Show simple item record

dc.contributor.advisorBlum, Christopher Thomas
dc.contributor.authorReis, Allan Rodrigo Nunho dos
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Parana. Setor de Ciencias Agrárias. Curso de Engenharia Florestal
dc.date.accessioned2017-03-02T22:14:41Z
dc.date.available2017-03-02T22:14:41Z
dc.date.issued2016
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/45533
dc.descriptionOrientador: Prof. Dr. Christopher Thomas Blum
dc.descriptionMonografia (graduação) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Agrárias, Curso de Engenharia Florestal.
dc.description.abstractResumo: Drosera brevifolia Pursh é uma herbácea insetívora considerada ameaçada de extinção na região de Curitiba. O objetivo deste trabalho foi caracterizar sua autoecologia em remanescente de campo natural. O Experimento 1 (E1) consistiu no acompanhamento mensal da sobrevivência e ingresso de indivíduos relocados. Para este foram implantados quatro tratamentos com 50 indivíduos cada, diferenciados pelo relevo e insolação: E1T1 (íngreme/pleno sol); E1T2 (íngreme/sombra parcial); E1T3 (suave/sombra parcial) e E1T4 (suave/pleno sol). No Experimento 2 (E2) foram implantadas 15 parcelas de 10x10 cm distribuídas sistematicamente no local de ocorrência natural da espécie (E2T1) e 5 parcelas de 10x10 cm em cada um dos demais 3 tratamentos (E2T2, E2T3, E2T4) para onde os indivíduos haviam sido relocados (E1). Nas parcelas os indivíduos foram mensalmente avaliados com registro de número de indivíduos e diâmetro das rosetas (demografia), além das fenofases vegetativas brotos, folhas adultas e folhas velhas e das fenofases reprodutivas botão, antese, frutos imaturos e frutos maduros (fenologia). Foram também coletados dados de declividade, umidade do solo e luminosidade em cada tratamento. No E1 178 plantas morreram no primeiro mês após o início do acompanhamento (89%), possivelmente devido às condições meteorológicas do período, indicando que a espécie é sensível a flutuações ambientais locais. A densidade demográfica no E2 apresentou tendência predominante de decréscimo concentrada entre setembro e novembro, com certa estabilização a partir de dezembro. A média dos diâmetros das rosetas também apresentou diminuição na primavera, sugerindo que a redução populacional seja acompanhada pela redução no tamanho das rosetas. Porém esta variável demonstrou tendência de aumento no final do verão. A maior frequência de floração e frutificação ocorreu entre setembro e novembro. As maiores concentrações de indivíduos com floração (39,5%) ocorreram entre setembro e outubro, enquanto que nos meses de outubro e novembro constatou-se as maiores concentrações de plantas frutificando (59,4%). A faixa de umidade do solo (em período chuvoso) mais favorável é de 22% a 30%. Apenas o tratamento E1T1 apresentou correlação positiva significativa entre sobrevivência e temperatura. Não foi constatada correlação significativa entre declividade, umidade do solo e luminosidade com a dinâmica populacional, nem tampouco entre variáveis meteorológicas e índices fenológicos. Foi constatada diferença significativa para diâmetro de rosetas e densidade populacional entre alguns tratamentos.
dc.format.extent59 f, : il. color., grafs.
dc.format.mimetypeapplication/pdf
dc.relationDisponível em formato digital
dc.subjectDrosera
dc.subjectPlantas carnivoras
dc.subjectEcologia vegetal
dc.subjectPlantas - Extinção - Curitiba (PR)
dc.titleAutoecologia de Drosera brevifolia Pursh. em remanescente de vegetação natural de Curitiba, PR : aspectos demográficos, fenologia e condicionantes ambientais
dc.typeMonografia Graduação


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record