Show simple item record

dc.contributor.advisorBracht, Adelarpt_BR
dc.contributor.authorIwamoto, Emy Luiza Ishiipt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Biológicas. Programa de Pós-Graduação em Ciências (Bioquímica)pt_BR
dc.date.accessioned2019-09-06T18:18:12Z
dc.date.available2019-09-06T18:18:12Z
dc.date.issued1989pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/62660
dc.descriptionOrientador: Prof. Dr. Adelar Brachtpt_BR
dc.descriptionTese (Doutorado) -Universidade Federal do Paraná, Curso de Pós-Graduação em Bioquímicapt_BR
dc.descriptionInclui referências: p. 107-116pt_BR
dc.description.abstractResumo: Um estudo do efeito do steviosídeo e seus derivados sobre o transporte de monossacarídeos no fígado foi realizado. O transporte foi avaliado no fígado de rato perfundido isoladamente, pela técnica da diluição de indicadores múltiplos com análise matemática, de acordo com o modelo proposto por Goresky et al. (1973). A distribuição da D-glucose no espaço intra e extracelular, em condições de equilíbrio (steady-state), e as relações entre o transporte e a metabolismo das hexoses foram também investigadas. O Km encontrado para o transporte da D-glucose (troca de estado estacionário) no fígado foi de 38,9 ± 12 mM e a Vmax de 388 ± 61 umol.min-1 . g-1. A razão entre as concentrações intra e extracelular de D-glucose, nas mesmas condições, variou entre 0,6 e 0,7. Os produtos da Stevia rebaudiana inibiram o transporte de monossacarídeos. Dos compostos testados, o isosteviol foi o mais ativo, seguido pelo steviosídeo, sendo o steviolbiosídeo, o menos potente. O steviosídeo afetou tanto o Km quanto a Vmax do transporte da D-glucose, indicando uma inibição do tipo misto. Em baixas concentrações de D-glucose no perfusado, os produtos da Stevia rebaudiana testados, afetaram a razão Ci/Ce, em função da inibição sobre o transporte. Por outro lado, na faixa de concentração entre 10 e 100 mM, o steviosídeo não modificou a razão Ci/Ce. Isto foi consequência do fato de que o fluxo metabólico, nessas concentrações, é muito pequeno em comparação com os altos fluxos unidirecionais através da membrana. Em função da inibição sobre o transporte, o metabolismo de hexoses como a D-frutose e a D-galactose no fígado foi inibido pelo steviosídeo. O mesmo não foi observado com respeito ao metabolismo da D-glucose. Nas condições experimentais utilizadas no presente trabalho, o steviosídeo não parece ser hidrolisado em quantidades significativas pelo fígado. Derivados como o steviol, o glucosil-steviol e o steviolbiosídeo não foram identificados após recirculação do steviosídeo por períodos de até duas horas. O espaço de distribuição do steviosídeo, avaliado pela técnica da diluição de indicadores múltiplos, foi estimado em cerca de 5 a 6% do espaço celular total do fígado. O acesso do steviosídeo ao espaço aquoso celular não é livre, em uma simples passagem. Destes dados, pode-se concluir que o efeito do steviosídeo sobre o carreador de monossacarídeos é exercido do lado externo da membrana plasmática.pt_BR
dc.format.extent116 f. : il., grafs., tabs.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relationDisponível em formato digitalpt_BR
dc.subjectTesespt_BR
dc.subjectBioquímicapt_BR
dc.titleA inibição do transporte de monossacarídeos no fígado pelo steviosídeo e seus derivadospt_BR
dc.typeTesept_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record