Show simple item record

dc.contributor.advisorRaboni, Sônia Mara
dc.contributor.authorMoreira, Francielli Brusco
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Biológicas. Programa de Pós-Graduação em Microbiologia, Parasitologia e Patologia Básica
dc.date.accessioned2016-09-20T16:05:09Z
dc.date.available2016-09-20T16:05:09Z
dc.date.issued2015
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/43851
dc.descriptionOrientadora : Profª Drª Sônia Mara Raboni
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Ciencias Biológicas (Microbiologia, Parasitologia e Patologia Básica). Defesa: Curitiba, 18/09/2015
dc.descriptionInclui referências : f. 97-107
dc.descriptionÁrea de concentração: Microbiologia
dc.description.abstractResumo: O vírus sincicial respiratório (VSR) é um importante agente etiológico de infecções respiratórias agudas, prevalente entre crianças com até dois anos de idade e geralmente associado à casos de bronquiolite e pneumonia. O VSR é um paramyxovirus, possui uma fita simples de RNA com 10 genes que codificam 11 proteínas, classifica-se em dois grupos, A e B. Um dos principais fatores que contribuem para as epidemias pelo VSR é a variabilidade genética das proteínas de superfície F e G, que são responsáveis pela adesão e entrada do vírus nas células hospedeiras. Este estudo relata o perfil da variabilidade genética, clínica e epidemiológica do VSR detectado em pacientes pediátricos internados em um hospital de ensino de alta complexidade, no Sul do Brasil. Métodos: Este é um estudo transversal que analisa amostras de pacientes pediátricos atendidos de julho de 2011 a maio de 2013. Dados clínicos, demográficos e epidemiológicos foram avaliados por revisão de prontuários clínicos. Amostras positivas para VSR foram analisadas por RT-PCR convencional para amplificação dos genes G e F e foram subtipadas por meio de sequenciamento nucleotídico. Resultados: Um total de 70 amostras positivas para VSR foram analisadas, sendo 55 (78,6%) do grupo A e 15 (21,4%) do grupo B. Quarenta e oito (68,6%) delas apresentaram monoinfecção e 22 (31,4%) coinfecção viral. A média de idade foi de 6 meses (IQR 2; 11), e 54,3% dos pacientes eram do sexo feminino. Onze pacientes apresentaram comorbidades entre a população estudada. Febre, esforço respiratório, necessidade de oxigênio e uso de antibiótico foram observados para a maioria dos pacientes. Nove crianças precisaram de cuidados intensivos e uma paciente faleceu devido a outros fatores não relacionados com a condição respiratória. Entre as amostras do grupo A, 27 (27/68, 39,7%) relacionaram-se com o genótipo ON1, que possui a inserção de 72 nucleotídeos na segunda região variável do gene G. Entretanto, todas as amostras do grupo B (15 amostras) relacionaram-se com o genótipo BA-like, que possui a inserção de 60 nucleotídeos na segunda região hipervariável da proteína G. Os genótipos encontrados na população estudada foram: ON1, NA1, NA2 e GA5 para o grupo A e BA-like para o grupo B. Conclusão: Não foi observada associação entre casos graves e a presença de mono ou coinfecção, nem em relação ao grupo do VSR. Porém quando são comparadas amostras pertencentes aos genótipos ON1 e BA-like que possuem inserção de nucleotídeos, com aquelas sem a inserção, observa-se uma diferença significativa com maior frequência de doença grave - definidos como aqueles casos que necessitam de ventilação mecânica invasiva, internamento em UTI e/ou óbito - entre os pacientes infectados com as variantes que apresentavam inserção de nucleotídeos. Estes achados contribuem para uma melhor compreensão sobre a dinâmica das infecções por VSR na população pediátrica e os fatores associados com a gravidade da doença. Palavras-chave: Vírus sincicial respiratório humano. Epidemiologia molecular. Genótipos. Infecções respiratórias. Infecções por vírus respiratório sincicial.
dc.description.abstractAbstract: Human respiratory syncytial virus (hRSV) is a major etiologic agent of acute respiratory infections. It is highly prevalent among children until two years old, and usually associated with bronchiolitis and pneumonia. The hRSV, a paramyxovirus, has a single strand RNA with 10 genes, which codifies 11 proteins, and is classified into two groups, A and B. An important factor that contributes to hRSV outbreaks is the surface proteins F and G genetic variability, which are responsible for entry and dissemination of the virus in the host cells. This study reports genetic variability, clinical and epidemiological profile of hRSV detected in pediatric patients admitted to a highly complex teaching hospital, in Southern Brazil. Methods: This cross-sectional study included samples from pediatric patients attending from July 2011 to May 2013. Clinical, demographic, and epidemiological data were evaluated by review of medical records. hRSV positive samples were analyzed by conventional RT-PCR to amplify the G and F genes, and subtyping was carried out by nucleotide sequencing. Results: A total of 70 hRSV positive were analyzed, being 55 (78.6%) type A and 15 (21.4%) type B. Forty-eight (68.6%) of them presented viral mono-infection, and 22 (31.4%) viral co-infection. The median age was 6 months (IQR 2; 11), and 54.3% of patients were female. Eleven patients had co-morbidities among the study population. Fever, respiratory distress, oxygen therapy and antibiotic use were reported for the majority of patients. Nine children needed intensive care, and one patient died due to other factors unrelated to the respiratory condition. Among the samples of group A, 27 (27/68, 39.7%) correlated with the genotype ON1, which has the 72 nucleotide insertion in the second variable region gene G. However, all samples of group B (15 samples) were related to the BA-like genotype, which has the 60 nucleotides insertion in the second hypervariable region of the G protein. The genotypes found in this study were: ON1, NA1, NA2 and GA5 for group A and BA-like for group B. Conclusion: There was no association between severe cases and the presence of mono- or coinfection, even compared to the group of hRSV. However, the comparison between samples belonging to genotypes ON1 and BA-like insertion having nucleotide sequences and those without the insertion, showed a significant difference with presence of sever disease - defined as those cases that require invasive mechanical ventilation, hospitalization in ICU and/ or death - among patients infected with viral variants presenting nucleotides insertion. These findings provide new information about the molecular epidemiology of circulating hRSV among hospitalized pediatric patients, which contributes to a better understanding of the factors associated with the severity of this disease among these patients. Key words: Human respiratory syncytial virus. Molecular epidemiology. Genotype. Respiratory tract infections. Respiratory syncytial virus infections.
dc.format.extent114 f. : il. algumas color.
dc.format.mimetypeapplication/pdf
dc.languagePortuguês
dc.relationDisponível também em formato digital
dc.subjectInfecções por Vírus Respiratório Sincicial
dc.subjectEpidemiologia molecular
dc.subjectGenótipos
dc.titleInfecções por vírus sincicial respiratório (VSR) no período de dois anos : epidemiologia molecular e impacto clínico
dc.typeDissertação


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record