.accessioned2021-04-09T19:31:45Z
dc.date.available2021-04-09T19:31:45Z
dc.date.issued2019pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/63428
dc.descriptionOrientador: Prof. Dr. Geraldo Camilo Albertonpt_BR
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Palotina, Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal. Defesa : Palotina, 10/05/2019pt_BR
dc.descriptionInclui referências: p. 50-67pt_BR
dc.description.abstractResumo: A hiperprolificidade das porcas nas granjas comerciais brasileiras vem aumentando a necessidade no número de manejos para adequação do sistema de produção e o manejo de uniformização de leitegadas é um deles, que consiste em transferir os leitões entre porcas a fim de equalizar o tamanho ou formar leitegadas com leitões com peso ou tamanho similares. Este manejo tem como objetivo o aumento das chances de sobrevida e a melhora do ganho de peso dos leitões durante a lactação. Todavia, o mesmo vem sendo realizada de maneira indiscriminada em grande parte das granjas comerciais. Vários fatores interferem diretamente no resultado desse manejo e precisam ser levados em consideração, tais como a ordem de parto da mãe biológica e adotiva, o momento da transferência dos leitões após o nascimento, a porcentagem de leitões transferidos e sua origem, sendo que as consequências dos erros na uniformização irão afetar diretamente os leitões e as porcas. O objetivo deste estudo foi identificar como alguns fatores biológicos e o manejo da uniformização tem influência no desempenho e mortalidade dos leitões na fase da maternidade. O estudo foi realizado numa granja comercial de 1000 fêmeas, na cidade de Palotina, Paraná, Brasil, em agosto de 2018. Vinte cinco porcas e suas leitegadas (381 leitões) foram distribuídas entre os grupos experimentais controle e teste. Após o parto os leitões foram pesados individualmente, sendo que as porcas do grupo teste ficaram com suas próprias leitegadas por pelo menos 12 horas após o parto; já as porcas do grupo controle tiveram suas leitegadas equalizadas entre si, procurando formar leitegadas homogêneas seguindo o manejo da granja, deixandose 1 leitão por teto viável. Todos os leitões foram pesados ao nascer, nas 24, 72 horas pós-parto e na desmama. O volume de colostro ingerido (VCI) individual foi estimado a partir do ganho de peso corporal, em 24 horas após o nascimento. Para a análise dos dados, os leitões foram agrupados em quatro faixas de peso ao nascimento e em três categorias de ordem de nascimento. Somente para a variável ganho de peso do nascimento às 72 horas (GP2) houve diferença significativa (P<0,05) entre os tratamentos, onde o grupo tratado teve melhor desempenho que o grupo controle. O resultado do desempenho, taxa de mortalidade e volume de colostro ingerido foram semelhantes (P>0,05) entre os tratamentos, mostra que não houve efeito negativo quando da manutenção de toda leitegada durante as 12 primeiras horas com a mãe biológica, tanto no VCI, como no ganho de peso nas 72 horas e no período total de amamentação. Conclui-se que a manutenção da leitegada com a mãe biológica nas 12 primeiras horas pós-parto não prejudica o desempenho, não aumenta a taxa de mortalidade e não interfere no volume de colostro ingerido. Já o volume de colostro é influenciado pelo desempenho na lactação e pelo peso ao nascer. A ordem de nascimento teve pouca influência nas variáveis analisadas. Recomendando-se manter os leitões com a mãe biológica nas primeiras 12 horas pós-parto e só depois seguir com a uniformização. Palavras-chave: colostro, desmame, hiperprolificidade, leitegada, suinoculturapt_BR
dc.description.abstractAbstract: The hyperprolificity of sows in Brazilian commercial farms has increased the need for the number of managements to adapt the production system and the management of uniformity of litters is one of them, which consists in transferring the piglets between sows in order to equalize the size or to form litters with piglets of similar weight or size. This management aims to increase the chances of survival and the improvement of piglets' weight gain during lactation. However, the same has been done indiscriminately in most commercial farms. Several factors interfere directly in the outcome of this management and need to be taken into account, such as the birth order of the biological and adoptive mother, the moment of transfer of the piglets after birth, the percentage of piglets transferred and their origin, and the consequences errors in standardization will directly affect piglets and sows. The objective of this study was to identify how some biological factors and the management of standardization influence the performance and mortality of piglets in the maternity phase. The study was carried out in a commercial farm of 1000 females, in the city of Palotina, Paraná, Brazil, in August, 2018. Twenty five sows and their litters (381 piglets) were distributed among the control and test experimental groups. After delivery the piglets were individually weighed, and the sows in the test group were kept with their own litter for at least 12 hours postpartum; already the sows of the control group had their litters equalized among themselves, trying to form homogeneous dairy products following the farm management, leaving 1 piglet per viable ceiling. All piglets were weighed at birth, at 24, 72 hours postpartum and at weaning. The volume of individual ingested colostrum (IVC) was estimated from the body weight gain, at 24 hours after birth. For the data analysis, the piglets were grouped into four birth weight bands and three birth order categories. Only for the birth weight gain variable at 72 hours (GP2) there was a significant difference (P <0.05) between treatments, where the treated group had a better performance than the control group. The results of the performance, mortality rate and volume of ingested colostrum were similar (P> 0.05) among the treatments, shows that there was no negative effect when maintaining all litter during the first 12 hours with the biological mother, both in the VCI, as in the weight gain in the 72 hours and in the total period of breastfeeding. It is concluded that the maintenance of the litter with the biological mother in the first 12 hours postpartum does not impair the performance, does not increase the mortality rate and does not interfere in the volume of colostrum ingested. Already the volume of colostrum is influenced by the performance in lactation and by birth weight. Birth order had little influence on the analyzed variables. It is recommended to keep the piglets with the birth mother in the first 12 hours postpartum and then continue with the standardization. KEY WORDS: colostrum, weaning, hyperfrolificity, litter, swinept_BR
dc.format.extent67 p. : il.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectColostropt_BR
dc.subjectLeitao (suíno) - Aspectos nutricionaispt_BR
dc.subjectSuino - Criaçãopt_BR
dc.titleEfeito do peso ao nascer, ordem de nascimento e do manejo de uniformização sobre o desempenho de leitões na maternidadept_BR
dc.typeDissertação Digitalpt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record