Show simple item record

dc.contributor.advisorZanette, Fláviopt_BR
dc.contributor.authorPereira, Gabriely Pintopt_BR
dc.contributor.otherBiasi, Luiz Antonio, 1968-pt_BR
dc.contributor.otherCarvalho, Ruy Inacio Neiva dept_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Agrárias. Programa de Pós-Graduação em Agronomiapt_BR
dc.date.accessioned2018-06-15T17:41:40Z
dc.date.available2018-06-15T17:41:40Z
dc.date.issued2016pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/47448
dc.descriptionOrientador : Prof. Dr. Flávio Zanettept_BR
dc.descriptionCoorientadores : Prof. Dr. Luiz Antônio Biasi e Prof. Dr. Ruy Inacio Neiva de Carvalhopt_BR
dc.descriptionTese (doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Agrárias, Programa de Pós-Graduação em Agronomia. Defesa: Curitiba, 20/02/2017pt_BR
dc.descriptionInclui referências ao final de cada capítulopt_BR
dc.descriptionÁrea de concentração: Produção vegetalpt_BR
dc.description.abstractResumo: O presente trabalho teve como objetivo avaliar a temperatura efetiva para superação da dormência e os processos fisiológicos e bioquímicos envolvidos na dormência de gemas de caquizeiro cv. Fuyu. Amostras de ramos foram coletadas em Campina Grande do Sul, Paraná, Brasil. Foram realizados dois experimentos, sendo a dormência das gemas avaliada pelo teste biológico de estacas de nós isolados, a 25 °C e fotoperíodo de 16 h. O primeiro experimento, que objetivou determinar a temperatura efetiva para a brotação, foi realizado com ramos coletados em três datas em 2013 e 2014. Os ramos foram mantidos em quatro temperaturas constantes de 3, 6, 9 e 12 °C em câmara de crescimento (BOD). Para cada temperatura, foram estudadas cinco quantidades de horas de frio (HF) adicionais (0, 240, 384, 528 e 672 HF). No segundo experimento, que objetivou determinar alterações fisiológicas e bioquímicas nas gemas, ramos foram coletados entre março e agosto de 2015. Em cada data de coleta foram separadas gemas para avaliação da umidade ponderal, açúcares redutores, atividade respiratória, atividade das enzimas superóxido dismutase (SOD), catalase (CAT), ascorbato peroxidase (APX), guaiacol peroxidase (POD) e polifenoloxidase (PPO) e peróxido de hidrogênio (H2O2) e peroxidação lipídica. Quando as plantas estavam na transição da paradormência para endodormência, a manutenção dos ramos em temperaturas frias de 3, 6, 9 e 12 °C induziu a endodormência das gemas. As temperaturas de 3 e 6 °C foram mais eficientes para a superação da dormência que 9 e 12 °C quando as gemas estavam na transição da paradormência para endodormência. Quando as gemas estavam endodormentes, as temperaturas de 3, 6, 9 e 12 °C são efetivas para a superação da dormência. A temperatura de 12 °C é capaz de induzir e superar a dormência, porém mais lentamente, necessitando de maior número de horas de frio. No final de março de 2015 as plantas já estavam dormentes, as folhas e frutos presentes sugerem efeito de paradormência. A indução da endodormência pode ter ocorrido em junho de 2015, quando iniciou o acúmulo de HF abaixo de 7,2 °C e maior acúmulo de HF abaixo de 12 °C, que induziram a diminuição da umidade e da atividade respiratória, aumento dos açúcares redutores, diminuição da atividade da SOD, CAT, APX e PPO e aumento de H2O2. Após acúmulo de 553 HF abaixo de 12 °C em agosto de 2015, a capacidade de brotação aumentou, as gemas apresentaram aumento da umidade, diminuição do teor de açúcares redutores, aumento da atividade respiratória, baixa atividade da SOD, CAT, APX e POD e elevados teores de H2O2. Palavras-chave: Diospyros kaki. Paradormência. Endodormência. Horas de frio. Atividade metabólica. Estresse oxidativo.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: The present work had as objective to evaluate the effective temperature to overcome the dormancy and the physiological and biochemical processes involved in the bud dormancy of persimmon cv. Fuyu. Samples of branches were collected in Campina Grande do Sul, Paraná, Brazil. Two experiments were realized, and bud dormancy was evaluated the biological test of single node cutting isolated, at 25 °C and photoperiod of 16 h. The first experiment, which aimed to determine the effective temperature for budburt, was realized with branches collected at three dates in 2013 and 2014. The branches were maintained at four constant temperatures of 3, 6, 9 and 12 °C in a growth chamber (GC). For each temperature, five additional cold hours (CH) (0, 240, 384, 528 and 672 CH) were studied. In the second experiment, which aimed to determine physiological and biochemical changes in the buds, branches were collected between March and August, 2015. At each collection date, buds were separated to evaluate the water content, reducing sugars, respiratory activity, enzyme activity superoxide dismutase (SOD), catalase (CAT), ascorbate peroxidase (APX), guaiacol peroxidase (POD) and polyphenoloxidase (PPO) and hydrogen peroxide (H2O2) and lipid peroxidation. When the plants were in the transition from paradormancy to endodormancy the maintenance of the branches in cold temperatures of 3, 6, 9 and 12 °C induced the bud endodormancy. Temperatures of 3 and 6 °C were more efficient to overcome dormancy than 9 and 12 °C when the buds were in transition from paradormancy to endodormancy. When the buds were in endodormancy, temperatures of 3, 6, 9 and 12 °C were effective for overcoming bud dormancy. Temperature of 12 °C is able to induce and overcome dormancy, but more slowly, requiring more cold hours. At the end of March 2015, the plants were already dormant, the leaves and fruits present suggest paradormancy effect. Induction of endodormancy may have occurred in June 2015, when the accumulation of CH below 7.2 °C and higher CH below 12 °C, which induced decrease in water content and respiratory activity, increase reducing sugars, decrease of SOD, CAT, APX and PPO and H2O2 increase. After accumulation of 553 CH below 12 °C in August 2015, budburst capacity increased, the buds showed increase water content, decrease reducing sugars, increase respiratory activity, low activity of SOD, CAT, APX and POD and high H2O2 contents. Key-words: Diospyros kaki. Paradormancy. Endodormancy. Cold hours. Metabolic activity. Oxidative stress.pt_BR
dc.format.extent100 f. : il., tabs.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relationDisponível em formato digitalpt_BR
dc.subjectAgronomiapt_BR
dc.subjectCaquipt_BR
dc.subjectDormencia em plantaspt_BR
dc.titleFisiologia e bioquímica da dormência de gemas de caquizeiro Fuyupt_BR
dc.typeTesept_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record