Show simple item record

dc.contributor.advisorBallester, Eduardo Luis Cupertinopt_BR
dc.contributor.authorDutra, Fabrício Martinspt_BR
dc.contributor.otherFreire, Carolina Arruda de Oliveira, 1966-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Biológicas. Programa de Pós-Graduação em Zoologiapt_BR
dc.date.accessioned2017-05-04T19:05:17Z
dc.date.available2017-05-04T19:05:17Z
dc.date.issued2017pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/46288
dc.descriptionOrientador : Prof. Dr. Eduardo Luis Cupertino Ballesterpt_BR
dc.descriptionCoorientador : Profª. Drª. Carolina Arruda de Oliveira Freirept_BR
dc.descriptionTese (doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Zoologia. Defesa: Curitiba, 02/02/2017pt_BR
dc.descriptionInclui referências : f. 332-38;47-50;68-76;93-101;103-111;116-119pt_BR
dc.descriptionArea de concentração: Zoologiapt_BR
dc.description.abstractResumo: O objetivo do presente trabalho foi determinar o efeito de diferentes concentrações de amônia e nitrito sobre pós-larvas, juvenis e adultos do camarão-da-amazônia Macrobrachium amazonicum, durante 96 horas de exposição. Cada estágio de vida foram submetido a diferentes concentrações de amônia total (0, 5, 10, 20, 40 e 80 mg.L-1) e nitrito (0, 1, 2, 4, 8 e 16 mg.L-1). Brânquias de juvenis foram retiradas para realização da avaliação histopatológica. A concentração letal mediana (CL50-96h) de amônia (capítulo 1) foi calculada pelo modelo matemático Probit. A CL50-96h para pós-larvas, juvenis e adultos de M. amazonicum foi de 21,14; 21,65 e 36,59 mg.L-1 de amônia total, ou 0,67, 0,75 e 1,08 mg.L-1 de amônia não ionizada, respectivamente. Os níveis de segurança para a produção deste camarão foi de 0,06; 0,07 e 0,1 mg.L-1 para pós-larvas, juvenis e adultos, respectivamente. No teste de concentração letal mediana (CL50-96h) de nitrito (Capítulo 2), realizado pelo modelo matemático Weibull I, observou-se que a CL50-96h para pós larvas, juvenis e adultos de M. amazonicum foi de 1,49; 2,36 e 2,34 mg.L-1 de nitrito, respectivamente. Os níveis de segurança para produção foram de 0,1 mg L-1 a pós-larvas e 0,2 mg.L-1 nitrito para juvenis e adultos. Quando avaliamos as alterações em brânquias de juvenis de M. amazonicum submetidos a diferentes concentrações de amônia total e nitrito (Capítulo 3), observou-se que os danos às brânquias nos tratamentos com mortalidade de 100%, corresponderam à alta ocorrência de danos progressivos, regressivos, circulatórios e inflamação. Os demais tratamentos apresentaram, principalmente, inflamação e danos regressivos, aumentando sua ocorrência de acordo com o aumento da concentração. A análise histológica confirmou que quanto maiores as concentrações de amônia total e nitrito, maiores foram os danos causados à estrutura da brânquia. Na avaliação do processo osmótico (Capítulo 4), ao comparar as fases de vida para cada concentração de amônia total, observou-se que a ativadade da anidrase carbônica (AAC) foi maior para juvenis, estatisticamente diferente (p<0,05) de pós larvas. Para nitrito, a fase adulta apresentou maior atividade na concentração de 8 mg.L-1, sendo diferente (p<0,05) de pós larvas e juvenis. Os valores de ACC nas demais concentrações são semelhantes entre as fases de vida (p>0,05). Ao comparar as concentrações dos compostos em cada fase de vida, observou-se que camarões na fase adulta apresentaram maior AAC quando expostos a 5 mg.L-1 de amônia total, diferindo estatisticamente (p<0,05) da AAC em 20 e 40 mg.L-1 de amônia total. Quando submetidos ao nitrito, camarões adultos apresentaram maior AAC na concentração de 8 mg.L-1 e menor na concentração de 16 mg.L-1, sendo diferente estatisticamente (p<0,05) entre si. Nas demais fases a AAC foi semelhante (p>0,05) entre todas as concentrações, tanto para amônia total quanto para nitrito. Avaliando a osmolalidade da hemolinfa, observamos que nas concentrações de 0 e 5 mg.L-1 de amônia total, pós larvas apresentaram os maiores valores, sendo diferente estatisticamente das demais fases (p<0,05). Já para nitrito, pós larvas apresentaram os menores valores de osmolalidade, diferindo estatisticamente (p<0,05) de juvenis e adultos. Ao comparar as concentrações dos compostos em cada fase de vida, observamos que os maiores valores de osmolalidade são encontrados em pós larvas e juvenis nas concentrações de 5 e 10 mg.L-1 de amônia total, que apresentaram diferença estatística (p<0,05) em relação às menores concentrações osmóticas, observadas nas concentrações de 40 e 0 mg.L-1 de amônia total, respectivamente. Para nitrito, foi observada diferença (p<0,05) na fase de pós larvas, que apresentou maior valor de osmolalidade em 0 mg.L-1 e o menor em 2 mg.L-1 de nitrito. Portanto, Pós larvas de M. amazonicum tem menor capacidade de manter sua AAC quando submetida ao aumento da concentração de amônia total, bem como, menor capacidade de manter a concentração osmótica na hemolinfa quando submetido ao aumento na concentração de nitrito. Palavras chave: Camarão de água doce, Compostos nitrogenados, Toxicologia, Alteração branquial, Atividade enzimáticapt_BR
