Show simple item record

dc.contributor.authorMélo, Tainá Ribas, 1982-pt_BR
dc.contributor.otherIsrael, Vera Lúcia, 1963-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Biológicas. Programa de Pós-Graduação em Educação Físicapt_BR
dc.date.accessioned2019-02-12T21:12:46Z
dc.date.available2019-02-12T21:12:46Z
dc.date.issued2018pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/58424
dc.descriptionOrientadora: Profª Drª Vera Lúcia Israelpt_BR
dc.descriptionTese (doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Educação Física. Defesa : Curitiba, 06/09/2018pt_BR
dc.descriptionInclui referências: p.151-172pt_BR
dc.description.abstractResumo: Estudos sistematizados com foco na atividade física em bebês ainda são escassos, principalmente no Brasil, e apresentam diferentes lacunas quanto à intensidade e atividades realizadas, assim como em relação a desfechos relacionados ao desenvolvimento neuropsicomotor (DNPM), e de outros domínios, tais como qualidade de vida (QV). Sabe-se que esse período é crítico em questões neuroplásticas influenciadas por questões biológicas, ambientais e de estímulos. Ao considerar o modelo biopsicossocial (BPS) de saúde, com base na Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF), e entender o DNPM como complexo e dependente de múltiplas relações, avaliações/triagens e intervenções precoces eficientes devem ser realizadas considerando aspectos ambientais, assim como atividades e participação. Dessa maneira, o objetivo dessa pesquisa foi investigar os efeitos de um programa de atividade física precoce (AFP) com base no modelo BPS da CIF sobre o DNPM e QV de bebês com 4 a 18 meses que frequentam creches públicas. Trata-se de uma pesquisa quantitativa, quase experimental, com avaliação cega realizada em 2 estudos. No estudo 1, para o desfecho do DNPM foram utilizados a Alberta Infant Motor Scale (AIMS) e o teste de Triagem de Denver II. No estudo 2, para os desfechos secundários, foram aplicados a Affordances no Ambiente Domiciliar para o Desenvolvimento Motor (AHMED-IS), o Inventário Pediátrico sobre Qualidade de Vida do Bebê (PedsQL®), o questionário socioeconômico da Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa para o Brasil (ABEP), a Caderneta de Saúde da Criança e anamnese com dados neonatais e atuais da condição de saúde. O programa de AFP foi elaborado de modo a desenvolver habilidades locomotoras, manipulativas e estabilizadoras esperadas para idade, realizadas no formato cross-over, no ambiente da creche, em grupo, com frequência de 2x/semana, durante 4 semanas (8 intervenções), com duração de 40-60 minutos, com progressão semanal relacionada a mudanças na superfície e aumento de complexidade das tarefas e conduzidas por fisioterapeuta experiente. Para análise dos resultados os bebês foram alocados nos Grupos Intervenção 1 (GI1) e 2 (GI2) e comparados em 4 momentos (M): M1 (avaliação inicial), M2 (avaliação pós para GI1), M3 (retenção para GI1 e avaliação pós para GI2) e M4 (retenção GI2). Ao todo 66 bebês (12,42±3,63meses) compuseram a amostra do estudo, sendo 30 bebês do GI1 (18 Típicos e 12 com Risco/atraso) e 36 bebês do GI2 (15 Típicos e 21 com Risco/atraso). A frequência de Risco/atraso variou de 36,67 a 44,12% (AIMS), 20 a 41,17% (Denver II) e de 40 a 58,82% (AIMS e Denver II) na avaliação inicial, e teve relação com QV para a capacidade física (CF). Após o programa de AFP observou-se pela Denver II diminuição significativa em 16% da frequência de bebês em Risco/atraso para o GI2 (p=0,00137), assim como pelos escores em pé e total (p=0,0001) da AIMS para o GI1 em Risco/atraso. Além disso, identificou-se melhora significativa na QV pós intervenção na CF do M1 para M2 para o grupo GI1, em Risco/atraso. Conclui-se que o programa de AFP proposto, para bebês de 4-18 meses em creche, demonstrou efeitos positivos no DNPM e QV, contemplando domínios da CIF de função, atividade e participação. Palavras-chaves: Desenvolvimento Infantil. Creche. Atividade Física. Intervenção Precoce. Fisioterapia.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: Systematic studies focusing on infant's physical activity are still scarce, especially in Brazil, and present different gaps in intensity and activities, as well as in relation to outcomes related to neuropsychomotor development (NPMD), and other domains such as quality of life (QoL). It is known this period is critical in neuroplastic issues influenced by biological, environmental and stimulus issues. In considering the biopsychosocial (BPS) health model, based on the International Classification of Functioning, Disability and Health (ICF), and understanding the NPMD as complex and dependent on multiple relationships, evaluations/screening and early efficient interventions should be performed considering aspects as well as activities and participation. Thus, the objective of this research was to investigate the effects of an early physical activity (EPA) program based on the BPS model by ICF on the NPMD and QoL of babies with 4 to 18 months attending public day care centers. This is a quasi-experimental quantitative research with blind evaluation carried out in 2 studies. In study 1, the Alberta Infant Motor Scale (AIMS) and the Denver II test were used for the NPMD outcome. In study 2, secondary outcomes were applied to Affordances in the Home Environment for Motor Development (AHMED-IS), the Pediatric Quality of Life Inventory (PedsQL®), the socioeconomic questionnaire of the Brazilian Association of Research Companies for Brazil (ABEP), the Child Health Handbook and anamnesis with neonatal and current data on the health condition. The EPA program was developed to locomotor, manipulative, and stabilizing abilities expected in the cross-over, day care environment, group 2x/week during 4 weeks (8 interventions), duration of 40-60 minutes, with weekly progression related to changes in the surface and increase of complexity of the tasks and conducted by experienced physiotherapist. To analyze the results, the infants were allocated in Intervention Groups 1 (GI1) and 2 (GI2) compared in 4 moments (M): M1 (initial evaluation), M2 (GI1 post evaluation), M3 (GI1 retention and GI2 post evaluation) and M4 (GI2 retention). A total of 66 infants (12.42 ± 3.63 months) comprised the study sample, 30 GI1 infants (18 Typical and 12 at Risk/Delay) and 36 GI2 infants (15 Typical and 21 at Risk/Delay). The risk/delay frequency varied from 36.67 to 44.12% (AIMS), 20 to 41.17% (Denver II) and from 40 to 58.82% (AIMS and Denver II) in the initial evaluation, and relation to QoL for physical capacity (PC). Following the EPA program Denver II experienced a significant 16% decrease in infant frequency at Risk/Delay for GI2 (p=0,00137), as well as by standing and total AIMS scores for GI1 at Risk/Delay (p=0,0001). In addition, significant improvement in the post-intervention QoL in PC from M1 to M2 was identified for group GI1, at Risk/Delay. It is concluded that the proposed EPA program for 4-18 month-old infants in day care showed positive effects on NPMD and QoL, including domains of ICF of function, activity and participation. Keywords: Child Development. Day Care. Physical Activity. Early Interventionpt_BR
dc.format.extent220 p. : il. (algumas color.).pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectDesenvolvimento infantilpt_BR
dc.subjectEducação Físicapt_BR
dc.subjectCrechespt_BR
dc.subjectAtividade físicapt_BR
dc.subjectFisioterapiapt_BR
dc.titleEfeitos de um programa de atividade física precoce no desenvolvimento neuropsicomotor em bebês de 4-18 meses que frequentam crechept_BR
dc.typeTese Digitalpt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record