Show simple item record

dc.contributor.authorDario, Vanusa Cristinapt_BR
dc.contributor.otherLourenço, Mariane Lemos, 1971-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Sociais Aplicadas. Programa de Pós-Graduação em Administraçãopt_BR
dc.date.accessioned2017-06-08T17:38:33Z
dc.date.available2017-06-08T17:38:33Z
dc.date.issued2017pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/47490
dc.descriptionOrientadora : Profa. Dra. Mariane Lemos Lourençopt_BR
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Sociais Aplicadas, Programa de Pós-Graduação em Administração. Defesa: Curitiba, 10/03/2017pt_BR
dc.descriptionInclui referências : f.170-186pt_BR
dc.descriptionÁrea de concentração : Estratégia e organizaçõespt_BR
dc.description.abstractResumo; A pesquisa buscou analisar como a cultura organizacional se entrelaça às vivências de prazer e sofrimento no trabalho de professores de graduação, em Instituições Federais de Ensino Superior. Tal problematização foi motivada pela escassez de estudos sobre as relações entre a cultura organizacional e seus elementos, com as vivências de prazer e sofrimento dos trabalhadores. No referencial teórico são apresentados os conceitos de cultura, e dos elementos da cultura organizacional. Atenção especial é dada às características da cultura e da cultura organizacional brasileira. Os conceitos da Psicodinâmica do Trabalho, e a caracterização do trabalho docente no cenário brasileiro, com base em pesquisas nacionais e internacionais, são trazidos a fim de enfatizar a importância destes temas para os estudos organizacionais. Com um posicionamento ontológico e epistemológico interpretativista, utilizou-se da pesquisa qualitativa, por meio da estratégia de pesquisa de estudo de caso. Para a coleta de dados utilizou-se de entrevistas semiestruturadas, e análise de documentos. Para a análise dos dados, foi empregada a análise de conteúdo, com base em Bardin (2010). Os sujeitos desta pesquisa foram 20 docentes das Instituições A e B. Os dados obtidos revelam que as vivências de prazer destes docentes, estão relacionadas com a própria atividade da docência, e o relacionamento com os alunos. Já as vivências de sofrimento no trabalho estão relacionadas, também com os alunos, mas principalmente ao relacionamento difícil entre pares e chefias. Observou-se ainda o impacto da atividade docente nas esferas familiar e social, e o impacto na saúde dos docentes. O contexto organizacional, e a gestão das instituições também foram apontados como fontes de sofrimento no trabalho. Quanto à cultura organizacional, os elementos identificados foram a comunicação, as normas e regras, e o discurso institucional. Características da cultura organizacional brasileira também foram apontadas como fontes de sofrimento no trabalho, como o personalismo, o autoritarismo, e o jeitinho. Este estudo contribui para o estado do conhecimento sobre cultura organizacional e a Psicodinâmica do Trabalho. Contribui também para o entendimento das vivências de prazer e sofrimento no trabalho, ao fornecer dados que propiciem melhoria das práticas organizacionais e de gestão de pessoas dentro das organizações. Como sugestão de pesquisas futuras, propõem-se as análises das relações interpessoais no trabalho; a preparação dos gestores para lidar com as equipes de trabalho; a dinâmica da elaboração das estratégias defensivas pelos trabalhadores; os processos de transferência das vivências de prazer ou sofrimento no trabalho, para outras instâncias da vida pessoal dos indivíduos; o impacto do sofrimento no trabalho para o adoecimento dos sujeitos, e suas consequências nos grupos familiares e sociais destes indivíduos. Por fim, analisar os traços e características da cultura organizacional brasileira, a fim de comprovar novas relações entre esses elementos, e as vivências de prazer e sofrimento dos trabalhadores, e os processos de adoecimento no trabalho. Palavras-chaves: Cultura organizacional. Psicodinâmica do trabalho. Prazer e sofrimento no trabalho. Adoecimento no trabalho. Estratégias de defesa.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: This study examined how organizational culture intertwines the experiences of pleasure and suffering at work among professors in federal institutions of higher education. This investigation was motivated by the lack of studies on the relationship between the organizational culture and its elements and the experiences of pleasure and suffering among staff. The theoretical framework presents the concepts of the culture and the elements of the organizational culture. Special attention is given to the characteristics of the culture and of Brazilian organizational culture. The notions of labor psychodynamics and the characteristics of teaching work in Brazil (based on domestic and international research) were included to emphasize the importance of these themes to organizational studies. Through ontological positioning and interpretative epistemology, qualitative research was used in the case study strategy. We collected the data using semi-structured interviews and document analysis. We analyzed the data using content analysis, based on Bardin (2010). The subjects of this study were 20 professors at institutions A and B. The data showed that the experiences of pleasure among these teachers were related to the activity of teaching itself and their relationships with students. Their experiences of suffering at work were also related to students, but particularly resulted from difficult relationships with their peers and superiors. The impact of teaching on the family and social spheres was also noted, along with impacts on the professors' health. The organizational context and management at the institutions were also indicated as sources of suffering at work. With regard to the organizational culture, the elements identified were communication, standards and rules, and institutional discourse. Characteristics of Brazilian organizational culture were also seen to be sources of suffering at work, such as personalism, authoritarianism, and the jeitinho (the particularly Brazilian way of getting things done outside the system). This study contribute to the state of knowledge about organizational culture and the psychodynamics of work. We hope to add to understanding about the experiences of pleasure and suffering at work by providing data that lead to improved organizational and management practices among people within the organizations. Suggestions for future research include analysis of interpersonal relations at work, preparing managers to deal with work teams, the dynamics of creating defensive strategies among workers, processes of transferring experiences of pleasure or pain at work to other instances in the individual's personal lives, the impact of suffering at work on illnesses in these subjects, and its effect on the family and social groups of these individuals. Finally, future studies can analyze the traits and characteristics of Brazilian organizational culture in order to show new relationships between these elements and experiences of pleasure and suffering among workers and in the processes of illness at work. Key words: Organizational culture. Psychodynamics of work. Pleasure and suffering at work. Illness at work. Defense strategies.pt_BR
dc.format.extent210 f.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relationDisponível em formato digitalpt_BR
dc.subjectAdministraçãopt_BR
dc.subjectCultura organizacionalpt_BR
dc.subjectDoenças profissionaispt_BR
dc.subjectProfessores universitários - Qualidade de vida no trabalhopt_BR
dc.titleCultura organizacional e vivências de prazer e sofrimento no trabalho : um estudo de caso com professores de graduação, em Instituições Federais de Ensino Superiorpt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record