Show simple item record

dc.contributor.advisorXavier Neto, Josept_BR
dc.contributor.authorAzambuja, Ana Paulapt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Biológicas. Programa de Pós-Graduação em Biologia Celular e Molecularpt_BR
dc.date.accessioned2018-04-20T19:36:29Z
dc.date.available2018-04-20T19:36:29Z
dc.date.issued2006pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/4632
dc.descriptionOrientador: José Xavier Netopt_BR
dc.descriptionDissertaçao (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciencias Biológicas, Programa de Pós-Graduaçao em Biologia Celular e Molecular. Defesa: Curitiba, 27/03/2006pt_BR
dc.descriptionInclui bibliografiapt_BR
dc.descriptionÁrea de concentraçao: Biologia celular e molecularpt_BR
dc.description.abstractAs doenças cardiovasculares apresentam-se como alvos atraentes para a Terapia Celular (TC) e atualmente diversos tipos de células-tronco, embrionárias e adultas, têm sido cogitados como fonte para TC cardíaca. Para que o potencial da TC possa ser explorado eficazmente é necessário um maior conhecimento da diferenciação dos diversos tipos de células pluripotentes disponíveis, assim como acesso a sistemas de referência adequados. No embrião, a circulação coronária deriva do órgão proepicárdico (OPE), que é constituído por células multipotentes, precursoras do endotélio, das células musculares lisas (CML), dos fibroblastos dos vasos coronários e também do epicárdio. Acreditamos que o estudo do desenvolvimento das coronárias possa levar ao aperfeiçoamento da TC cardíaca através do desenvolvimento de modelos eficientes de angiogênese. Assim, buscamos estabelecer um sistema de cultura para o OPE, caracterizando o estado de diferenciação dos precursores coronários em cultura, e ainda, elucidar fatores envolvidos na manutenção do estado indiferenciado destas células. Com isso, demonstramos a viabilidade da cultura do OPE, assegurando a manutenção de características endógenas destas células em cultura. Demonstramos ainda, que o soro fetal bovino (SFB), indispensável à adesão celular, apresenta um forte efeito indutor da diferenciação de CMLs em cultura. Refreando esta indução, o ácido retinóico (AR) se apresentou como um forte candidato a mantenedor do estado indiferenciado das células do OPE, sendo capaz não só de diminuir significativamente o número de CMLs em cultura, como também de aumentar a expressão de WT1 e RALDH2, reconhecidos como marcadores do estado indiferenciado desta linhagem celular. Palavras chave: 1. Precursores coronários. 2. Terapia Celular. 3. Ácido Retinóico. 4. Órgão proepicárdico. 5. Embriãopt_BR
dc.format.extent77f. : il. color.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relationDisponível em formato digitalpt_BR
dc.subjectBiologia celularpt_BR
dc.subjectEmbriãopt_BR
dc.subjectTesespt_BR
dc.subjectCitologia e biologia celularpt_BR
dc.subjectBiologia molecularpt_BR
dc.titleUm modelo de cultura para precursores coronáriospt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record