Show simple item record

dc.contributor.advisorCardoso, Maurício José d'Escragnollept_BR
dc.contributor.authorBarbosa, Soraya Alviano Pialarissipt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Psicologiapt_BR
dc.date.accessioned2018-10-09T15:24:28Z
dc.date.available2018-10-09T15:24:28Z
dc.date.issued2018pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/56910
dc.descriptionOrientador: Prof. Dr. Maurício José D’Escragnolle Cardosopt_BR
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Defesa : Curitiba, 29/03/2018pt_BR
dc.descriptionInclui referências: p.95-99pt_BR
dc.description.abstractResumo: Desde a década de 1960 com o boom dos movimentos sociais, as políticas identitárias, ou políticas de reconhecimento, se tornaram a maneira pela qual direitos são reivindicados no âmbito político no Ocidente. Cada vez mais a categoria identidade tornou-se importante e definidora, tanto no campo das subjetividades quanto em termos políticos. A psicanálise, como práxis e discurso, se encontra e fala a partir do social (Freud, 1921/2010) e por isso não deve se distanciar de outros saberes, como as teorias críticas. A partir do método transdisciplinar, proposto por Birman (1994), e de revisão de literatura, a presente dissertação tem como hipótese principal a possibilidade ou não de a psicanálise propor um novo entendimento das políticas identitárias. Para isso, há uma discussão entre o conceito de identificação, processo pelo qual o indivíduo se subjetiva na sua relação com o outro ao mesmo tempo em que se separa dele para, posteriormente, os textos sociológicos de Freud ser abordados no que tangem à temática política e social. Com a leitura e a discussão desses textos pode-se observar que a descrição da massa que Freud faz em 1921 é muito atual no funcionamento de uma política identitária, assim como o narcisismo das pequenas diferenças colocado em 1930. Ainda que o laço social tenha mudado ao longo dos anos, há resquícios do funcionamento grupal descrito no começo do século XX pelo psicanalista vienense. Entretanto, novos autores como Reinhard (2010) e Safatle (2016) dão ferramentas teóricas a partir da interseção entre a psicanálise e a teoria crítica para uma nova forma de laço social onde a política seria, portanto, desidentitária. Palavras-chave: Psicanálise; Política; Reconhecimento; Identificação.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: Since the 1960s with the boom of social movements, identity politics, or recognition policies, have become the way in which rights are claimed in the political arena in the West. Increasingly, the identity category has become important and defining, both in the field of subjectivity and in political terms. Psychoanalysis, as praxis and discourse, meets and speaks from the social (Freud, 1921/2010) and therefore should not distance itself from other knowledge, such as critical theories. From the transdisciplinary method, proposed by Birman (1994), and of literature review, the main hypothesis is the possibility of psychoanalysis proposing a new understanding of identity politics. For this, there is a discussion between the concept of identification, a process by which the individual is subjective in its relation to the other, at the same time that it separates from it and, later, Freud's sociological texts are approached in what concerns the political theme and social. With the reading and discussion of these texts it can be observed that Freud's description of the mass in 1921 is very current in the functioning of an identity politics, as well as the narcissism of small differences placed in 1930. Although the social bond has changed over the years there are remnants of group functioning described at the beginning of the twentieth century by the Viennese psychoanalyst. However, new authors such as Reinhard (2010) and Safatle (2016) provide theoretical tools from the intersection between psychoanalysis and critical theory for a new form of social bond where politics would therefore be non-identitary. Keywords: Pyschoanalysis; Politics; Recognition; Identification.pt_BR
dc.format.extent99 p.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectIdentidade (Psicologia)pt_BR
dc.subjectPsicologia Clínicapt_BR
dc.subjectIdentidade socialpt_BR
dc.subjectPsicanalisept_BR
dc.titleRepensando as políticas identitárias : um estudo a partir da psicanálisept_BR
dc.typeDissertação Digitalpt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record