Show simple item record

dc.contributor.advisorZampronio, Aleksander Robertopt_BR
dc.contributor.authorTelles, Tatiane Mendes Boutin Bartneckpt_BR
dc.contributor.otherCorreia, Diegopt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Biológicas. Programa de Pós-Graduação em Farmacologiapt_BR
dc.date.accessioned2017-03-28T17:11:54Z
dc.date.available2017-03-28T17:11:54Z
dc.date.issued2016pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/45797
dc.descriptionOrientador : Prof. Dr. Aleksander R Zamproniopt_BR
dc.descriptionCoorientadora : Diego Correiapt_BR
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Farmacologia. Defesa: Curitiba, 29/06/2016pt_BR
dc.descriptionInclui referências : f. 56-59pt_BR
dc.descriptionÁrea de concentraçãopt_BR
dc.description.abstractResumo: A exposição ao etanol, durante diferentes fases da vida pode aumentar o risco de infecções e promover alterações no sistema nervoso central. No presente estudo, investigou-se o efeito da exposição ao etanol (binge) em ratos adolescentes na resposta febril induzida por lipopolissacarídeo (LPS) e interleucina-1?(IL-1?). A exposição dos animais durante a adolescência ao etanol não alterou a temperatura corporal dos animais. Observou-se uma redução significativa na resposta febril induzida por LPS (5 ou 50 ?g/kg, por via intraperitoneal) no dia 51 pós-natal (13 dias depois da última exposição ao etanol). No entanto, não foram observadas alterações na resposta febril em animais expostos ao etanol no dia 63 pós-natal (25 dias depois da última exposição ao etanol). A resposta febril induzida pela administração intracerebroventricular de IL-1? (3 ?g) foi também reduzida em animais expostos ao etanol (binge) durante a adolescência (dia 51 pós-natal). O tratamento oral agudo com etanol 24 h antes da administração de LPS não alterou a resposta febril induzida por este pirogênio. A exposição ao etanol durante a adolescência não alterou os parâmetros hematológicos ou o número e viabilidade dos macrófagos peritoneais. A administração de LPS aumentou os níveis plasmáticos de IL-1? de maneira similar em animais que receberam salina ou expostos ao etanol na adolescência. No entanto, os animais expostos ao etanol apresentaram níveis significativamente menores de IL-1? no fluido cerebroespinhal após a administração de LPS quando comparados com animais que receberam salina. Estes resultados sugerem que a exposição ao etanol (binge) durante a adolescência produz alterações no sistema nervoso central que podem prejudicar a resposta febril e que podem ser observadas mais tarde, após a suspensão da exposição, mas que são reversíveis. Estas alterações parecem envolver as mudanças na sinalização LPS/IL-1?.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: Ethanol exposure during different phases of life may increase the risk of infections and promote alterations in the central nervous system. In the present study, investigated the effect of binge-like exposure to ethanol of adolescent rats in the febrile response induced by lipopolysaccharide (LPS) and interleukin-1? (IL-1?). The exposure of the animals during adolescence to ethanol did not change the body temperature of the animals. A significant reduction in the febrile response induced by LPS (5 or 50 ?g/kg, intraperitoneally) was observed on postnatal day 51 (13 days after the last exposure to ethanol). However, no changes in the febrile response in ethanol-exposed animals were observed on postnatal day 63 (25 days after last exposure to ethanol). The febrile response induced by intracerebroventricular IL-1? (3 ng) was also significantly abrogated in binge-like ethanol exposed animals during adolescence (postnatal day 51). The acute oral treatment with ethanol 24 h prior LPS administration did not change the febrile response induced by LPS (50 ?g/kg). The binge-like exposure to ethanol during adolescence did not change the hematological parameters or the number and viability of peritoneal macrophages. LPS administration increase the plasma levels of IL-1? in both animals that received saline and exposed to ethanol during adolescence. However, the animals that were exposed to ethanol showed significantly lower levels of IL-1? in the cerebrospinal fluid after the administration of LPS when compared to animals that received saline. These results suggest that binge-like exposure to ethanol during adolescence produce changes in the central nervous system that can impair the febrile response and that can be observed later after the suspension of the treatment but that are reversible. These changes may involve changes in LPS/IL-1? signaling.pt_BR
dc.format.extent59 f. : il. alguma color., grafs.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relationDisponível em formato digitalpt_BR
dc.subjectFarmacologiapt_BR
dc.subjectÁlcoolpt_BR
dc.subjectFebrept_BR
dc.titleEfeitos da exposição intermitente ao etanol na adolescência sobre a resposta febril em ratospt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record