Show simple item record

dc.contributor.advisorLimongi, Maria Isabel de Magalhães Papaterra, 1967-pt_BR
dc.contributor.authorOliveira, Priscila Ricardo dept_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Filosofiapt_BR
dc.date.accessioned2020-02-21T16:52:42Z
dc.date.available2020-02-21T16:52:42Z
dc.date.issued2015pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/43021
dc.descriptionOrientador: Prof. Dr. Maria Isabel Limongipt_BR
dc.descriptionDissertaçao (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Filosofia. Defesa: Curitiba, 10/03/2016pt_BR
dc.descriptionInclui referências : f. 114-120pt_BR
dc.descriptionÁrea de concentração: Filosofiapt_BR
dc.description.abstractResumo: É apresentada, neste trabalho, a partir do estudo das principais obras de Anthony Ashley Cooper, Terceiro Conde de Shaftesbury, uma leitura que visa ressaltar a necessidade do refinamento crítico da razão (ou engenho) para a formação do caráter virtuoso. Segundo esta, o bem ou virtude moral apareceria ao fim de um processo reflexivo e social de formação dos juízos, e não como princípio engessado a partir do qual se deduziria uma ética normativa-coercitiva. Para tanto, busca-se elucidar três pontos centrais: 1) das relações entre o gênero humano e a natureza pela chave dos conceitos de ordem, unidade e desígnio; 2) sobre o caráter social das afecções naturais que aponta para uma continuidade entre a mente e o mundo, natureza e cultura; 3) e de como a regra do julgar é inerente à própria atividade do juízo sem que isso implique numa subjetivação, sendo erigida na auto inspeção e regulação do self, tanto pela prática interior do solilóquio quanto pelo livre embate das opiniões, na vida pública. Ao final da investigação será possível notar a aproximação entre os valores ou domínios éticos e estéticos, sugerindo que a razão, em Shaftesbury, pode e deve ser pensada como da ordem de uma opinião ou gosto a serem aprimorados, como uma atividade formante e criativa inscrita na própria percepção (e, assim, vinculada à sensibilidade), contrariando a instrumentalização moderna da mesma que a vê como uma faculdade mecânica, descolada das afecções, cujas regras são prévias à própria constituição do caráter humano e de suas relações.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: This work presents a reading of the major works of Anthony Ashley Cooper, Third Earl of Shaftesbury which seeks to highlight the need for a critical refinement of reason (or ingenium) as part of the formation of virtuous character. According to this view, the good or moral virtue would appear at the end of a reflective and social process for forming judgments, and not as a fixed principle from which one would deduce normative-coercive ethics. Thus, this work seeks to elucidate three central points: 1) the relationship between mankind and nature illuminated through the key concepts of order, unity, and design; 2) the social character of natural affections, which points to a continuity between the mind and the world, nature, and culture; 3) and how the rule of judgment is inherent to the activity of judging without being implicated in subjectivity; rather, it is built on self-inspection and self-regulation, both through the interior practice of soliloquy and the free exchange of opinions in public life. At the end of the investigation, it will be possible to observe the proximity between ethical and aesthetic values or domains, suggesting that reason, in Shaftesbury, can and should be thought of as the order of an opinion or taste to be refined, as a formant and creative activity inscribed in perception itself (and thus linked to sensitivity). This activity contradicts the modern instrumentalisation thereof, which sees it as a mechanical faculty, detached from affections, whose rules predate the very constitution of human nature and its relationships.pt_BR
dc.format.extent120f.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectShaftesbury, Anthony Ashley Cooper, Conde de, 1671-1713pt_BR
dc.subjectRazao (Filosofia)pt_BR
dc.subjectÉtica social - Condições moraispt_BR
dc.subjectVirtude - Critica - Reflexão (Filosofia)pt_BR
dc.titleNatureza, sociedade e crítica : a formação dos juízos e da virtude moral em Shaftesburypt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record