dc.description.abstractAbstract: The objective of the presente study was to determine the effect of different concentrations of ammonia and nitrite on post larvae, juveniles and adults of the Amazon river prawn Macrobrachium amazonicum, during 96 hours of exposure. Each life stage were submitted to different concentrations of total ammonia (0, 5, 10, 20, 40 and 80 mg.L-1) and nitrite (0, 1, 2, 4, 8 and 16 mg.L-1). Juvenile gills were removed for the histopathological evaluation. The median lethal concentration (LC50-96h) of ammonia (Chapter 1) was calculated by the mathematical model Probit. LC50-96h for post larvae, juveniles, and adults of M. amazonicum was of 21.14, 21.65 and 36.59 mg.L-1 of total ammonia or 0.67, 0.75 and 1.08 mg.L-1of non-ionized ammonia. Thus, from these results, safe levels for the production of this prawn are of 0.06, 0.07 and 0.1 mg.L-1 from post larvae, juveniles and adults, respectively. In the test of median lethal concentration (LC50-96h) of nitrite (Chapter 2), performed with the mathematical model Weibull I, it was observed that the LC50-96h for post larvae, juveniles and adults of M. amazonicum were of 1.49, 2.36 and 2.34 mg.L-1 of nitrite, respectively. Safe levels for the production were of 0.1 mg.L-1 to post larvae and 0.2 mg.L-1 of nitrite to juvenile and adults. When we evaluated the alterations in gills of juveniles of M. amazonicum submitted to different concentrations of total ammonia and nitrite (Chapter 3), it was observed that damage to gills in treatments with 100% mortality, corresponded to the high occurrence of progressive, regressive, circulatory, and inflammation damages. The other treatments had mainly inflammation and regressive damages, whose occurrence increased according to the increase in concentration. The histological analysis confirmed that the higher the total ammonia and nitrite concentrations, the larger the damages caused to the gill structure. In the evaluation of the osmotic process (Chapter 4), when comparing the life stages for each concentration of total ammonia, it was observed that the Activity of carbonic anhydrase (CAA) was lower for post larvae and higher for juveniles exposed to total ammonia, differing statistically (p<0.05) between them. For nitrite, the adult stage presented higher activity in the concentration of 8 mg.L-1, differing (p<0.05) from post larvae and juveniles. In the other concentrations, similar activity values were observed among the life stages (p>0.05). Comparing the concentrations of the compounds in each life stage, it is observed that adult prawns presented higher CAA when exposed to 5 mg.L- 1 of total ammonia, differing statistically (p<0.05) from CAA in 20 and 40 mg.L-1 of total ammonia, which presented the lowest values. When submitted to nitrite, adult prawn presented higher AAC at the concentration of 8 mg.L-1 and lower at the concentration of 16 mg.L-1, differing (p<0.05) from each other. In the other stages the AAC was similar (p>0.05) among all concentrations, to both total ammonia and nitrite. Evaluating the hemolymph osmolality, we observed that in the concentrations of 0 and 5 mg.L-1 of total ammonia, post larvae had the highest values. To nitrite, post larvae present the lowest values of osmolality, differing statistically from the other stages (p<0.05). Comparing the concentrations of the compounds at each life stage, it is observed that the highest values for post larvae and juveniles are observed in the concentrations of 5 and 10 mg.L-1 of total ammonia, which presented statistical difference (p<0.05) in relation to the lower concentrations, observed in the concentrations of 40 and 0 mg.L-1 of total ammonia, respectively. To nitrite, was observed difference (p<0.05) in the post larval stage, which has a higher osmolality value in 0 mg.L-1 and the lowest at 2 mg.L-1 nitrite. Therefore, post larvae of M. amazonicum have a lower capacity to maintain their CAA when submitted to an increase in total ammonia concentration. Pos larvae also has a lower ability to maintain the osmotic concentration in the hemolymph when submitted to an increase in nitrite concentration. Keywords: Freshwater prawn, Nitrogen compounds, Toxicology, Gill alteration, Enzymatic activitypt_BR
dc.format.extent175 f. : il. algumas color., tabs., grafs.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relationDisponível em formato digitalpt_BR
dc.subjectZoologiapt_BR
dc.subjectCamarão de agua docept_BR
dc.subjectToxicologiapt_BR
dc.subjectNitritospt_BR
dc.titleEfeito da amônia e nitrito sobre pós larvas, juvenis e adultos do camarão-da-amazônia macrobrachium amazonicum (Heller, 1862)pt_BR
dc.typeTesept_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record