Show simple item record

dc.contributor.authorSilva, Luiz Henrique Vieira dapt_BR
dc.contributor.otherVieira Neto, Paulo, 1964-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Filosofiapt_BR
dc.date.accessioned2020-04-29T19:08:20Z
dc.date.available2020-04-29T19:08:20Z
dc.date.issued2009pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/48464
dc.descriptionOrientador: Prof. Dr. Paulo Vieira Netopt_BR
dc.descriptionDissertaçao (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciencias Humanas, Letras e Artes, Programa de Pós-Graduaçao em Filosofia. Defesa: Curitiba, 13/07/2009pt_BR
dc.descriptionInclui bibliografiapt_BR
dc.descriptionÁrea de concentraçao: História da filosofia moderna e contemporâneapt_BR
dc.description.abstractResumo: De acordo com o texto do capítulo IV da Fenomenologia do Espírito o trabalho (Arbeit) tem um estatuto formador para a consciência de si. Este estatuto formador do trabalho faz todas as mediações para que a consciência efetive seu Si e seja livre. Essa liberdade ocorre porque o trabalho (Arbeit) numa primeira etapa realiza a satisfação do desejo (Begierde) e numa segunda etapa proporciona à consciência de si a compreensão e efetivação de seu Si. Investigar qual a concepção filosófica que Hegel apresenta ao trabalho (Arbeit), bem como o sentido e funcionamento do estatuto formador do trabalho no capítulo IV da Fenomenologia do Espírito norteará nossa proposta de pesquisa. Essa investigação exige que revisitemos o conceito de desejo para entender porque o trabalho é desejo refreado (gehemmte Begierde), depois nos concentraremos na compreensão do trabalho (Arbeit) como exteriorização da consciência de si e num segundo momento nos concentraremos na Formação (Bildung) do trabalho (Arbeit) na descoberta da efetividade da consciência de si. Após este percurso nos abrirá uma resposta para qual é o estatuto formador do trabalho.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: According to what?s written in the Chapter IV of Phenomenology of Mind, work (Arbeit) has an influence in the creation of the self-consciousness. This influential status of work makes all the mediation in order to the consciousness enforce itself and break free from everything else. This freedom occurs because the work in (Arbeit) a first stage (moment) provides the satisfaction of desire (Begierde), and in a second stage (moment) provides to the self-consciousness the understanding and realization of itself. Investigate which philosophical conception Hegel gives to work (Arbeit), as well the meaning and operation of the influential status of work described in the Chapter IV of Phenomenology of Mind, will guide our research proposal. To achieve this goal it?s required that we revise the concept of desire in order to understand why work is restrained desire (gehemmte Begierde), and then focus on understanding of work (Arbeit) as externalization of the self-consciousness and in a second moment we?ll focus on the Creation (Building) of work (Arbeit) in the discovery of the effectiveness in the awareness of self-consciousness. After going through this path, we will be able to find out an answer to realize which the real influential status of work is.pt_BR
dc.format.extent82f.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relationDisponível em formato digitalpt_BR
dc.subjectHegel, Georg Wilhelm Friedrich, 1770-1831pt_BR
dc.subjectFilosofia alemã - Séc. XXpt_BR
dc.subjectFenomenologia do espíritopt_BR
dc.subjectDissertações - Filosofiapt_BR
dc.subjectTesespt_BR
dc.subjectFilosofiapt_BR
dc.titleO estatuto formador do trabalho para o capítulo IV da Fenomenologia do Espírito de Hegelpt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record